CONGRESSO NACIONAL DO PT

Acuado por ajuste fiscal e crise, PT tenta afinar discurso em congresso

Dirigentes petistas operam para conter críticas de alas da sigla ao ministro da Fazenda.

Rousseff, Temer e Levy em evento na terça-feira.
Rousseff, Temer e Levy em evento na terça-feira.Lula Marques

No Congresso Nacional, senadores petistas criticam a presidenta Dilma Rousseff e votam contra algumas das medidas propostas por seu Governo. Nas ruas, até os movimentos sociais que, em parte, garantiram a reeleição dela reclamam de seu ajuste fiscal. É essa a tensão que o Partido dos Trabalhadores, que deveria ser seu principal suporte, vai refletir em seu V Congresso Nacional, que começa nesta quinta-feira, em Salvador. Na divisão do PT, alguns cerram filas com a presidenta, mas a maioria está pronta para reclamar de seu ministro da Fazenda, Joaquim Levy. Para contê-los, foram escalados bombeiros para tentar evitar que esse embate interno cause mais prejuízos para a imagem de Rousseff, que mal começou seu segundo mandato e já tem de lidar com escândalos de corrupção, protestos (nas ruas e no Legislativo) e uma economia que flerta com a recessão.

Ao que parece, a operação abafa, costurada pelo presidente da sigla, Rui Falcão, deve amenizar os efeitos dos ataques internos. As reuniões que antecederam o evento serviram para diminuir as críticas que há três meses estavam sendo preparadas por cinco das seis correntes internas do PT. Umas delas não apresentou suas propostas.

MAIS INFORMAÇÕES

As reclamações subiam o tom contra o ajuste fiscal: “É problema que a sociedade não tenha sido consultada sobre as medidas e que o peso do ajuste proposto tenha recaído mais sobre os trabalhadores do que sobre outros setores das classes dominantes”. O trecho é um dos pontos debatidos pela principal corrente petista, a Partido que Muda o Brasil, responsável por 53% dos votos dos filiados.

As alas mais à esquerda, assim como as mais moderadas, também reclamavam de Levy. Uma delas, a Mensagem ao Partido (20% dos votos internos), dizia que a legenda, perdeu a capacidade de unidade política de sua própria base, muito por conta da escolha para o Ministério da Fazenda e suas primeiras decisões. Outros grupos cobravam a taxação das fortunas e a manutenção de direitos trabalhistas.

Como as reclamações causaram um mal-estar antes mesmo do início do Congresso petista, Falcão atendeu aos pedidos de Rousseff e do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva e tentou diminuir a chiadeira interna. A presidenta chegou a dizer, em entrevista ao jornal O Estado de S. Paulo, que Levy não poderia ser visto como “Judas”. Já o vice-presidente Michel Temer afirmou que o ministro estava mais para Jesus Cristo do que para Judas.

Depois dessas falas, na terça-feira, surgiu um rascunho da “Carta de Salvador”. O documento, que, muito provavelmente, será aprovado pelos participantes do encontro, tem um discurso bem próximo ao do Governo Rousseff e é bem mais light do que vinha sendo debatidos. Trata a crise econômica brasileira dentro de um contexto internacional, defende o aprofundamento com o Mercosul e ressalta os ganhos sociais dos brasileiros nos últimos anos.

Ainda na área econômica, a “Carta de Salvador” sugere a recriação da CPMF, o imposto criado no Governo FHC, em 1997, e extinto em 2007, na gestão Lula. Os recursos desse tributo, cobrado sobre as movimentações financeiras, eram usados para financiar a saúde pública e só acabou porque Lula não conseguiu unificar sua bancada no Senado para aprovar sua continuidade.

Corrupção e financiamento eleitoral

Com 3.863 palavras, a “Carta de Salvador” não trata em nenhum momento do tema corrupção ou do veto ao financiamento empresarial de campanha, uma modalidade que a cúpula do partido anunciou que vetaria logo após a prisão do então tesoureiro da sigla, João Vaccari, no caso Lava Jato.

O mais próximo que chega do tema corrupção é quando admite falhas, sem citá-las especificamente. “Cometemos erros, mas é fundamentalmente por nossas virtudes que as forças conservadoras nos atacam e almejam nossa destruição. Não aceitam que a classe trabalhadora e seu principal partido estejam no comando do país, enfrentando o legado de opressão e desigualdade gerado em séculos de dominação, violência, privilégios e preconceitos”, diz o documento.

Sobre a ausência do assunto doações eleitorais, dirigentes petistas alegaram que não era possível tomar uma decisão sobre essa questão antes da votação da reforma política no Congresso Nacional. Nos últimos dias, a Câmara dos Deputados rejeitou a doação de empresas para campanhas políticas, mas, após uma manobra do presidenta da Casa, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), os deputados aprovaram a doação de empresas para partidos, o que na prática deixa tudo como está hoje.

Além de 800 delegados do partido, deverão participar do evento algumas de suas principais lideranças, como Lula e Dilma. O ex-presidente confirmou sua participação na abertura do encontro e a presidenta no encerramento. Nos próximos dias ela estará na Cúpula dos Estados Latinos Americanos e União Europeia, na Bélgica.

PT diminuiu poder de influência e perdeu deputados

O partido que se reúne a partir desta quinta-feira em Salvador é menor do que há quatro anos, quando fez seu último encontro. Se numericamente tem mais prefeitos e senadores, o PT reduziu sua capacidade de elaboração de políticas, de influência e de comunicação com sua base. Aliado a isso, reduziu o número de deputados federais e estaduais. O diagnóstico foi feito pelas próprias correntes petistas nos documentos que serão debatidos entre quinta-feira e sábado, na capital baiana.

Arquivado Em: