NASA envia sonda rumo a um asteroide que poderia se chocar com a Terra

A rocha Bennu, cuja probabilidade de impacto é de 0,037%, poderia fornecer pistas sobre a vida na Terra

Recriação artística da sonda OSIRIS-REx.NASA/Goddard/Chris Meaney

MAIS INFORMAÇÕES

A probabilidade de que uma rocha espacial caia sobre a cabeça de uma pessoa é mínima, mas existe. Em 14 de agosto de 1992, um menino ugandês passeava em seu vilarejo, Mbale, quando uma pedrinha com apenas três gramas atravessou uma bananeira e ricocheteou em sua cabeça. Era um fragmento minúsculo de um meteorito com uma tonelada que se pulverizara pouco antes no encontro com a atmosfera, a 14 quilômetros de altitude, provocando uma chuva de pequenos meteoritos.

Não aconteceu nada com o menino de Mbale, mas aquilo poderia ter sido muito pior. Há uma possibilidade em 2.700 de que o asteroide Bennu, que possui cerca de 500 metros de diâmetro, se choque com a Terra daqui a cerca de 150 anos. Se isso acontecer, será formada uma cratera com cinco quilômetros de diâmetro, liberando uma energia 70.000 vezes superior à da bomba atômica de Hiroshima, segundo os cálculos da NASA.

O objetivo da sonda, que será lançada em 8 de setembro, é chegar até o asteroide e voltar com amostras

Mas não há por que se preocupar demais. A probabilidade de alguém morrer em um acidente de trânsito é de 1 para 113, de acordo com os dados dos EUA. O asteroide Bennu, por outro lado, pode ter um impacto importante no conhecimento humano sobre como os planetas foram formados, como começou a vida na Terra e como ela, provavelmente, teria sido originada em outros pontos do Sistema Solar. A NASA irá lançar no dia 8 de setembro, às 19h05, hora local de Cabo Canaveral, a sonda OSIRIS-REx, com a missão de aterrissar no asteroide, colher fragmentos dele e voltar para casa.

“Ninguém precisa se preocupar, de modo algum. A probabilidade acumulada de um impacto é de 0,037%, e isso lá pelo final do século XXII”, explica o chefe da missão, Mike Donnelly, do Centro de Voos Espaciais Goddard, da NASA. E nos tranquiliza: “Até lá, os dados coletados pela OSIRIS-REx nos ajudarão a fazer previsões melhores quanto à órbita do Bennu.”

Essa não será a primeira missão de ida e volta de um asteroide. A sonda japonesa Hayabusa aterrissou em 2005 no asteroide Itokawa. Cinco anos depois, voltou trazendo amostras a partir das quais se pôde afirmar que asteroides como o Itokawa, com material rochoso do tipo S, estão na origem da maioria dos meteoritos que caem sobre a Terra. Agora, a NASA espera coletar entre 60 e 2.000 gramas de Bennu, a fim de, em tese, encontrar moléculas orgânicas, como aminoácidos, os "tijolos" que conseguiram dar origem à vida na Terra há cerca de 4 bilhões de anos.

O Bennu pode abrigar os 'tijolos' que conseguiram dar origem à vida na Terra há cerca de 4 bilhões de anos

A sonda OSIRIS-REx, que pesa cerca de duas toneladas, chegará ao asteroide Bennu em 2018. Os responsáveis pela missão optaram por esse ponto de coleta de material depois de mapear a sua superfície. As amostras serão coletadas pelo braço robótico da sonda. Ela será uma espécie de cápsula do tempo dos primeiros momentos do Sistema Solar, que será analisada, se tudo der certo, em seu retorno à Terra, em 2023.

A missão da NASA tem, também, um outro objetivo: aprender a extrair minério dos asteroides. Em 2013, a agência espacial norte-americana chegou a comentar que “para satisfazer o apetite da civilização”, as empresas de mineração estão explorando novas fronteiras, abrindo minas a quilômetros de profundidade do subsolo e inclusive no fundo dos oceanos. Os asteroides estão cheios de metais preciosos.

“Um asteroide pequeno de tipo S, com 10 metros, contém cerca de 650 toneladas de metal, com cerca de 50 quilos de platina e de ouro”, disse, na ocasião, Dante Lauretta, pesquisador da Universidade Arizona e chefe científico da missão. Outros asteroides, do tipo M, podem multiplicar essas quantidades em até 10 vezes. Mas existem muitos obstáculos para a mineração espacial. O primeiro deles é que ela não é rentável. A missão OSIRIS-REx custará cerca de 870 milhões de euros (cerca de 3,1 bilhões de reais). Outra dificuldade é que se exige experiência para analisar os recursos naturais de um asteroide e extraí-los. A sonda que irá a Bennu ajudará a resolver esse problema.

Donnelly, o chefe da missão, admite a existência de inúmeros riscos, desde os mais comuns, referentes ao lançamento de qualquer foguete, até os do próprio asteroide. “O Bennu pode ter satélites ou barreiras próprias que não vimos da Terra. Isso poderia comprometer a capacidade de coletar amostras. Não temos como saber disso antes de a sonda chegar”, diz. Os engenheiros também ignoram como o asteroide é exatamente, e se há nele um local seguro para pouso. “Além disso, muitos sistemas internos ao equipamento terão de funcionar durante sete anos para que a sonda recolha as amostras, coloque-as na cápsula de retorno, abandone o asteroide e seja acionada no momento correto para aterrissar depois no deserto de Utah”, acrescenta Donnelly. “O risco é algo inerente à exploração espacial”.

Arquivado Em: