Editoriais
i

Mudança de rumo monetário

O aumento das taxas do Federal Reserve é correto; que o Banco Central Europeu mantenha a política expansiva, também

Janet Yellen, presidenta do Fed, anuncia a alta de juros.
Janet Yellen, presidenta do Fed, anuncia a alta de juros.

Mais informações

O Federal Reserve (Fed) terminou nesta quarta-feira com a política de excepcionalidade monetária para combater a crise financeira com a decisão de aumentar as taxas de juros em 25 pontos base. É o primeiro aumento da taxa em nove anos e confirma que Margaret Yellen e sua equipe dão por encerrada a fase de recessão e consideram que a economia está em condições de aguentar um aumento gradual do preço do dinheiro. Uma mudança gradual que, claro, os mercados foram avisados muitas vezes. A questão agora é determinar com que velocidade eles vão produzindo os sucessivos aumentos no novo caminho.

A mudança monetária implica encaminhar a economia global por um caminho inquietante, apesar de conhecido. Para os norte-americanos, porque a partir deste ponto eles vão pagar mais caros os créditos e as hipotecas; para os países com dívida em dólar, pois vai significar um aumento nos juros pagos por ela e pode, em alguns casos, colocar em risco o equilíbrio orçamentário; para a zona do euro, pois significa um enfraquecimento da moeda comum em relação ao dólar, embora seja provável que a maioria dos efeitos já estejam descontados pelos mercados.

O dano é maior para os países emergentes. O aumento das taxas de juro vai atuar como um aspirador de investimentos; muitos dos que estão na América Latina, por exemplo, vão voar para Washington. Esse efeito ganha uma importância incomum no momento em que o colapso do preço das matérias-primas, especialmente do petróleo, coloca em posição muito delicada a Venezuela, o Brasil e a Colômbia na América do Sul, junto com Rússia e vários países africanos.

Deve ficar claro que a decisão do Fed é tão oportuna — pelo risco de bolhas setoriais — como a do Banco Central Europeu de manter e até intensificar na medida possível a sua política monetária expansiva durante os próximos trimestres. A razão é simples: enquanto os EUA parecem ter conseguido algo que se parece com uma recuperação, a Europa continua atolada em algo que se parece a um estancamento. E isso apesar do colapso dos preços do petróleo.