Todos contra a China

O TPP é muito mais que o maior acordo comercial já alcançado. Nas entrelinhas se percebe que implica em vítimas colaterais

O campo de batalha da ordem mundial em que vivemos é o comércio. E no Acordo de Associação do Pacífico —conhecido pela sigla em inglês, TPP— o mais importante não são as salvaguardas comerciais ou tarifárias. O mais significativo é o estabelecimento de cláusulas que protegem a propriedade intelectual e a expansão das novas indústrias frente à China, no sentido de que tudo o que existe no mercado pode ser tomado por bem ou por mal.

Como os Estados Unidos que, depois de arcar com quase 60.000 mortos e 300.000 feridos, investir mais de 9% de seu PIB e enviar mais de 2,5 milhões de soldados ao Vietnã, só conseguiu a paz —com vantagem — por meio de um tratado comercial. Hoje, a realidade imposta pela revolução das comunicações, a vulneração dos valores, a ausência de segredos e a dificuldade de proteger a segurança de qualquer Estado fazem que os instrumentos para nos relacionar sejam os mesmos diante de um entorno completamente cambiante.

O TPP, que foi sendo articulado desde que Barack Obama decidiu que tinha passado o momento do Oriente Médio e que as guerras do século 21 seriam travadas na Ásia, é o início de um caminho que exige uma recomposição profunda. Precisamos deixar o Atlântico e o Mediterrâneo como os mares de nossos encontros e desencontros, de nossa vida e morte, e recuperar o Pacífico.

E agora a China, cuja força já não consiste em trabalhar para satisfazer os caprichos do Ocidente e em plena construção de seu mercado interno, está reafirmando seu expansionismo regional. Portanto, precisamos reviver o Japão. O TPP é tão caduco para os sindicatos norte-americanos como para os grupos empresariais que falam espanhol. Terão possibilidades de se saírem melhor? Em tese, sim. Mas, concretamente, são muitos os que brigam pelo mesmo pedaço do bolo.

O TPP formado por 12 países, com um mercado de 800 milhões de pessoas, que reúne 40% da economia mundial, que terá uma influência sobre um terço do comércio internacional e sobre 30% das exportações, tem duas leituras. A macro, que é a briga entre a China e o resto dos países. E a micro, que consiste em identificar quais serão os verdadeiros benefícios que México, Chile e Peru, por ora os únicos signatários da América Latina, terão ao assinar esse tratado. A pergunta é muito clara: que portas abrirá e que portas fechará o TPP?

Há figuras crescentes como a lua e um só astro que é o sol de nossa economia e de nosso futuro que se constrói pelo equilíbrio entre a China e todos os outros. Entretanto, ainda não se perfilou claramente um contrapeso capaz de competir economicamente com os chineses, já que nem os muito recuperados e selvagens Estados Unidos da América o conseguiram por completo.

A China só pode ser fragmentada e redirecionada em um jogo de poderes do interior da Ásia. Nesse sentido, os países latino-americanos envolvidos no acordo só conseguirão, no fundo, incrementar sua dependência das duas grandes potências. Embora, tal como estão as coisas, o único passo sensato fosse acabar com esse acordo. Afinal de contas, quem realmente decide o jogo não tem a necessidade de equilibrar o balanço interno dos demais.

Mais informações

O TPP é muito mais que o maior acordo comercial jamais alcançado. É uma fotografia do enorme problema que o mundo tem hoje. Não há segredo que não esteja ao alcance de um clique. Quando conhecermos as entrelinhas do acordo, perceberemos que sempre matam os civis e os impérios. E as entrelinhas do TPP trazem consigo vítimas colaterais.

Em meio a tudo isso, é positivo que a América Latina faça parte desse movimento, já que suas costas são banhadas pelo Pacífico, mas o importante é que cada um desses Governos terá oportunidades que dependerão das condições de sua participação no pacto.

Afinal, por mais tecnologia e interconexão que existam, o mais importante — como dizem os prêmios Nobel de Economia Joseph Stiglitz e Paul Krugman — ainda somos os seres humanos.

Porque a guerra das estrelas que há em nosso planeta certamente alcançará um equilíbrio. E os humanos que o habitamos não só impulsionamos uma oportunidade comercial, como também fortalecemos mais um aspecto do implacável controle exercido sobre nossas vidas.