ArgentinaEditoriais
i

Realismo argentino

Macri dá uma guinada necessária na política econômica e midiática

Mauricio Macri, no ato de posse como presidente de Argentina.
Mauricio Macri, no ato de posse como presidente de Argentina.D. Fernández (EFE)

Mais informações

Mauricio Macri iniciou seu mandato tomando decisões difíceis, mas necessárias, para que a Argentina volte à normalidade econômica e institucional. A eliminação do controle na compra de dólares —conhecido como cepo cambiário— é indispensável para acabar com um intervencionismo econômico baseado na negação sistemática da realidade, independentemente de suas consequências. O novo presidente argentino assumiu o risco de que a já altíssima inflação aumente ainda mais com o consequente prejuízo aos cidadãos, mas a alternativa era continuar com a paralisia de investimentos, economia e criação de empregos, como ocorreu nos últimos quatro anos. Na escolha entre realismo e popularidade, Macri optou pelo primeiro. Uma diferença notável em relação a sua antecessora.

Em paralelo, o Governo anunciou a anulação da polêmica lei de regulação dos meios audiovisuais, um dos pilares legislativos do kirchnerismo. O texto é a materialização legislativa da concepção que a presidenta Cristina Kirchner tinha sobre o papel dos meios de comunicação na sociedade: basicamente via como inimigos os grupos que não apoiaram sua gestão. A conhecida lei da mídia é uma arma formidável de pressão nas mãos de qualquer Governo, mas pouco acorde com uma democracia moderna, e renunciar a seu uso é um passo muito positivo.