Carro sem motorista do Google já sofreu 11 acidentes em seis anos

Acidentes com o veículo autônomo não deixou feridos Frota percorre por volta de 16.000 quilômetros por semana

Modelo de carro autodirigido diante da sede da Google na Califórnia.
Modelo de carro autodirigido diante da sede da Google na Califórnia.David Paul Morris (Bloomberg)

O carro sem motorista do Google também sofre acidentes. A notícia foi dada pelo diretor do programa, Chris Urmson, em um post. “O carro recebeu batidas traseiras sete vezes, sobretudo nos semáforos, mas também na estrada”. “Recebeu também batidas de raspão nas laterais duas vezes e outra de um carro que furou o sinal vermelho”, acrescentou Urmson.

Os carros sem motorista do Google, que já são mais de 20 unidades, estiveram envolvidos em 11 pequenos acidentes nos seis anos de duração do projeto, de acordo com o responsável da empresa. Nenhuma das batidas provocou feridos.

Esses veículos contam com motoristas de segurança que assumem o controle quando é preciso e já percorreram 2,7 milhões de quilômetros, de acordo com números fornecidos pela empresa californiana.

Mais informações

“Até mesmo quando nosso software e os sensores detectam uma situação complicada e agem antes e mais rápido do que um motorista humano, às vezes não é possível reagir pela velocidade e a distância; outras, [o carro] recebe uma batida enquanto espera a mudança do sinal”, acrescentou Urmson. “Essa informação é importante para os bairros que contem com carros sem condutor em suas ruas. Por mais que não desejemos nenhum acidente, alguns serão inevitáveis”, explicou.

A frota do Google de carros sem motorista percorre por volta de 16.000 quilômetros autonomamente por semana, a maior parte em cidades.

Urmson avaliou os incidentes sofridos pelos carros como “muito valiosos para o projeto”. “Revisamos detalhadamente [cada acidente] para tentar aprender, mesmo que não tenha sido nossa culpa”. “Continuaremos dirigindo milhares de quilômetros para compreender melhor os incidentes mais frequentes que nos fazem detestar dirigir diariamente”, acrescentou.

A organização sem fins lucrativos Consumer Watchdog pediu à empresa que publique os relatórios dos acidentes desses veículos na Califórnia para que sejam os consumidores a decidir. “Mesmo parecendo inacreditável, o Google planeja vender seus carros robô sem volante, pedal de freio ou de acelerador, de forma que não há como uma pessoa assumir o controle em caso de emergência”, afirmou o presidente da associação de consumidores, John Simpson, em uma carta ao Google. “Os planos do Google enfatizam a necessidade de que as pessoas conheçam os detalhes completos de todos os acidentes”, acrescentou. Os relatórios dos acidentes, entretanto, são considerados confidenciais segundo o Departamento de Veículos a Motor da Califórnia.