Jornalismo

‘The Washington Post’ publicará todas as matérias no Facebook

Rede amplia a lista de veículos que participam do agregador de notícias Instant Articles

Mark Zuckerberg na conferência de desenvolvedores do Facebook.
Mark Zuckerberg na conferência de desenvolvedores do Facebook.Eric Risberg (AP)

O Facebook continua avançando a todo vapor para se tornar uma empresa de veículos de comunicação. E a imprensa tradicional, ao invés de resistir, aproveita o alcance de sua plataforma para ganhar visibilidade e ganhar novos leitores. Isso explica a decisão que o The Washington Post acaba de tomar, anunciando que todo o conteúdo que for publicado estará disponível através do serviço Instant Articles.

Na primavera boreal passada, foi o The New York Times que fechou um acordo com a rede social de Mark Zuckerberg para publicar diretamente suas matérias no Facebook, ao lado do jornal britânico The Guardian, da rede BBC e da empresa de notícias BuzzFeed. A decisão esquentou o debate sobre o futuro da imprensa escrita, enquanto a firma tecnológica trabalhava nos bastidores para conseguir somar mais editores ao seu projeto.

MAIS INFORMAÇÕES

O Facebook apresentou a expansão do Instant Articles na terça-feira. Entre os veículos que fornecerão conteúdo, estão The Huffington Post, Time Inc., Mashable, Business Insider, Vox Media, Gannett e CBS Interactive. Para o leitor, isso significa que terá acesso direto usando o aplicativo móvel do Facebook aos cerca de 1.200 artigos que somente o The Washington Post publica.

Os editores estabelecem o conteúdo que desejam disponibilizar através do aplicativo Instant Articles. Fred Ryan, diretor executivo do jornal mais influente da capital dos Estados Unidos, explica que, já que tomaram essa decisão, optaram por não estabelecer limite à quantidade de conteúdo distribuído através do Facebook. Já fazia algo similar na plataforma Flipboard.

O acesso ao Instant Articles ainda está limitado aos usuários do iPhone. Estuda-se uma ampliação ao Android. O formato para publicar é aberto, para respeitar o código utilizado pelos veículos na publicação de seus artigos na internet. Google e Twitter trabalham numa versão similar à do Facebook, enquanto a Apple e a Snapchat já contam com seus próprios aplicativos para agregar notícias.

O objetivo é chegar a um usuário jovem que não usa os portais tradicionais da internet e que procura acesso rápido ao conteúdo. Ryan afirma que a intenção é estar em todas as plataformas relevantes. Quanto à publicidade, é o próprio veículo que oferece seus espaços, salvo se deixar que o Facebook se encarregue dessa parte. O pedágio é de 30% da receita.

O acordo dos grandes editores de jornais com o Facebook também é visto como um pacto com o diabo, porque esse tipo de associação não faz mais do que dar poder às empresas que dominam o negócio da internet. O temor é que haja um conflito de interesses e que a informação fique submetida a um maior controle. Além disso, será difícil para o leitor diferenciar a origem da fonte das notícias.

Arquivado Em: