Explosão em navio plataforma da Petrobras deixa três mortos

Incidente em embarcação no Espírito Santo, deixou dez funcionários feridos e seis desaparecidos. Sindicato suspeita que explosão de gás causou o acidente

Navio FPSO Cidade de São Mateus, no Espírito Santo, em 2008.
Navio FPSO Cidade de São Mateus, no Espírito Santo, em 2008.Rogério Reis (Ag. Petrobras)

Uma explosão no navio plataforma da Petrobras FPSO Cidade de São Mateus, no Espírito Santo, deixou pelo menos três trabalhadores mortos e outros dez feridos. Há ainda seis pessoas desaparecidas. As informações são da própria Petrobras e da Secretaria de Saúde do Espírito Santo.

De acordo com a federação e o sindicato, o acidente no navio ocorreu após um incêndio na casa de máquinas da embarcação, que está ancorada no município de Aracruz. A plataforma flutuante operava nos campos de Camarupim e Camarupim Norte, a cerca de 80 quilômetros da capital do Estado, Vitória.

No momento da explosão, por volta das 12h50 desta quarta-feira, 74 pessoas estavam a bordo do navio. Uma barco socorrista chamado de baleeira foi usado para retirar as vítimas. Os dez feridos foram encaminhados de helicóptero para Vitória e o estado de saúde deles é considerado grave. Duas pessoas tiveram os corpos queimados e outras oito sofreram traumas múltiplos. Todas foram levadas para dois hospitais particulares da capital capixaba. Os nomes dos mortos e dos feridos não foram divulgados.

A Secretaria de Saúde disponibilizou duas ambulâncias e quatro motocicletas para prestar os primeiros atendimentos às vítimas que chegaram ao aeroporto de Vitória. No fim da tarde desta quarta-feira, a estrutura de atendimento permanecia montada no caso de localização das seis pessoas que estavam desaparecidas.

A ANP (Agência Nacional do Petróleo), órgão regulador do setor de óleo e gás no Brasil, informou que participará das investigações do acidente, que serão conduzidas pela Marinha. Segundo a entidade, não houve derramamento de óleo no oceano e a plataforma foi estabilizada após o incêndio ser controlado.

A Petrobras, que está em meio ao maior escândalo de sua história, informou que o navio é operado pela empresa norueguesa BW Offshore e atua no litoral capixaba desde junho de 2009. A companhia é uma terceirizada que presta serviço para a petroleira brasileira.

Essa plataforma produz cerca de 2.200 barris de petróleo ao dia e 2,2 milhões de metros cúbicos de gás. Segundo a FUP, é uma produção baixa. As grandes embarcações produzem de 150.000 a 180.000 barris de petróleo diariamente.

Em nota, a Petrobras lamentou o acidente e informou que, juntamente com a BW Offshore, está prestando toda a assistência aos funcionários e aos familiares das vítimas.

Outros acidentes

Em janeiro, outros três funcionários que prestavam serviço para a Petrobras se feriram em um acidente na refinaria Landulpho Alves, na Bahia. Na ocasião, houve um incêndio na Unidade Geradora de Hidrogênio.

Um dos maiores acidentes registrados pela Petrobras foi a explosão da plataforma P-36 na bacia de Campos, no Rio de Janeiro, em 2001. O incidente resultou na morte de 11 pessoas.

Arquivado Em: