NBA começa nesta terça-feira e LeBron James volta com tudo

A estrela do Cleveland, protagonista das últimas cinco finais, é o destaque frente ao campeão, Golden State, e um punhado de fortes candidatos ao título da temporada

LeBron James é a estrela do Cleveland.
LeBron James é a estrela do Cleveland.TIMOTHY A. CLARY (AFP)

Além das cifras astronômicas que gerencia, de seus ginásios magníficos, de seu poder na mídia e do talento de seus jogadores, um dos aspectos mais marcantes da NBA são os egos de seus protagonistas. Cada um expressa o seu à sua maneira. LeBron James o fez solenemente, quando o Golden State colocou o Cleveland contra a parede na última final. Depois do quinto jogo, perdendo a série por 3 a 2, soltou: "Mantenho a confiança, porque sou o melhor jogador do mundo. É simplesmente assim". Não foi bem isso o que aconteceu. Os Cavaliers perderam a final (4 a 2). Stephen Curry, o líder do Golden State, campeão pela primeira vez desde 1975, esperou as vésperas da nova temporada, que começa na terça-feira com a partida Cleveland-Chicago, para mandar um recado a LeBron e aos que duvidaram da sua capacidade. O elétrico armador foi irônico: "Peço desculpas por sermos saudáveis, por jogar contra todos os que estavam diante de nós, por todos os elogios que recebemos. Sinto muito, vamos corrigir isso este ano”.

Os mal-entendidos surgem da inesperada subida ao poder dos Warriors, uma equipe que não tinha muito peso. Na pesquisa da pré-temporada entre os diretores esportivos das 30 franquias, o time aparecia em sexto lugar, com 3,8% dos votos com chances de ser campeão. Na liderança estavam o San Antonio (46%), Cleveland (15%), Chicago, Clippers e Oklahoma (11,5% cada). Mas a vitória dos Warriors foi incontestável. O triunfo do time foi ofuscado pela praga de lesões dos jogadores de primeira linha, que limitavam as opções de muitos de seus rivais. O Cleveland não pode contar com o brasileiro Varejão e ficou sem Kevin Love em alguns playoffs, tendo que jogar com Kyrie Irving muito enfraquecido. As lesões deixaram a liga sem estrelas como Kevin Durant, Derrick Rose, Paul George, Carmelo Anthony, John Wall, Kobe Bryant e Mike Conley.

Mais informações

LeBron se multiplicou e se tornou o primeiro na história a dominar as estatísticas das finais nos três fundamentos mais importantes: 35,8 pontos, 13,3 rebotes e 8,8 assistências. O Rei esteve nas últimas cinco finais, das quais ganhou duas. Após a renovação de Tristan Thompson, os Cavaliers voltam a contar com uma equipe capacitada para ganhar o anel de campeão.

As movimentações do mercado para a próxima temporada foram consideráveis. O San Antonio contratou Aldridge, o pivô de Portland, quatro vezes All Star, e David West. O Atlanta trouxe Tiago Splitter e o Houston, Ty Lawson. Mas os maiores gastos astronômicos foram feitos para se manter jogadores essenciais: Marc Gasol (cinco anos e 428,6 milhões de reais) para Memphis, Duncan (dois anos e 40,5 milhões de reais), Leonard (cinco anos e 350,7 milhões de reais), Green (quatro anos e 175,35 milhões de reais) e Ginóbili (dois anos e 21 milhões de reais) para San Antonio, LeBron (um ano e 90 milhões de reais), Love (cinco anos e 428,6 milhões de reais) e Thompson (cinco anos e 320 milhões de reais) para Cleveland, Butler (cinco anos e 350,7 milhões de reais) para Chicago, e o caso mais espetacular, o de DeAndre Jordan (quatro anos e 312 milhões de reais) para os Clippers, apesar de quase ter ido para o Dallas.

A campanha será exigente para os Knicks e os Lakers. Kobe Bryant, com 37 anos e sendo o jogador mais bem pago com 95 milhões de reais, pode estar em sua última temporada

A chegada dos novatos será interessante. O Minnesota se interessou pelo pivô Karl Anthony Towns, na primeira escolha do draft. Os Lakers optaram por um armador criativo e cestinha como D’Angelo Russell. Os Sixers escolheram outro pivô, Jahlil Okafor. E depois vieram as joias europeias, os dois jogadores procedentes da Liga Espanhola, o letão Kristaps Porzingis, em Nova York, e o croata Mario Hezonja, que já brilhou na pré-temporada com o Orlando.

A campanha será especialmente exigente para duas históricas franquias que atravessam os piores momentos de sua história. Os Knicks se reforçaram com Robin Lopez; os Lakers recuperam Kobe Bryant. Com 37 anos e sendo o jogador mais bem pago com 95 milhões de reais, poder estar em sua última temporada.

Mais informações

Arquivado Em

Recomendaciones EL PAÍS
Logo elpais

Você não pode ler mais textos gratuitos este mês.

Assine para continuar lendo

Aproveite o acesso ilimitado com a sua assinatura

ASSINAR

Já sou assinante

Se quiser acompanhar todas as notícias sem limite, assine o EL PAÍS por 30 dias por 1 US$
Assine agora
Siga-nos em: