Bitcoin

Austrália identifica suposto criador do Bitcoin e faz buscas na sua casa

A revista ‘Wired’ e o blog Gizmodo dizem que se trata de Craig Wright, morador de Sydney

A policial federal da Austrália sai de registrar o domicílio em Sídney do suposto criador da moeda virtual Bitcoin Craig Steven Wright.DAVID GRAY / REUTERS Live

A identidade do criador do Bitcoin, a moeda virtual mais difundida do mundo, pode estar prestes a ser revelada. Trata-se supostamente de Craig Steven Wright, um empresário australiano de 44 anos, morador de Sydney, que foi identificado por várias publicações de tecnologia como um dos inventores desse dinheiro que só circula na Internet. A polícia australiana fez buscas no seu domicílio nesta quarta-feira. Se for confirmada a veracidade das informações, sua identificação acabaria com as especulações sobre a pessoa que está por trás do Bitcoin, e que até agora respondia pelo nome japonês de Satoshi Nakamoto. Ele supostamente teve a colaboração do perito judicial de informática Dave Kleiman, que morreu em 2013.

Será este o criador do Bitcoin? Imagem da conta de Craig Steven Wright na rede social LinkedIn. É a mesma foto que a revista ‘Wired’, que identificou o suposto criador da moeda virtual, capturou da sua conta do Facebook, agora desativada.
Será este o criador do Bitcoin? Imagem da conta de Craig Steven Wright na rede social LinkedIn. É a mesma foto que a revista ‘Wired’, que identificou o suposto criador da moeda virtual, capturou da sua conta do Facebook, agora desativada.

O Bitcoin é um sistema monetário descentralizado, anônimo e independente das flutuações provocadas pelas políticas de Governos e bancos centrais. É uma moeda cifrada e com sistema de circulação P2P (peer-to-peer, ou seja, entre iguais). Ninguém quer assumir sua criação, entre outras coisas, porque quem fizer isso pode ser processado nos Estados Unidos, onde autoridades veem no Bitcoin um ataque ao dólar.

Tanto a revista Wired quanto o blog Gizmodo, ambos especializados em tecnologia, apontam Wright como criador da criptodivisa. “Tudo aponta para Wright”, diz a Wired sobre a investigação. “Entretanto, apesar dos fortes indícios, ainda não podemos afirmar com certeza que o mistério tenha sido resolvido”, acrescenta a revista norte-americana. “Só há duas possibilidades: que ele seja o inventor do Bitcoin, ou que se trate de um gozador que nos fez acreditar que ele era”. Wright está cadastrado na Comissão Australiana de Investimentos e Valores como diretor das empresas Hotwire e Panopticrypt, ambas com endereço na sua residência de Sydney, além de ser acionista e diretor de outras firmas.

A Wired e o Gizmodo afirmam estar de posse de correspondência privada de Wright e de Kleiman que provaria que ambos se envolveram na criação da moeda digital mais popular do mundo. Desde o surgimento do Bitcoin, seu inventor se esconde por trás do pseudônimo de Satoshi Nakamoto. Publicações como The New York Times, Fast Company, New Yorker e Newsweek fizeram investigações jornalísticas para tentar revelar a identidade do inventor, sem sucesso.

MAIS INFORMAÇÕES

A moeda digital passou de valer apenas alguns centavos de dólar em 2009 a mais de 4.000 reais por unidade quatro anos depois. “Foi construída sobre uma rede que torna o envio de dinheiro a qualquer lugar algo tão simples quanto o envio de um email”, diz o Gizmodo, acrescentando que “se Satoshi Nakamoto revelasse quem é, ele – ou eles – seria aclamado como uma das maiores mentes da informática da nossa era”.

Agora o Gizmodo diz ter resolvido o mistério do Bitcoin. O blog tecnológico contou ter recebido uma série de emails anônimos de alguém que teria hackeado o correio eletrônico de Satoshi Nakamoto, relacionando essa conta aos endereços de e-mail do empresário australiano Craig Wright.

Wright anunciou no ano passado a intenção de estabelecer o primeiro banco de Bitcoins do mundo. Em seu perfil do LinkedIn, esse misterioso personagem se apresenta como diretor-executivo da empresa DeMorgan, dedicada “à moeda digital, à próxima geração da atividade bancária e a produtos educativos e de reputação com ênfase na segurança e na criação de uma experiência simples para o usuário”, segundo seu site.

O misterioso sócio

Os e-mails recebidos pelo blog Gizmodo indicam uma relação entre Wright e um veterano do Exército dos EUA, Dave Kleiman. Instalado em Palm Beach, no Estado da Flórida, Kleiman sofreu um acidente de moto em 1995, que o confinou a uma cadeira de rodas. Foi então quando começou a se isolar do mundo e ficar obcecado por tecnologia e computadores. Meses após o acidente, foi encontrado morto em seu apartamento. Seu corpo estava em avançado estado de decomposição, rodeado de garrafas vazias de álcool e com uma pistola carregada.

O Gizmodo diz que tem documentos demonstrando que Kleiman possuía Bitcoins no valor de centenas de milhões de dólares. Também afirma que o veterano conhecia Wright e seus planos para desenvolver a moeda digital. "Craig, acho que você está louco e que isso é arriscado, mas acredito em você e no que estamos tentando fazer", diz Kleiman em um e-mail enviado para Wright em 2011, também segundo documentos obtidos pelo blog Gizmodo.

Embora a publicação reconheça que não pode demonstrar a verdadeira identidade do inventor do Bitcoin, vários e-mails endereçados às autoridades australianas mostram que, no mínimo, Wright reivindicava para si a invenção da moeda digital, pelo menos, desde 2008.

Nesta quarta-feira, a Polícia Federal australiana fez uma busca na casa de Wright, segundo a Reuters, France Presse e The Guardian. No entanto, as autoridades desvincularam os relatos de que Wright poderia ser o criador do Bitcoin. O jornal local Sydney Morning Herald sugere que a operação policial tem a ver com um "assunto individual tributário", e não com seu suposto papel de liderança no desenvolvimento do Bitcoin.

Um dos maiores enigmas

A identidade do criador do Bitcoin é um dos maiores enigmas da era digital. No final de 2008, uma pessoa que respondia pelo nome de Satoshi Nakamoto publicou uma pesquisa que explicava os conceitos básicos do Bitcoin, uma nova moeda digital baseada em um software de código aberto e na tecnologia P2P. O documento incluía um endereço eletrônico através do qual foram trocados vários e-mails por dois anos e meio com a comunidade que ajudou a desenvolvê-lo. O sistema pretendia eliminar os bancos da equação econômica, excluir comissões, preservar a privacidade nas transações, facilitar micropagamentos entre as pessoas... Nascia em plena crise e possuía todos os elementos relativos ao sinal dos tempos.

Hoje, mais de sete anos depois, 25 bitcoins são emitidos a cada 10 minutos e, só na Espanha, são realizadas 100.000 transações por dia. Muitas empresas começam a aceitá-lo como forma de pagamento (Microsoft, Dell, Destinia...). O Federal Reserve, banco central dos EUA, estuda incorporá-lo ao sistema, e grande parte dos investimentos do Vale do Silício flui para empresas revolucionárias ligadas a essa criptomoeda (230 milhões de dólares, ou 865 milhões de reais, só em 2015). Na Espanha, o Bitcoin é utilizado por escritórios de advocacia como o Abanlex, e empresas como a Coinffeine já atraem a atenção de todo o mundo por sua aposta na descentralização do Bitcoin com a eliminação das casas de câmbio do tabuleiro.

Arquivado Em: