F-1

Hamilton conseguirá honrar o legado de Ayrton Senna na Fórmula 1?

Piloto inglês disse que está pronto para carregar o bastão de seu maior ídolo no esporte

Confusão com Rosberg (à esq.) marcou o título de Hamilton.
Confusão com Rosberg (à esq.) marcou o título de Hamilton.JEWEL SAMAD (AFP)

Lewis Hamilton foi tricampeão mundial de Fórmula 1 neste domingo, em Austin, no Texas, ao vencer uma corrida em que brilharam suas características mais marcantes: a habilidade fora do comum no comando do carro e a agressividade que não poupa outros pilotos dentro da pista. Num dos lances decisivos, Hamilton aplicou em seu companheiro de equipe, o alemão Nico Rosberg, uma manobra arriscada. O alemão teve de sair da pista para evitar uma batida. Rosberg ficou revoltado e, apesar do segundo lugar na corrida, passou o tempo todo com a cara fechada no pódio.

Para Hamilton não haveria maneira melhor de comemorar seu terceiro título. A briga com um companheiro de equipe, no momento mais importante de sua carreira, só o deixa ainda mais próximo de seu maior ídolo, Ayrton Senna —a referência, obviamente, é a novela de intrigas e puxadas de tapete do brasileiro com o francês Alain Prost quando ambos eram pilotos da McLaren.

Mais informações

No discurso do tricampeonato, ele deixou claro o peso de Senna em sua trajetória: "Este título é o mais importante para mim porque igualei o número de conquistas de Senna. É uma experiência especial igualar Ayrton Senna, que sempre me inspirou e me inspira até hoje", disse após o fim do GP de Austin.

Não foi uma citação de ocasião. No site do piloto inglês há uma área especialmente destinada ao ídolo brasileiro. Em relato emocionado, com o título de Senna, o herói genuíno, Hamilton conta que sempre tentou emular as atitudes do brasileiro, dentro e fora das pistas. "As pessoas dizem que eu tenho um estilo agressivo e às vezes penso que essa não é uma característica que eu desenvolvi sozinho. Penso que, em parte, é porque eu assistia a Ayrton Senna quando eu era jovem e pensava: 'É assim que quero dirigir quando eu tiver a oportunidade'. Eu fui lá e tentei fazer isso já nas pistas de kart. E toda a minha visão sobre as corridas se desenvolveu a partir dali." "Todo mundo ama um vencedor. O mundo é assim. E Ayrton Senna foi um dos maiores vencedores que a F-1 já teve. Mais do que isso. Ele foi um herói genuíno, um ícone que inspirou pessoas do mundo todo. Ele causou um grande impacto em mim quando eu estava crescendo", segue.

Reprodução do site de Hamilton que homenageia Ayrton Senna.
Reprodução do site de Hamilton que homenageia Ayrton Senna.

Em 2014, quando veio ao Brasil para correr em Interlagos, o inglês se emocionou ao conhecer uma das sobrinhas de Senna, Paula, que o presenteou com um exemplar do livro Senna - A história do tetra-tricampeonato, de Ricardo Taves e Diego Salgado, sobre a carreira do piloto. Hamilton resolveu homenagear o ídolo e fez um capacete especial, inspirado no que Senna usava, para correr em Interlagos. "Vir ao Brasil é sempre muito especial. Essa é a casa dele, e eu sinto a presença dele aqui."

Neste domingo, Hamilton parecia inebriado de ter alcançado o brasileiro. "Para mim o objetivo sempre foi alcançar as três conquistas dele. Agora não sei o que vem por aí. Não há mais ninguém que eu queira igualar ou copiar. Sinto como se eu tivesse o bastão comigo agora, junto com Ayrton. Vou carregá-lo tanto quanto eu puder e ver o que consigo construir a partir disso."

Aos 30 anos, o inglês igualou as conquistas do ídolo, mas chegou lá até antes do brasileiro. Senna só levantou a terceira taça aos 31. Já conquistou mais pódios (84 contra 80 de Senna) e maior número de melhores voltas (26 contra 19). Está atrás apenas no número de poles position, já que Senna saiu na frente em 65 GPs contra 49 do britânico. A pergunta agora é o que ele terá de fazer, em engenho, em carisma e em conquistas, para se igualar à glória de Senna.