FC Barcelona

O Arsenal de Alexis, rival do Barça

Time de Luis Enrique medirá forças com um rival que sempre eliminou na Champions

Javier Zanetti, durante o sorteio em Nyon.
Javier Zanetti, durante o sorteio em Nyon.FABRICE COFFRINI / AFP

O Barcelona evitou o Paris Saint Germain e a Juventus, os dois rivais que não queria ver nem pitados de ouro, mas acabou emparelhado com o Arsenal (jogos em 23 de fevereiro e 16 de março) uma equipe que está em boa forma, líder provisório do Campeonato Inglês, lotado de jogadores excelentes e sob o comando do eterno Arsene Wenger.

A escalação titular do Arsenal tem sido formada, geralmente, por Cech; Bellerín, Mertesacker, Koscielny, Monreal; Ramsey, Coquelin: Campbell, Özil, Alexis Sánchez; e Giroud. Merece destaque o protagonismo de Alexis Sánchez, ex-Barça, que se recupera de lesão, e do atacante francês Giroud, que já marcou nove gols, três a menos que o chileno que jogou no Camp Nou.

Os ingleses mostraram-se muito irregulares na Champions, mas foram capazes de derrotar em outubro o Bayern de Munique (2-0)

O espanhol Cazorla será desfalque por lesão, ausência muito importante em uma equipe que joga muito bem o futebol, embora às vezes não consiga competir como exige um torneio do tamanho da Champions. O Arsenal já perdeu para o Barça a final da Champions de 2006 e foi igualmente eliminado pelos catalães nas edições de 2009-10 (2-2, 4-1), 2010-2011 (2-1 e 3-1) e na Liga de 1999-2000 conseguiu um empate po 1 a 1 no Camp Nou foi derrotado por 4 a 2 no Emirates Stadium.

Os ingleses mostraram-se muito irregulares até agora na Champions. Foram capazes de derrotar em outubro o poderoso Bayern Munique (2-0), mas se classificaram apenas na última rodada após uma sonora vitória fora de casa por 3 a 0 sobre o Olympiacos.

“Vai ser uma eliminatória muito atraente, aberta e divertida”, previu o diretor esportivo do Barcelona, Robert Fernández.

Debido a las excepcionales circunstancias, EL PAÍS está ofreciendo gratuitamente todos sus contenidos digitales. La información relativa al coronavirus seguirá en abierto mientras persista la gravedad de la crisis.

Decenas de periodistas trabajan sin descanso para llevarte la cobertura más rigurosa y cumplir con su misión de servicio público. Si quieres apoyar nuestro periodismo puedes hacerlo aquí por 1 euro el primer mes (a partir de junio 10 euros). Suscríbete a los hechos.

Suscríbete