Seleccione Edição
Login

Ler ou não os comentários?

Não podemos ficar sem lê-los (e escrevê-los), por mais que frequentemente nos deixem de mau humor

Quer lutar? ('Snatch, Porcos e Diamantes')
Quer lutar? ('Snatch, Porcos e Diamantes')

“Não leia os comentários”: esse é um dos conselhos mais frequentes quando alguém compartilha uma notícia. É especialmente usado quando o tema é polêmico e irrita muito as pessoas.

De fato, a conta de Twitter Don’t read the comments deu esse conselho a seus 40.000 seguidores todo dia, como lembrete, durante dois anos. “Há um motivo para os comentários ficarem na parte de baixo”, disseram uma vez.

Nem sempre os comentários tiveram má fama. Quando os blogs e os meios de comunicação começaram a oferecê-los, principalmente no início da década de 2000, eram vistos como mais um exemplo da horizontalização oferecida pela Internet. Mídia e leitor estavam no mesmo nível, todos podiam dar sua opinião. Havia até diversos blogueiros que afirmavam que o melhor em seu blog eram os comentários, porque se havia criado uma comunidade que trocava opiniões e corrigia e ampliava os textos.

Apagar um comentário (exceto um spam), mesmo que ofensivo, era considerado um atentado à liberdade de expressão. E incluir um sistema de moderação ou de registro dos participantes parecia traição para muitos, mas acabou se tornando necessário.

Por isso, quando o blog Microsiervos anunciou, em 2005, a eliminação de comentários porque seus autores não podiam dedicar tanto tempo a administrá-los (recebiam 100 por dia), houve um pequeno terremoto. Não foi o único caso: o jornalista (e blogueiro) Mathew Ingram indagava em 2006 se um blog sem comentários continuava a ser um blog, na esteira do encerramento dos comentários do blog de Russell Beatie. Ingram considerou a decisão um erro porque “a ‘conversação’ é parte do que torna os blogs algo tão poderoso (até quando se trata na verdade de uma discussão)”.

Os comentários podem ser positivos não apenas para os leitores. Clive Thompson fala em Smarter Than You Think das vantagens de permiti-los: ajudam a criar “efeito de público”, o que nos força a “pensar de forma mais precisa, fazer conexões mais profundas e aprender mais”. Os comentários também podem acrescentar informações ao texto, oferecer outros pontos de vista e, claro, corrigir erros.

Ninguém lê o artigo

O problema é que muitas vezes não há conversa. Uma das queixas habituais de quem lê comentários (especialmente, não vamos negar, os autores) é que muita gente comenta sem ter lido o texto. Em inglês se usa o acrônimo tl;dr: “too long; didn’t read” (longo demais, não li) para avisar que o comentarista precisa expressar sua opinião, mesmo sem ter nenhum interesse em ler o texto que, teoricamente, a provocou. Em português, muitos tuítes começam com “não li o texto, mas...”.

O site da NPR, a rádio pública dos Estados Unidos, decidiu testar seus seguidores nas redes sociais e, no 1º de abril (o dia da mentira...) publicou um artigo com o título “Por que os norte-americanos não leem mais?”. O texto dizia apenas “às vezes temos a sensação de que as pessoas comentam histórias da NPR que não leram. Se você estiver lendo este texto, por favor o compartilhe sem comentá-lo. Par ver o que as pessoas dizem sobre esta ‘história’”.

Embora a maioria tenha compartilhado o link avisando logo de cara que era uma piada (anulando seu efeito), muitos caíram e comentaram que aquilo era “uma tragédia”, que as pessoas não “conseguem ter atenção nem paciência para ler”, que a culpa era dos tablets e smartphones e que “nossa sociedade nos condicionou a tratar a informação com tanta pressa e buscando a recompensa instantânea que muitos norte-americanos não entendem que ler um bom livro vale o tempo dedicado”.

Polarização de opiniões

Segundo o jornal The Washington Post, citando uma pesquisa e uma enquete informal, “os leitores tendem a gostar menos dos artigos e de seus autores quando há comentários”. Em grande parte, devido à polarização de opiniões.

Outro estudo cunhou o termo “nasty effect” (efeito desagradável), após constatar que as opiniões dos leitores se polarizam e se tornam mais radicais depois de ler comentários desagradáveis ou grosseiros.

Uma das coautoras, Dominique Brossard, explica que quando deparamos com assuntos que não entendemos, precisamos lhes dar significado, “e parece que a falta de educação e a grosseria são atalhos mentais que nos ajudam a dar sentido aos assuntos complicados”. Brossard não apresenta alguma solução fácil: defende fomentar a conversação nas seções de comentários, mas não permiti-los se não tiverem relação com o tema e forem ofensivos.

-Você vem pra cama? –Não posso, isso é importante. –O quê? –Alguém está ERRADO na Internet...
-Você vem pra cama? –Não posso, isso é importante. –O quê? –Alguém está ERRADO na Internet...

Haters e trolls

Como lembra Delia Rodríguez em seu artigo “O jornalista que escreveu não faz ideia (ou o problema dos comentários nos meios de comunicação)”, de todos os comentários, só nos ficam os ruins. É compreensível: Richard Wiseman escreve em 59 Seconds que “os eventos e experiências negativas são muito mais perceptíveis e têm mais impacto que suas contrapartidas positivas”. Um comentário positivo nem sempre é respondido com outro comentário positivo, ao passo que a “menor crítica (...) com frequência provoca uma chuva de negatividade”.

Às vezes, os comentários são sistematicamente negativos, para além da qualidade do meio ou do texto. Isso é, quando chegam os haters (para eles tudo parece ruim) e os trolladores (cujo único objetivo é provocar discussões inúteis).

Segundo estudo citado pelo Washington Post sobre os trolls em fóruns, “quem escreve posts de baixa qualidade escreve mais quando recebe atenção negativa. Além disso, a qualidade de seus textos se deteriora”. Ou seja, não se trata apenas de que não se deve alimentar um trollador, e sim, que “o feedback negativo pode criar trolladores”.

Os mal-educados não dominam as conversas somente porque são insistentes e obsessivos, e sim porque contaminam o resto do fórum e contagiam outros usuários. É como a série de TV sobre zumbis The Walking Dead: quem é mordido se torna um deles.

Mas por que há pessoas que gostam de ser desagradáveis? John M. Reagle escreve em Reading the Comments que “online, as pessoas mostram mais equalização (por exemplo, entre aluno e professor) e desinibição”. A ausência de contexto e comunicação não verbal pode levar a que “pessoas de bem ajam mal” por não avaliar os efeitos de suas palavras: “Se vissem que estavam incomodando alguém, muitos não estariam tão propensos a se comportar dessa maneira”.

Mas também há casos de “pessoas ruins que se comportam mal”. Segundo uma pesquisa de 2014, apenas 5,6% das pessoas entrevistadas diziam gostar de trollar, mas entre elas havia níveis mais altos de narcisismo, psicopatia e sadismo. Também escrevem mais comentários que a média.

Mesmo assim, os trolladores não costumam se ver como pessoas ruins. Delia Rodríguez lembra em seu artigo a teoria da desinibição online, formulada pelo psicólogo John Suler, “que explica como a rede permite certa desconexão entre uma pessoa e o que ela diz na Internet, facilitando fazer ou dizer lá o que quer sem restrições”.

As seis razões são:

“Não me conhecem”. O anonimato dá um sentido de proteção.

“Não podem me ver”. Só um apelido une a pessoa ao personagem.

“Até mais”. A comunicação é assíncrona, o que permite emitir comentários incendiários e se desconectar.

“Está tudo na minha cabeça”. Há projeção de características em desconhecidos.

“É só uma brincadeira”. Cria-se um sentimento de escapismo das normas da vida cotidiana.

“Suas leis não valem aqui”. Na Internet ninguém sabe a condição de ninguém.

No final há uma desconexão moral na qual o trollador considera que suas ações são obra de um personagem, não da pessoa, e acredita que todos deveriam achar o mesmo.

Machistas e racistas

Trollar é atividade mais comum entre os homens, de acordo com o estudo, o que não torna nenhuma surpresa que grande parte de seu tempo livre seja dedicado ao assédio e ao insulto sexista, desde as piadas sobre a cozinha até as ameaças de violência, morte e agressão sexual, como lembra Reagle, que criou um corolário para a Lei de Godwin: “Conforme uma conversa online sobre o sexismo se estende, a chance de alguém chamar de ‘feminazista’ uma mulher tende a 100%”.

Amanda Hess escreveu na Pacific Standard sobre os insultos sexistas e ameaças que recebeu na Internet, incluindo uma ameaça no Twitter de um sujeito que disse ter passado 12 anos na cadeia por homicídio. “Nada disso significa que seja uma exceção. Significa apenas que sou uma mulher com uma conexão com a Internet.”

Hess cita em seu artigo um estudo da Universidade de Maryland para cuja execução os pesquisadores entraram em bate-papos da Internet com perfis falsos. As contas com perfis femininos receberam em média 100 mensagens sexualmente explícitas ou ameaçadoras por dia. Os homens, 3,7.

É difícil ignorar as contínuas ofensas e tratamento degradante, e mais ainda quando se chega ao doxing: “A publicação dos dados de contato, financeiros e de saúde do objetivo”, escreve Reagle, ao que se juntam “chamadas telefônicas para a família, os amigos e o trabalho”. Como aconteceu, por exemplo, com Zoe Quinn, cujo assédio, praticado por um ex-noivo rejeitado deu início ao #GamerGate.

Em pesquisa sobre os comentários em seu site, a Slate comprovou que “é mais provável que alguém comente um artigo se for sobre feminismo ou racismo. E também sobre como cuidar das crianças ou sobre religião”.

No caso da raça podemos lembrar do caso do senegalês que morreu em Salou durante uma operação policial em agosto do ano passado. Comentários no Facebook diziam que a polícia tinha sido branda porque se tratava de negros, além de um “que você seja devorado pelos negros” em resposta a um leitor que criticava o racismo de alguns desses comentários.

De maneira semelhante, a conta do Twitter Daily Mail Comments decidiu comentar os artigos do jornal britânico Daily Mail sobre imigração com citações textuais de Minha Luta, de Adolf Hitler. A maioria dos comentários não só não foi criticada como recebeu votos positivos dos leitores do jornal.

Como resumiu o comediante John Oliver no programa da HBO Last Week Tonight, se você acha tudo isso exagerado e divertido, “parabéns por ter um pênis branco”.

A resposta dos meios de comunicação

Frente a esse panorama, não é raro que os meios de comunicação façam a moderação dos comentários. Em seu blog do New York Times, Paul Krugman terminou um artigo sobre o décimo aniversário do 11 de Setembro com a frase: “Não vou permitir comentários neste post, por razões óbvias”.

Muitos ainda tentam criar uma comunidade de leitores. Mas a maioria se vê vencida pelo volume. Em alguns casos, jornais e revistas exigem cadastro para comentar, como no caso do EL PAÍS com o Eskup. Outros vinculam seu sistema de comentários ao Facebook. Alguns permitem votar nos comentários, na tentativa de deixar os relevantes mais para cima, e há até os que testam torná-los pagos.

Solução diferente vem da Quartz: deixar os comentários à margem de cada parágrafo, em vez de no final do texto. Seu o objetivo é permitir anotações mais vinculadas ao texto (e ao contexto). É algo feito também pela plataforma Medium, que traz vantagem adicional: os comentários, por padrão, são privados. Não é preciso apagar a ofensa ou o spam, o que às vezes acontece quando já há uma longa discussão por sua causa: basta não publicá-lo. Só o autor o vê, e a conversa não é contaminada.

Há também meios que simplesmente não permitem comentar. Vox é um exemplo. Um de seus jornalistas e desenvolvedores, Yuri Victor, explicou em Quora que “o que deveria ser uma comunidade se torna uma série interminável de flame wars”. A Popular Science tomou essa decisão em 2013. A revista de divulgação científica estava preocupada pelo fato de ter que lidar com comentários que contestavam uma “grande variedade de temas cientificamente comprovados”, como a evolução e a mudança climática.

Não são os únicos: a Wired compila mais exemplos neste artigo e menciona meios de comunicação como a CNN durante os protestos em Ferguson, Reuters (exceto nos textos de opinião), Recode, Bloomberg e The Verge, que lembrou o tom negativo e agressivo dos comentários e afirmou que tinha chegado a hora de “dar um tempo e relaxar”, embora já seja possível novamente comentar. O The Daily Beast também abriu mão dos comentários em agosto do ano passado.

Embora pareça uma decisão difícil de tomar, acabar com os comentários não prejudica quase ninguém. A Slate diz que somente 1% de seus leitores faz comentários. Talvez os que comentam façam muito barulho, mas são minoria.

A isso se soma que os comentários não estão mais restritos à parte de baixo de um site; estão em toda parte. Artigos são comentados, especialmente, no Twitter e no Facebook.

Os comentários e as redes sociais

Borja Ventura escreve na Yorokobu que os comentários não importam mais. São só um problema a ser controlado, e seu número não indica o sucesso de um artigo. O número que importa é o de vezes que um texto é compartilhado na rede. “As pessoas não comentam mais no site em que leem, e sim diretamente em sua rede social de cabeceira ao compartilhar tal artigo”, escreveu.

Por exemplo, o artigo no qual a Popular Science explicou sua decisão de eliminar os comentários foi compartilhado mais de 95.000 vezes, somando Facebook e Twitter. Ou seja, paradoxalmente foi (muito) comentada sua ideia de na aceitar comentários.

E não comentamos apenas artigos: comentamos tudo. Damos nota a filmes no Filmaffinity, a livros no Goodreads, a hotéis no Tripadvisor e a restaurantes no Google. Podemos até compartilhar os comentários que fazemos nos e-books. Além disso, consideramos esses comentários: segundo pesquisa do Google, 82% dos norte-americanos com smartphones consultam o aparelho antes de comprar numa loja.

É inevitável: a Internet não é só um lugar no qual podemos compartilhar conteúdos, mas também um lugar no qual comentar esses conteúdos e, claro, comentar esses comentários. Não há como controlá-los: só o que podemos fazer é conhecê-los um pouco melhor, aprender a conviver com eles. Embora os comentários clássicos em blogs e meios de comunicação sigam rumo à extinção, vamos continuar a lê-los e, acima de tudo, a escrevê-los. Muitos continuam a ser úteis e divertidos. Inclusive, às vezes (só às vezes) os dos próprios trolladores.

MAIS INFORMAÇÕES