O mundo come carne além de suas possibilidades

Consumo não para de crescer e gera graves impactos ambientais

Um grupo de bezerros em uma fazenda localizada a cerca de 100 quilômetros de Buenos Aires, na Argentina.
Um grupo de bezerros em uma fazenda localizada a cerca de 100 quilômetros de Buenos Aires, na Argentina.Daniel García (AFP)

Comer carne deixa rastros. Concretamente, na forma de impactos ambientais. O relatório publicado pela Organização Mundial de Saúde (OMS) esta semana, que ligava o consumo excessivo de carne com um maior risco de contrair o câncer, além de incomodar a indústria da carne, colocou os holofotes sobre um problema dissimulado. “O consumo excessivo de carne não só afeta a saúde das pessoas como também prejudica o meio ambiente”, resume o professor de nutrição Lluís Serra-Najem, da Universidade de Las Palmas, nas Ilhas Canárias.

Mais informações
“O público decidirá em quem confiar, na indústria ou em nós da OMS”
Bacon faz tanto mal quanto fumar? Tire dúvidas sobre a carne processada
OMS: Carne processada e embutidos aumentam risco de câncer
O bom humor não cura o câncer

Existem quatro variáveis ambientais que limitam a produção de carne em escala global: a superfície ocupada pelas pastagens; a água consumida, tanto por parte dos animais como no processo de produção; os gases de efeito estufa provocados pela flatulência do gado —atualmente 14,5% do que é lançado na atmosfera, segundo a a Organização das Nações Unidas para Alimentação e Agricultura (FAO)—, e a energia necessária durante o processo. Atualmente, grande parte da população mundial não consome produtos à base de carne nem laticínios, mas à medida em que as condições socioeconômicas dos países em desenvolvimento melhoram, a demanda por esses alimentos aumenta, colocando em xeque os recursos ambientais da Terra. Será que o mundo come carne para além de suas possibilidades?

Para que uma vaca produza 1 quilo de proteína, ela precisa consumir entre 10 e 16 quilos de cereais, enquanto um porco requer 4 quilos. “Para produzir um filé de 200 gramas, são necessários cerca de 45 bacias de cereais”, ilustra Laura Ordóñez, cientista ambiental e professora da Escola Internacional de Naturopatia, em Granada, na Espanha.

Fatores limitantes

“Produzir carne é algo muito custoso, e seria mais eficiente alimentar as pessoas com os cereais que se destinam à engordar o gado”, afirma a especialista. O cereal é apenas uma parte da pegada de carbono (o impacto que qualquer atividade produz no meio ambiente) da indústria da carne. A água é outro fator limitante: enquanto para cultivar 1 quilo de milho são necessários 1.500 litros de água, para se ter 1 quilo de carne são consumidos 15.000 litros do líquido. “Isso sem falar na contaminação por purinas [resíduos líquidos formados pela urina e pelas fezes dos animais], geradas principalmente em fazendas de suínos, e com graves consequências para o solo e para as águas subterrâneas”, afirma Raúl García Valdés, professor de ecologia da Universidade Autônoma de Barcelona.

Se a dieta mediterrânea fosse recuperada, as emissões seriam reduzidas em 72%

Este ano serão produzidos no mundo 318,7 bilhões de toneladas de carne, “e espera-se um aumento do consumo mundial a um ritmo de 1,6% por ano nos próximos 10 anos”, anunciou o agroeconomista belga Erik Mathijs durante o Congresso Internacional de Ciências e Tecnologias da Carne, realizado em agosto. Um crescimento que se concentrará, principalmente, nos países em desenvolvimento. “Atualmente, 80% do planeta consome pouca carne e quase nada de leite”, lembra Lluís Serra-Najem. Ele cita um exemplo: “No momento em que 1,2 bilhão de cidadãos chineses começar a demandar esses produtos, será necessário um aumento de produção que não sabemos se será possível, por causa das limitações ambientais do planeta”.

“O problema não é tanto o consumo de carne, mas sim o abuso”, afirma Serra-Najem, que junto com outros três pesquisadores investigou o que pode acontecer no mundo se o padrão alimentar tradicional fosse recuperado. “Se a Espanha voltar à dieta mediterrânea, não só as pessoas teriam uma saúde melhor como também as emissões de gases de efeito estufa associadas à produção de alimentos cairiam 72%; o uso de terras agrícolas se reduziria em 58%; a energia solicitada diminuiria 52%, e a água necessária baixaria em 33%”, conclui estudo realizado pelos especialistas. Se, ao contrário, os espanhóis tenderem a comer como nos Estados Unidos, o país mais carnívoro nos últimos 50 anos, todos os impactos ambientais avaliados cresceriam entre 12% e 72%. “O modelo dos Estados Unidos produz seis vezes mais gases de efeito estufa que o mediterrâneo. E o dobro da dieta atual dos espanhóis”, afirma o professor.

Regras

Mais informações

Arquivado Em

Recomendaciones EL PAÍS
Recomendaciones EL PAÍS