Editoriais
i

Estremecimento na Guatemala

A renúncia do presidente é a saída adequada apesar de toda a incerteza que pode provocar

Manifestantes em frente ao Congresso guatemalteco exigem a demissão do presidente.
Manifestantes em frente ao Congresso guatemalteco exigem a demissão do presidente.Saul Martinez (Bloomberg)

A renúncia do presidente da Guatemala, Otto Pérez Molina — depois de uma revolta cívica maciça, a revogação parlamentar de sua imunidade e a emissão de um mandado de prisão contra ele — colocou o país da América Central, que no domingo realiza eleições parlamentares, em uma delicada situação política e institucional. Pérez Molina foi formalmente acusado de liderar uma extensa rede de corrupção envolvendo o sistema aduaneiro do país. Metade de seu governo renunciou ao conhecer a notícia. A renúncia presidencial é a saída adequada, apesar de toda a incerteza que pode provocar.

Mais informações

A Guatemala é o exemplo perfeito do perigo que representa a corrupção para um sistema democrático: torna-se a porta de entrada e o fator de expansão do crime organizado. Colômbia e México conhecem bem esse risco, pelo qual já pagaram um preço elevado e o combatem. Outros países latino-americanos deveriam prestar atenção no que está acontecendo na Guatemala. A corrupção endêmica não é um problema menor nem um mal inevitável e incorrigível, e sempre acaba se fundindo com o crime mais perigoso e destrutivo. Pela sua natureza, os partidos políticos são estruturas territoriais, característica compartilhada com as redes criminosas; se se deixam corromper, essas redes acabam dominando o sistema com um custo gigantesco não só em dinheiro, mas especialmente em vidas.

As acusações contra Pérez Molina e alguns de seus colaboradores — a ex-vice-presidenta está presa — provocaram uma grande mobilização popular contra a política em um país em que não existe classe política em sentido estrito, resultado da destruição dos partidos tradicionais. Outra lição sobre a necessidade de fortalecer as instituições nos países e sobre os problemas gerados pelo seu enfraquecimento ou desaparecimento.