Calorias das bebidas alcoólicas

Quanto engorda o seu drink?

Artigo no 'British Medical Journal' pede que as bebidas informem quantidade de calorias Na Europa, cerveja, vinho e destilados não precisam divulgar essa informação desde 2011

Hotel Le Meurice, em Paris.
Hotel Le Meurice, em Paris.

Há quem se refira a elas como as calorias invisíveis. Enquanto os alimentos embalados precisam indicar claramente seu conteúdo em calorias, não acontece o mesmo com as bebidas com teor alcoólico superior a 1,2% por volume. A normatização europeia, aprovada em 2011, livrou as garras de cerveja, vinho e destilados de mostrar essa informação até que a Comissão tome uma decisão definitiva, o que deve ser feito antes de 2016.

Diante deste cenário, duas propostas –uma da esfera científica, outra política— evidenciaram nesta semana a mesma questão: a necessidade de incluir no rótulo das bebidas alcoólicas as informações sobre o número de calorias, considerando o impacto que têm no sobrepeso e na obesidade (e seu desconhecimento por parte da maioria dos consumidores).

Dois coquetéis, 300 calorias

A quantidade de energia fornecida por um grama de álcool representa 7 quilocalorias (um hambúrguer Big Mac tem 510 kcal; a ingestão diária recomendada é de 2.000 kcal para homens e 1.800 para mulheres). Eis o conteúdo calórico do álcool contido em algumas das principais bebidas:

Um copo médio de cerveja: 70 kcal.

Uma lata de cerveja: 105 kcal.

Uma taça pequena de vinho: 70 kcal.

Um café com destilado (25 ml): 70 kcal

Um vermute (100 ml): 140 kcal.

Uma taça de conhaque (50ml): 140 kcal.

Um coquetel (50 ml): 140 kcal. Não estão incluídas as calorias do suco.

Um uísque (50 ml): 140 kcal.

Fonte: Guia de rotulagem nutricional da FDA e Guia de referência básica para abordar o abuso do álcool da Sociedade Espanhola de Medicina Familiar e Comunitária.

“Não há nenhum motivo para que as calorias do álcool mereçam tratamento diferente das da comida”, diz Fiona Sim, presidenta da britânica Royal Society for Public Health em artigo publicado nesta quarta-feira no British Medical Journal. O título do texto não poderia ser mais explícito: “As bebidas alcoólicas contribuem para a obesidade e deveriam incluir uma contagem obrigatória de calorias”.

Em plena derrota na guerra mundial contra a obesidade, Sim alega que a ausência de informação sobre calorias nas bebidas alcoólicas é um luxo que a sociedade não pode se permitir, porque alimenta o desconhecimento sobre o impacto desses produtos no sobrepeso da população. A autora do artigo dá como exemplo um estudo feito com 2.117 adultos, dos quais 80% desconheciam o conteúdo em calorias das bebidas mais comuns. “A maioria das mulheres desconhece que duas taças grandes de vinho têm 370 calorias, o que representa um quinto de sua ingestão diária de energia”, acrescenta.

Trabalhos da sociedade britânica de saúde pública estimam em 10% a contribuição das calorias vindas do álcool na dieta dos bebedores sociais. “Na Espanha não temos trabalhos desse tipo, mas eu diria que, no mínimo, o número deve ser o mesmo”, diz Felipe Casanueva, presidente da Sociedade Espanhola de Estudo da Obesidade.

Mais informações

O especialista em obesidade tem a mesma preocupação da especialista em saúde pública britânica. “Há uma total ignorância sobre o aspecto calórico das bebidas alcoólicas”, explica, “é uma questão que me preocupa bastante.” Enquanto o convívio com o álcool é “muito bem administrado na Espanha” e estão muito presentes questões relacionadas à direção ou as consequências do abuso, o também diretor científico do Centro de Investigação Biomédica em Rede-Fisiopatologia da Obesidade e Nutrição (Ciber-obn) destaca que, entre os bebedores sociais, raramente se pensa que o álcool representa “uma parte muito importante da ingestão calórica e contribui para a obesidade”. Não somente isso: “Trata-se de calorias de baixíssima qualidade nutritiva e que, além disso, não saciam”.

Por isso, Casanueva também aposta na inclusão de dados sobre o conteúdo em calorias, com o uso de parâmetros compreensíveis: “Melhor falar de calorias por lata, copo ou cálice que por centímetro cúbico, por exemplo”.

Debate no Parlamento Europeu

Além da exposição científica de Fiona Sim, a discussão sobre a rotulagem invadiu esta semana o Parlamento Europeu. Na quarta-feira, os eurodeputados adotaram resolução que propõe “a urgente necessidade de mencionar claramente no rótulo, no mínimo, o conteúdo calórico das bebidas alcoólicas” e pede à Comissão “que apresente a correspondente proposta legislativa”, de modo a incorporar a nova estratégia da UE em relação ao álcool (2016-2022).

Não é a primeira vez que se tenta medida semelhante. O mandato sueco da presidência rotativa da União Europeia em 2011 já a tinha proposto, sem sucesso. Os Estados Unidos incorporarão ao rótulo as calorias a partir de dezembro deste ano, embora apenas nas bebidas servidas em restaurantes. Na Europa, a Irlanda tomou a dianteira e prepara uma lei para obrigar as empresas a mostrarem essa informação nas garrafas.

Fontes da Federação Espanhola de Bebidas Destiladas (FEBE, na sigla em espanhol) preferiram não se manifestar sobre a conveniência de incluir a informação sobre o conteúdo de calorias até que a Comissão Europeia se pronuncie. “Acataremos o que ela decidir, hoje estamos bem com a situação atual”, informam da federação.