Seleccione Edição
Login

Crise chinesa leva as matérias-primas aos menores preços em 13 anos

Debilidade prejudica as cotações de produtos como ouro, ferro, soja, petróleo e cobre

cae la bolsa de China
Produção de petróleo em Dakota do Norte AFP

O mundo desenvolvido entrou na Grande Recessão com as matérias-primas em máximos históricos e sai da crise com as commodities em níveis de mais de uma década atrás. O Bloomberg Commodity Index, que mede a variação de toda espécie de matérias-primas, do ouro, petróleo e gás natural ao milho, soja, ferro e cobre, caiu quase 11% em 2015. Diversos especialistas consultados indicam várias razões para explicar essa queda brusca – a fortaleza do dólar e a próxima elevação dos juros nos EUA –, mas estão de acordo com uma no topo da lista: os sinais de fragilidade emitidos pela economia chinesa.

“Após analisar todas as opções chegamos à inevitável conclusão de que essa mina chegou ao seu final”. Há menos de duas semanas o executivo-chefe da Kumba, um dos maiores produtores mundiais de ferro e filial da multinacional Anglo American, explicou dessa forma o fechamento da mina de Thabazimbi (norte da África do Sul) após 84 anos de atividade. Paralelamente, a 11.000 quilômetros de distância, os gestores das minas de carvão da Abel e Austar (sudeste da Austrália) anunciaram grandes cortes de pessoal e uma redução drástica de sua produção como antessala ao seu mais do que provável fechamento. As duas decisões, aparentemente desconexas, têm uma origem comum: a queda nos preços das matérias-primas.

O que existe por trás dessa queda? A visão dos analistas consultados tem, com variações, um denominador comum. “A China é o maior consumidor mundial de matérias-primas e suas oscilações internas afetam o resto”, explica Gabriel Stein, da Oxford Economics. “Existe uma preocupação sobre o crescimento da economia chinesa”, acrescenta Ole S. Hansen, chefe de matérias-primas do Saxo Bank. As mostras de “debilidade” da segunda maior economia global, que compra e processa matérias-primas para transformá-las em produtos que depois vende a meio mundo, acrescidas pelas recentes quedas em suas Bolsas “derrubaram o mercado”, diz Dan Smith. Esse analista independente descarta, entretanto, que a economia chinesa tenha entrado “em colapso”, já que neste caso os mercados de matérias-primas teriam afundado. E recomenda utilizar como termômetro a evolução recente do cobre, nos menores preços em seis anos. “A queda foi forte, mas em relação a outros momentos da história recente o preço continua sendo relativamente alto”.

Crise chinesa leva as matérias-primas aos menores preços em 13 anos

Nicholas J. Johnson, vice-presidente executivo e responsável pelas matérias-primas da companhia de investimentos Pimco reconhece a debilidade da demanda chinesa, mas a atribui à transição de uma economia orientada ao investimento e à produção – intensiva em commodities – à outra baseada no consumo. E opta por buscar outras explicações além do gigante asiático. “É preciso levar em consideração a fortaleza do dólar, que tem um efeito importante”. Eugen Weinberg, do Commerzbank, é da mesma opinião.

Nitesh Shah, analista da ETF Securities, afirma sem rodeios que a queda dos preços tem origem no próprio funcionamento do mercado – “o excesso de oferta e a percepção de que a demanda se manterá frágil está por trás disso” –, mas alerta que o mercado “ignora” as boas notícias econômicas, como o acordo com o notável desempenho recente da UE. “Continua sendo teimosamente pessimista pela acumulação de anos de baixo rendimento”, explica.

Essa queda das matérias-primas se traduz em dificuldades para os países exportadores. Nos últimos meses as turbulências derivadas dessa queda sacudiram meio globo: desde o Brasil e o Chile, onde o menor valor das exportações desembocou em uma forte retração de suas economias, à Austrália e Nova Zelândia, cujos bancos centrais lutam sem trégua contra a paralisia econômica abaixando os juros. “É um problema sério para eles”, afirma Stein, da Oxford Economics.

O efeito dominó alcançou também as divisas desses países, em sua maioria emergentes. Após uma década dourada, levadas pelo aumento do preço do petróleo, ferro, cobre, carvão e alimentos, as moedas desse grupo de Estados sofreram severas quedas em 2015: o real brasileiro caiu quase 20% frente ao dólar, o peso mexicano caiu 8% e o chileno 7%.

Nesses sete meses somente o rublo russo resistiu, valorizando 5% após um 2014 de forte retrocesso e somente depois de seu banco central decretar a maior elevação de juros desde a crise de 1998. “A desvalorização de suas moedas ajuda esses países a recuperar competitividade, mas não é o remédio. Nada faz pensar que essa tendência irá mudar”, conclui Chris Weston, estrategista chefe da IG Markets.

O ouro, um caso diferente: valor refúgio influenciado pelos juros

O caso do ouro, que caiu mais de 8% em 2015 e que já está cotado nos menores preços em cinco anos e meio, tem pouca relação com o restante das matérias-primas. Diferentemente dessas, que têm uso industrial ou econômico, o ouro é fundamentalmente um valor refúgio. “Não oferece nenhum retorno e o investidor depende de que seu valor suba no mercado”, lembra Gabriel Stein, da Oxford Economics. Em um momento como o atual, no qual as dúvidas sobre a lenta melhoria das economias ocidentais começam a se dissipar e os bancos centrais contam os dias para elevar os juros, os investidores buscam alternativas para encontrar uma rentabilidade maior.

Stein acrescenta uma razão puramente monetária para explicar a queda: “O ouro protege contra a deflação e contra a debilidade do dólar. Quanto mais a moeda norte-americana sobe [não tinha cotação tão alta frente ao euro desde 2003], mais o ouro deveria baixar”. Nic Johnson, vice-presidente da Pimco, acredita que a correção continuará à medida que os juros saiam dos níveis atuais, historicamente baixos. “O mercado reagiu tarde; acredito que ainda irá continuar em baixa”, enfatiza.

MAIS INFORMAÇÕES