El acento
Texto no qual or author defends ideias e chega a conclusões is based on its interpretação dos fatos ou dado

Neymar, Laporta: os impostos não são tirania

O pai do jogador de futebol e o ex-presidente do Barça protagonizam dois episódios de negacionismo fiscal

Andre Penner (AP)

Quando acreditávamos que alguns avanços democráticos não tinham como voltar atrás e confiávamos que todos os cidadãos percebiam com clareza o papel dos impostos em uma sociedade avançada ou a diferença entre obrigação e opressão, brotam numerosos delírios retrógrados próprios de sociedades pré-ilustradas. Dois exemplos, um recente e outro do início de novembro, esclarecem o que significa retrocesso fiscal e penal. O pai do jogador do Barcelona, Neymar, diz que “se não tivermos uma situação confortável para trabalhar, não poderemos ficar na Espanha e teremos que sair”. O conforto a que se refere é fiscal; estão pendentes as consequências tributárias de seu maçante contrato com o Barça. Um mês atrás, o ex-presidente do Barcelona Joan Laporta declarava, elucubrando em torno do caso Pujol: “Como catalanista, vimos como estão nos afogando financeiramente e nos crivando de impostos”. Consequentemente, “muita gente optou por isso, pagar menos”. Nesse caso estaria a família Pujol.

Bem, a resposta a Neymar pai não é complexa: se não estiverem você, seu filho e sua empresa (de imagem) dispostos a acatarem as normas fiscais espanholas, o que implica em inspeções, perguntas e contradições, o melhor é irem embora. E é preciso dar a mesma resposta a quem puser sobre a mesa a ameaça de ir embora se não tiver conforto fiscal. Os impostos não estão concebidos, nem na Espanha nem em nenhum outro país, como fatores de comodidade. O contribuinte tem que aceitar os desconfortos fiscais e pronto. Além disso, que significa confortável? É possível que Neymar pai esteja pedindo impunidade tributária ou que a empresa dos Neymar não seja submetida a inspeções de agora em diante, mesmo que existam razões objetivas para isso.

A posição de Laporta responde, no fundo, à mesma postura negacionista dos impostos (são uma chateação, chegou a dizer). Mas, em seu caso, sobem à categoria de instrumentos de opressão política. A conexão argumentativa “estão nos crivando de impostos” com “houve gente que optou por pagar menos” conduz inexoravelmente à ideia de que os Pujol são perseguidos políticos. E não só não se sustenta (por acaso a Catalunha está sobrecarregada com impostos diferentes dos que se aplicam em Soria ou Pontevedra?), como também é um convite espirituoso à sonegação fiscal. Se se seguir o balbucio conceitual de Laporta, qualquer cidadão pode se autodeclarar “crivado de impostos” e, em razão disso, dedicar-se sem mais à evasão fiscal. Se um cidadão de Segóvia com patrimônio na Suíça, considerando-se espoliado pela pressão fiscal do Estado, fosse procurar o senhor Laporta para que assuma sua defesa legal, aceitaria a missão?

Neymar pai e Laporta são exemplos, infelizmente frequentes, de retrocesso cívico. Mais grave no caso do ex-presidente, visto que desempenhou responsabilidades políticas. Para que não envergonhem o país com novos disparates, ambos deveriam estudar a fundo o texto de Samuel Johnson Os Impostos Não São Tirania. Deveria ser leitura obrigatória nos círculos que ambos frequentam.

Arquivado Em

Recomendaciones EL PAÍS
Recomendaciones EL PAÍS
Logo elpais

Você não pode ler mais textos gratuitos este mês.

Assine para continuar lendo

Aproveite o acesso ilimitado com a sua assinatura

ASSINAR

Já sou assinante

Se quiser acompanhar todas as notícias sem limite, assine o EL PAÍS por 30 dias por 1 US$
Assine agora
Siga-nos em: