'Sonyleaks'

Ben Affleck lamenta ligação de seus antepassados com a escravidão

Documentos vazados no 'Sonyleaks' incluem conversas do ator tentando esconder que um de seus ancestrais foi dono de escravos

O ator Ben Affleck.
O ator Ben Affleck.Cordon Press

Há momentos em que até o Batman precisa pedir desculpas, mesmo que com suas palavras confirme a veracidade do maior vazamento de informações sofrido por Hollywood. “Lamento minha primeira reação de não incluir o tema da escravidão na história”, Ben Affleck comenta em sua página no Facebook. O ator se refere ao escândalo provocado pelos documentos roubados do estúdio Sony, no maior ataque cibernético feito até hoje contra o setor de cinema. Entre as milhares de contas pessoais de e-mail hackeadas, agora disponíveis no Wikileaks, estavam as conversas que revelaram a intenção do ator de não mostrar num programa de televisão que um de seus antepassados foi dono de escravos. “Não queria que nenhum programa de TV sobre minha família incluísse um sujeito que tinha escravos. Senti vergonha. Só de pensar nisso me fez sentir um gosto ruim na boca”, diz abertamente agora em seu perfil na rede social. É a primeira vez que um dos astros de Hollywood afetados pelos vazamentos do chamado Sonyleaks confirma a informação roubada nesse ataque cibernético.

Mais informações

No Facebook, o ganhador do Oscar de melhor filme por Argo fala de sua passagem pelo programa Finding Your Roots (encontrando suas raízes), dedicado a investigar a árvore genealógica de seus participantes. Segundo as mensagens roubadas, o estúdio Sony intercedeu por Affleck para evitar que fossem divulgados detalhes desse antepassado escravagista, que o ator não conhecia. “Pressionei da mesma forma que faço com os diretores para que escolham a tomada que considero melhor. É um trabalho de colaboração”, afirma o ator. O programa é da PBS, a única rede pública nos EUA sem fins lucrativos. “Não merecemos o crédito nem temos culpa pelo que fizeram nossos antepassados”, lembra em seu texto, antes de acrescentar que fica contente por sua história contribuir para “a discussão” sobre o tema da escravidão, “um legado terrível”, que em sua opinião o país ainda não assimilou. Ironicamente, a foto de seu perfil no Facebook mostra um grupo de crianças negras que conheceu em sua viagem pela África, em que visitou Ruanda e a República do Congo.

E a polêmica sobre a escravidão gerada pelos documentos vazados no Sonyleaks trouxe à tona um escândalo ainda maior: um possível caso de censura, que mostraria o poder de veto desfrutado pelos astros de Hollywood para controlar sua imagem. Affleck não o classifica assim e lembra que o programa Finding Your Roots não faz parte da área de notícias da rede pública. “Presume-se que nunca serão desonestos, mas que respeitarão o fato de alguém se apresentar voluntariamente e não incluirão elementos que envergonhem sua família”, acrescenta o intérprete de Gênio Indomável, filme pelo qual ganhou também um Oscar de melhor roteiro original. O diretor do programa de TV, Henry Louis Gates, defendeu-se das acusações dizendo que sempre manteve o controle editorial, com o que Affleck concorda. Para responder aos comentários no Facebook que mesmo depois de sua desculpa o recriminam pela possível censura, Affleck afirma que o programa não pensava em incluir seu antepassado escravista porque também não tinha muita informação sobre o tema. “Apenas um nome, sem mais detalhes”, diz.

Só que entre as mensagens roubadas do chefe do estúdio Sony, Michael Lynton, estão as que recebeu de Gates, nas quais o produtor diz que aceitar o pedido de Affleck de não incluir o tema da escravidão em sua família é “uma violação do código da PBS, mesmo para o Batman”. A rede iniciou uma investigação para analisar se foi obedecido o código de ética do programa.