Editoriais
São da responsabilidade do editor e transmitem a visão do diário sobre assuntos atuais – tanto nacionais como internacionais

O poder das formas

É preciso medir o que se faz e o que se diz. Não há lugar para grosseria na política

Pablo Iglesias levanta o punho no Congresso depois de jurar seu cargo de deputado.
Pablo Iglesias levanta o punho no Congresso depois de jurar seu cargo de deputado.JUAN MEDINA (REUTERS)
Mais informações

Neste reinício da vida pública [da Espanha, com a posse do novo Parlamento] é natural que os representantes de cada grupo, sobretudo os novos, tragam suas formas e seus ritos para o espaço público. Isso é o que tentou fazer Carolina Bescansa, a deputada do Podemos que levou o seu bebê ao plenário da sessão de posse do Congresso e o manteve ali por longas horas junto a ela, exceto nos momentos em que foi substituída nessa tarefa por alguns colegas de bancada partidária. A monumental polêmica levantada por esse fato é exagerada, tanto por parte de quem o considera mero exibicionismo como dos que o justificam como uma forma de chamar a atenção para a dificuldade de conciliar a vida familiar e profissional. Pois bem, tal conciliação exige regras legislativas, cultura de corresponsabilidade no cuidado dos filhos e revisão de horários; eis aí um amplo terreno para a política, sem a necessidade de utilizar um bebê para as necessidades de propaganda de um grupo concreto.

O escândalo perante outras supostas transgressões da formalidade é também forçado. Basta recordar o assombro causado pelos paletós de veludo cotelê que os socialistas utilizavam durante a Transição para estar de acordo que aquilo não significou o início de nenhum caminho sem volta. O importante foi a política praticada, e não a acomodação ao código de vestimenta habitual. Por isso, rasgar-se porque algum deputado chegou ao Congresso de bicicleta (deveria chegar de carro ou de metrô?) ou dizer que tranças rasta podem conter piolhos são demonstrações de uma vontade de manter a velha política do confronto.

Esses fatos nos falam do poder das formas, do que se faz e do que se omite, do que se insinua e do que se enfatiza. E há momentos, como nestas semanas, em que sua carga simbólica se acentua. Daí que os atores políticos e os que seguem a vida pública precisem medir o que fazem e o que dizem, os códigos verbal e corporal da linguagem utilizada. Os deputados do Podemos deveriam ter levado isso em conta antes de acrescentar expressões faciais e comentários ao ato de acatamento da Constituição. O fato de algumas forças se oporem à sua reforma e de outras promoverem mudanças constitucionais não impede que todos estejam reunidos no mesmo Congresso e possam parlamentar com argumentos e razões, sem recorrer a exageros gestuais que beiram o hooliganismo.

Da mesma forma é preciso desterrar o desprezo pelos idiomas, hinos e símbolos. Como tampouco é preciso entrar em um torneio verbal de agressividades por conta de uma divergência política (o que aconteceu em relação aos grupos parlamentares que o Podemos pretendia formar). Não voltemos tão rapidamente às práticas da infâmia. A Constituição, da qual nasce a legitimidade de todos os que se sentam no Congresso, e a instituição parlamentar merecem um respeito que em nada impede de utilizar toda a profundidade e a dureza dialética que se deseje, desde que não haja um tratamento grosseiro ou mesquinho.

Mais informações

Arquivado Em

Recomendaciones EL PAÍS
Logo elpais

Você não pode ler mais textos gratuitos este mês.

Assine para continuar lendo

Aproveite o acesso ilimitado com a sua assinatura

ASSINAR

Já sou assinante

Se quiser acompanhar todas as notícias sem limite, assine o EL PAÍS por 30 dias por 1 US$
Assine agora
Siga-nos em: