Editoriais
São da responsabilidade do editor e transmitem a visão do diário sobre assuntos atuais – tanto nacionais como internacionais

Ajudar a Venezuela

O país caribenho precisa de iniciativas para impedir que sua situação política continue à deriva

A sociedade venezuelana precisa que termine, o mais rápido possível, a situação de insegurança, física e jurídica, que atravessa o país e que piora a cada dia. Governo e oposição têm a responsabilidade – não na mesma medida, obviamente – de controlar a situação o quanto antes. Não é admissível a degradação material e institucional de um país que, por seus recursos materiais e humanos, deveria estar nos primeiros lugares no que diz respeito à prosperidade econômica e política da América Latina. Neste contexto, o Executivo de Nicolás Maduro e os políticos da oposição (que precisa se unificar sem demora) devem fazer um exercício de realismo que leve a aceitar algum tipo de iniciativa internacional – como a mediação proposta ontem pelo presidente da Colômbia, Juan Manuel Santos – que possa abrir uma nova perspectiva à difícil situação do país.

Mais informações

O assassinato, na terça-feira, do jovem estudante de 14 anos, Kluvier Roa, é a demonstração do ponto de tensão a que chegaram as coisas. Roa morreu durante uma manifestação opositora no estado de Táchira quando um policial disparou na sua cabeça. Trata-se da quinta morte de adolescentes por disparos na cabeça acontecida em diferentes regiões do país nas últimas semanas; mortes que não foram esclarecidas e fazem com que os cidadãos se sintam completamente indefesos. Somente o medo segura a onda de indignação – de consequências difíceis de prever – que tudo isso está causando.

É muito preocupante que Maduro tenha dado mostras de estar perdendo o controle da situação, porque deveria ser um dos interlocutores para desbloquear a gravíssima crise. Com a opinião pública ainda furiosa pela arbitrária e brutal detenção do prefeito de Caracas, Antonio Ledezma, o presidente abandonou o habitual tom desafiador, apressou-se a condenar o crime e acrescentou que “na Venezuela está proibida a repressão armada”. Mas este é o tipo de jogo retórico que não acalma os ânimos: há poucos dias o próprio Maduro aprovou e justificou a utilização de armas letais contra as manifestações opositoras.

A Venezuela precisa com urgência de uma saída. Se os atores internos são incapazes, não só de chegar a uma solução, mas de se colocar na direção correta para conseguir uma, deveriam escutar propostas e prestar atenção aos gestos que chegam do exterior.

Mais informações

Arquivado Em

Recomendaciones EL PAÍS
Logo elpais

Você não pode ler mais textos gratuitos este mês.

Assine para continuar lendo

Aproveite o acesso ilimitado com a sua assinatura

ASSINAR

Já sou assinante

Se quiser acompanhar todas as notícias sem limite, assine o EL PAÍS por 30 dias por 1 US$
Assine agora
Siga-nos em: