Seleccione Edição
Login

NASA acredita que encontrará vida extraterrestre em menos de dez anos

“Em nosso horizonte de vida, podemos muito bem finalmente responder se estamos sozinhos no Sistema Solar”, disse a cientista-chefe da agência, Ellen Stofan

NASA Ampliar foto
O interior de Encélado, segundo as descobertas da missão Cassini.

Conforme as missões da NASA exploram o Sistema Solar e procuram novos mundos, a agência espacial norte-americana chega mais perto de encontrar vida fora do nosso planeta. E tem certeza de encontrá-la em menos de uma década.

“As atividades da NASA permitiram uma onda de descobertas espantosas relacionadas à água nos últimos anos, as quais nos inspiram a continuar pesquisando as origens e as fascinantes possibilidades de outros mundos e a vida no Universo”, disse na quarta-feira Ellen Stofan, cientista-chefe da agência. “Em nosso horizonte de vida, podemos muito bem finalmente responder se estamos sozinhos no Sistema Solar e além.”

“Acredito que teremos fortes indícios de vida fora da Terra dentro de uma década, e creio que teremos provas definitivas dentro de 20 ou 30 anos. Sabemos onde procurar e sabemos como procurar”, afirmou Stofan durante entrevista na NASA.

Os elementos químicos da água, hidrogênio e oxigênio, estão entre os elementos mais abundantes no Universo. Existem diversos planetas nos quais se acredita que haja água líquida sob a superfície, e são em quantidade ainda maior os que têm água em forma de gelo ou vapor. A água é encontrada nos corpos primitivos como os cometas e os asteroides, e em planetas anões, como Ceres. Acredita-se que a atmosfera e o interior dos quatro planetas gigantes – Júpiter, Saturno, Urano e Netuno – contenham enormes quantidades dessa substância, e que suas luas e anéis tenham gelo.

John Grunsfeld, um dos líderes da missão científica da NASA, compartilhou na quarta-feira do otimismo de Stofan: “Creio que estamos a apenas uma geração [de encontrar vida], seja em uma lua gelada ou em Marte”. “A Via Láctea é um lugar encharcado”, assegurou Paul Hertz, diretor da divisão de astrofísica da NASA.

Talvez os mundos com água mais surpreendentes sejam as cinco luas geladas de Júpiter e Saturno que mostram forte evidência de oceanos sob suas superfícies: Ganimedes, Europa e Calisto, de Júpiter, e Encélado e Titã, de Saturno.

Os cientistas que usam o telescópio espacial Hubble, da NASA, revelaram recentemente fortes evidências de que Ganimedes tenha um oceano de água salgada, sob a superfície, provavelmente ensanduichada entre duas calotas de gelo. Supõe-se que Europa e Encélado tenham oceanos de água líquida sob a superfície, em contato com rochas ricas em minerais, e é possível que tenham os três ingredientes necessários à vida tal como a conhecemos: água líquida, elementos químicos essenciais para os processos biológicos e fontes de energia que possam ser usadas por seres vivos.

A missão Cassini, da NASA, mostrou Encélado como um mundo ativo de gêiseres gelados. Outras missões também encontraram indícios de água nas crateras permanentemente na penumbra em Mercúrio e na Lua. Em Marte, a NASA achou provas claras de que o planeta vermelho teve água em sua superfície por muito tempo no passado distante. O robô de exploração Curiosity encontrou um antigo leito de rio existente em ambiente com condições favoráveis à vida como a conhecemos.

A missão Dawn, da NASA, estuda Ceres, que é o maior corpo do cinturão de asteroides, entre Marte e Júpiter. Os pesquisadores acham que Ceres pode ter composição rica em água, tal como alguns dos corpos que trouxeram água aos planetas rochosos, inclusive a Terra.

Com o estudo dos exoplanetas – que orbitam outras estrelas — chega-se mais perto que nunca de verificar se existem outros mundos ricos em água como o nosso. Cada estrela tem uma região habitável, ou uma faixa de distâncias ao seu redor, na qual a temperatura não é alta demais nem baixa demais para a existência de água no estado líquido.

MAIS INFORMAÇÕES