Editoriais
i

Impulso para a Colômbia

A criação de uma Comissão da Verdade deve ajudar a acelerar o acordo entre o Governo e as FARC

O Presidente de Colombia, Juan Manuel Santos.
O Presidente de Colombia, Juan Manuel Santos.CESAR CARRIÓN / EFE

A criação de uma Comissão da Verdade na Colômbia para investigar fatos acontecidos durante o meio século de conflito armado entre o Estado e os guerrilheiros das Forças Armadas Revolucionárias (FARC) é uma notícia importante que não deve ser obscurecida pela morte de dois militares colombianos nas mãos da guerrilha nas últimas horas, bem como ataques graves contra infraestruturas. Ao contrário.

Mais informações

Deve servir como um impulso urgente para concluir as negociações de paz que acontecem em Havana antes que o cansaço e o desânimo se instalem e o processo entre em uma rota perigosa de frustração. O acordo sobre a comissão acontece num momento em que a atmosfera de diálogo se deteriora perigosamente.

São louváveis os termos que envolvem a criação e a atuação da Comissão da Verdade: depois da assinatura da paz e sem pretender atuar como um tribunal de justiça comum. Ou seja, seus trabalhos e os testemunhos que recolherá –dolorosos, sem dúvida– de nenhum modo irão condicionar as difíceis negociações. A reconciliação em sociedades que sofreram tanto deve acontecer no seio das famílias, das comunidades e nos livros de história. Escolhido o caminho da paz, o passado pode explicar o presente, mas não condicioná-lo.

Mas as palavras não bastam. A paz também deve existir sobre o terreno. E sem muito mais demora.