Bolsa grega cai mais de 20% após cinco semanas fechada

Algumas entidades financeiras caíram mais de 30%

Madri -

Após cinco semanas fechado, o principal índice da Bolsa da Grécia, o ASE, reabriu na segunda-feira com uma queda de 23%. Os outros índices gregos também tiveram queda acentuada. A derrocada está castigando, principalmente, os bancos gregos, com quedas de até 30% em entidades como o Banco do Pireu e o Banco Nacional da Grécia, o principal banco do país. De todo modo, o castigo é generalizado e afeta empresas de todos os setores (finanças, energia, eletrônica...). O período no qual a Bolsa permaneceu fechada é o mais longo desde os anos setenta.

Após um primeiro semestre em alta, com a queda de segunda-feira o índice grego já está no negativo em 2015 (-3%). Desde 2007, o ano anterior ao começo da Grande Recessão, a Bolsa grega já caiu 85%.

Esse brusco descenso na cotação da Bolsa grega era visto como certo nos cálculos de investidores e analistas desde que em 29 de junho o Governo de Alexis Tsipras decretou o fechamento dos bancos e do mercado de valores e impôs controles de capital para evitar o colapso financeiro. Uma semana depois foi realizada a consulta grega, na qual os gregos deram um sonoro não ao pacto com os credores. E 10 dias depois o Executivo liderado pelo Syriza aceitou as três principais concessões que encaminharam o terceiro resgate, que deve ser acertado definitivamente em agosto.

“A situação da Bolsa grega ainda deve piorar bastante antes que comece a melhorar”, explica à Bloomberg Luca Paolini, chefe de estratégia da empresa londrina Pictet Asset Management. “Ainda existem diversos riscos críticos que devem ser resolvidos”, acrescenta.

Mais informações
“O terceiro resgate da Grécia está fadado ao fracasso”, diz ex-ministro grego
Varoufakis tinha sistema paralelo ao euro em caso de ‘corralito’
Parlamento alemão aprova o plano para resgatar a Grécia
O 45% dos gregos acha que é possível o ‘Grexit’, segundo uma sondagem
Grécia submerge-se no caos financeiro e ordena um ‘corralito’

No começo da sessão, a queda da Bolsa grega não arrastou consigo o restante dos mercados europeus. Ainda que a sessão tenha iniciado com perdas, estão bem distantes das quedas dos índices gregos. E uma hora e meia depois da abertura, as cinco principais bolsas europeias (Frankfurt, Paris, Londres, Milão e Madri) registraram pequenas altas.

As quedas das Bolsas da China durante a noite foram mais importantes. O índice de Xangai caiu 2,7%; o de Shenzhen, por outro lado, registrou perdas menores. Os números vermelhos de Hong Kong também não foram grandes, onde o índice Hang Seng caiu 0,9%, e no Japão o Nikkei caiu 0,18%.

O sentimento econômico, em baixa

O índice de sentimento econômico grego alcançou em julho seu nível mais baixo em quase três anos, empurrado pelo fechamento bancário e a incerteza política no país depois de aceitar as condições dos credores europeus. Concretamente, o sentimento econômico ficou em 81,3 pontos de um total de 100 no sétimo mês do ano, nove pontos a menos do que no final de junho. O índice, publicado na segunda-feira pelo instituto de pesquisas grego IOBE, leva em consideração as expectativas no setor industrial, no setor de serviços, no grande consumo e na distribuição.

Mais informações

Arquivado Em

Recomendaciones EL PAÍS
Recomendaciones EL PAÍS