Eleições para presidente do Barça condicionam o futuro do clube

A estabilidade no time é precária, mesmo após os recentes títulos Há várias dúvidas na instituição, na equipe e no banco do Camp Nou

Luis Enrique e Messi celebram a Champions em Berlim.
Luis Enrique e Messi celebram a Champions em Berlim.ODD ANDERSEN (AFP)

A estabilidade do Barcelona é precária mesmo depois de ganhar a Copa da Europa, a Liga e a Copa do Rei, e firmar o segundo triplete de sua história, depois do obtido em 2009. Há várias dúvidas abertas na instituição, no time e no banco do Camp Nou. A única certeza, em todo caso, é que a referência do Barça continuará sendo Messi. Aos 27 anos, ele se transformou no amo do FC Barcelona.

1. O presidente. Josep Maria Bartomeu renunciará na próxima semana, provavelmente na terça-feira, e deixará o clube nas mãos de uma administradora dirigida pelo presidente da comissão econômica Ramon Adell, cuja finalidade será convocar eleições presidenciais, em princípio para a segunda ou terceira semana de julho: dia 19 ou 26. A convocatória é uma promessa feita por Bartomeu em janeiro para aliviar a tensão gerada depois da derrota no Anoeta. O presidente também antecipou que concorreria nas eleições, que continuam tendo como principal incógnita Laporta: o ex-presidente ainda não disse se voltará a se candidatar, mas pessoas de seu entorno apostam que sim. Agustí Benedito e Jordi Farré são, por enquanto, os pré-candidatos anunciados, e devem concorrer também Antoni Freixa e Jordi Majó.

Mais informações

2. O treinador. Luis Enrique se mostra enigmático sobre seu futuro, apesar de ter contrato até 2016. A destituição de Andoni Zubizarreta como diretor esportivo em janeiro, depois de o time perder para o Real Madrid, contrariou muito o treinador, que se sentiu igualmente questionado quando soube que o clube procurava um diretor esportivo que pudesse se encarregar da equipe caso não superasse a crise de janeiro, expressa sobretudo em seu litígio com Messi. As relações difíceis de Luis Enrique com alguns jogadores, especialmente com o tridente (Messi, Neymar e Suárez), melhoraram na mesma medida que manteve o distanciamento da junta. A não continuidade de Luis Enrique poderia comprometer a candidatura de Bartomeu.

3. O capitão. Xavi jogou em Berlim sua última partida no Barça. Aceitou uma oferta do Catar, que inclui também sua família, e deixa a braçadeira com Iniesta. A comissão esportiva, formada por dois técnicos (Ariedo Braida e Carles Rexach) e dois diretores (Jordi Mestres e Javier Borda) busca um substituto e se especula com Gundogan. Não se descarta a contratação de um jogador de futebol de maior renome para fortalecer as opções eleitorais de Bartomeu. Embora o Barça não possa contratar jogadores até janeiro de 2016 por sanção da FIFA, poderá anunciar contratações em meados deste ano.

4. O time. Uma vez renovados Pedro e Jordi Alvorada, a única incógnita, além de saber o futuro dos jogadores da filial, dos cedidos e talvez da Bartra, é Alves. O brasileiro está muito contrariado com a oferta de renovação apresentada pelo clube e pode deixar o Barça, já que seu contrato termina em 30 de junho. Alguns veículos de imprensa afirmam que o Barça teria contratado Aleix Vidal, do Sevilha, e estaria em negociações com vários clubes que contam com bons laterais direitos.

A disputa da Copa e da Champions postergou algumas decisões importantes que deverão ser abordadas em plena campanha eleitoral, circunstância que pode complicar os planos do Barça. A principal incógnita é a figura do diretor esportivo, a figura que marcou o estilo do time, depois da saída de Zubizarreta.

Mais informações

Arquivado Em

Recomendaciones EL PAÍS
Logo elpais

Você não pode ler mais textos gratuitos este mês.

Assine para continuar lendo

Aproveite o acesso ilimitado com a sua assinatura

ASSINAR

Já sou assinante

Se quiser acompanhar todas as notícias sem limite, assine o EL PAÍS por 30 dias por 1 US$
Assine agora
Siga-nos em: