crise na china

Desvalorização do yuan já impacta a economia da América Latina

Desvalorização do yuan afeta a cotação das matérias primas

Cultivo de soja na Argentina.
Cultivo de soja na Argentina.Ricardo Ceppi

Nos campos mais ricos das províncias argentinas de Buenos Aires e Santa Fé não estão preocupados só com o excesso de chuvas que pode arruinar as plantações de trigo. Também estão inquietos pelo que acontece a 18.000 quilômetros: na China. Lá a desvalorização do yuan nos últimos três dias fez baixar ainda mais as cotações das matérias primas, incluindo as agrícolas.

Os especialistas alertam que a desvalorização da moeda chinesa pode afetar os produtos básicos exportados pela Argentina, Brasil, Chile Colômbia, Equador, Peru e Venezuela ao gigante asiático. Isso faz com que os preços dos produtos industrializados chineses que avançam na região fiquem mais baratos, mas as moedas latino-americanas desvalorizaram muito mais do que a asiática nos últimos meses. O maior temor dos especialistas é que a perda de valor do yuan reverbere e aumente a desaceleração da atividade chinesa, com o conseguinte impacto na América Latina.

Mais informações

“A desvalorização em si do yuan não foi significativa em comparação com as que tiveram as moedas latino-americanas em 2015”, compara o economista Mauricio Mesquita Moreira, do Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID). O dólar subiu em dois dias 3,5% em relação ao yuan, enquanto se valorizou 30,8% em relação ao real brasileiro em 2015, 23,7% em relação ao peso colombiano, 12,4% em relação ao chileno, 10,6% em relação ao mexicano e 9% em relação ao argentino.

É por isso que Mesquita não teme uma invasão dos produtos industriais chineses mais baratos, apesar de Pequim ter como objetivo justamente o impulso de suas exportações diante da desaceleração econômica. Por outro lado, Daniel Titelman, economista da Comissão Econômica para a América Latina e o Caribe (CEPAL), prevê uma ampliação do déficit comercial da região com a China, que chega aos 8 bilhões de dólares (27,85 bilhões de reais), 1% da economia latino-americana.

Mesquita, do BID, coloca outras inquietações. “O que mais me preocupa é a solidez da economia chinesa. Ver o quanto crescerá. Por isso a desvalorização do yuan provoca pânico na economia mundial”. Durante décadas a China expandiu-se 9% por ano, mas nos últimos anos baixou seu ritmo a 7%, o que se constituiu em um dos fatores que explicam a desaceleração do crescimento latino-americano. Pela situação da China e outros fatores externos e internos, a CEPAL acaba de abaixar a previsão de crescimento latino-americano a somente 0,5% em 2015 e prognosticou que o desemprego subirá de 6% a 6,5%.

“Se a China cresce menos de 7%, a região será afetada, especialmente a exportação de matérias primas”, observa Mesquita. “As exportações brasileiras à China já caíram 15% no primeiro semestre. Para cada ponto percentual de crescimento do PIB chinês, o latino-americano cresce 0,7 pontos. É uma relação bem alta. O México pode ser afetado pelo petróleo, mas os países sul-americanos irão sofrer. Me preocupo mais com o Brasil, Venezuela e Argentina, que por si só não estão crescendo, do que com a Colômbia, Chile e Peru, que têm economias mais sólidas. O Equador também me gera dúvidas. Mas se com a desvalorização do yuan a China crescer a médio prazo, isso irá beneficiar a América Latina”, completa o economista do BID.

A desvalorização chinesa provoca volatilidade financeira mundial, e isso afeta a América Latina

80% das exportações latino-americanas à China consistem em produtos básicos. Os países que mais vendem são a Argentina, Brasil, Chile, Colômbia, Peru e Venezuela, especialmente petróleo, minerais e soja. “A Costa Rica também será afetada porque vende à China insumos eletrônicos que agora ficarão mais caros no mercado chinês” alerta Titelman, da CEPAL.

Titelman teme também os efeitos indiretos da desvalorização do yuan na América Latina: “A desvalorização traz mais volatilidade financeira no mundo, que por sua vez faz com que os investidores se refugiem no dólar. Em dois dias as bolsas de todos as regiões caíram. A desvalorização da China, a maior dos últimos anos desse país, traz volatilidade cambiária”.

Juan Pablo Ronderos, da consultoria Abeceb, por outro lado, pede calma: “Não vejo um impacto grande nas reservas internacionais de países como a Argentina, que têm yuanes em seus bancos centrais. Vejo que a transição que a China quis fazer de seu modelo baseado no investimento e na exportação a um de consumo não está sendo tão bem-sucedido. Se ocorrerem problemas, nossa projeção de bons preços das matérias primas para os próximos dez anos irá se modificar”,

Na Argentina, a equipe econômica do candidato presidencial kirchnerista, Daniel Scioli, também analisa a desvalorização chinesa. “Surpreendeu pela rapidez, mas também não assusta por sua magnitude e não afetará as reservas. Terá impacto nos preços das matérias primas, ainda que não muito nos grãos, que são nossas principais exportações. Para nós é bom a queda do preço do petróleo porque importamos combustível, mas prejudica a exploração da jazida de Vaca Muerta e os projetos de mineração que precisam de boa rentabilidade para que os investidores entrem”, admite um dos integrantes da equipe de Scioli, que em 25 de outubro disputará a presidência argentina contra o candidato de centro-direita Mauricio Macri.

Debido a las excepcionales circunstancias, EL PAÍS está ofreciendo gratuitamente todos sus contenidos digitales. La información relativa al coronavirus seguirá en abierto mientras persista la gravedad de la crisis.

Decenas de periodistas trabajan sin descanso para llevarte la cobertura más rigurosa y cumplir con su misión de servicio público. Si quieres apoyar nuestro periodismo puedes hacerlo aquí por 1 euro el primer mes (a partir de junio 10 euros). Suscríbete a los hechos.

Suscríbete