Seleccione Edição
Login

Feliz 2000 e Crise!

Um ano de fortes ajustes econômicos, com crise de água no estado mais rico do país e novos capítulos no escândalo na Petrobras

2015 escrito com lanternas de led em frente a árvore de Natal.
2015 escrito com lanternas de led em frente a árvore de Natal. AFP

Depois de um ano intenso e cheio de reviravoltas na política e no futebol, 2015 se aproxima cabisbaixo, empunhando um apelido que parece lhe caber perfeitamente: depois de 2000 e Catarse, é a vez de 2000 e Crise.

As expectativas já são tão baixas, ao menos em termos econômicos, que os próximos doze meses podem se beneficiar do descrédito. Afinal, se a realidade for um pouco melhor do que o prognosticado, já será motivo de alegria.

Baixo crescimento

O Governo de Dilma Rousseff acaba de diminuir mais uma vez a perspectiva de crescimento do PIB para 2015. A projeção de 2% passou para míseros 0,8%. Dessa vez, a lentidão da economia pode ter efeitos mais daninhos do que até agora, com reflexo no nível de emprego, que viveu era de ouro na última década. A nova equipe econômica prevê cortes que se traduzirão em economia de quase 70 bilhões de reais.

A única nota positiva é a queda do preço do petróleo, que, segundo economistas, pode dar um empurrão de alguns décimos na economia mundial.

Tarifaço

O Ano Novo começa com alta de tarifa nos transportes em São Paulo (ônibus vai a 3,50 reais, metrô e trem também subirão, além do táxi). O Movimento Passe Livre, que liderou protestos em 2013, promete voltar à carga. Conseguirão apoio, considerando que estudantes da rede pública e universitários de baixa renda terão passe livre (ainda não está claro se para todas as viagens ou só para deslocamento às escolas)? A onda de aumentos pelo país deve seguir, já que muitas tarifas estavam congeladas desde 2013. Na maioria dos Estados também haverá aumento na conta de luz a partir de janeiro. Segundo a mais recente pesquisa Focus, na qual o Banco Central ouve analistas de mercado, a expectativa é que a inflação deva ultrapassar o teto da meta do governo, chegando a 6,54% anuais em 2015.

Escândalo da Petrobras

Um dos maiores escândalos de corrupção da história recente está longe do fim. A contagem regressiva para o fim do ano tem sabor amargo na maior empresa do país: a Petrobras nem conseguir publicar seu balanço do terceiro trimestre antes do fim de 2014. Os números só serão conhecidos no final de janeiro. Disso dependem os cenários futuros da empresa. Sem balanço, pode haver uma espiral daninha frente aos detentores de títulos, que podem exigir pagamento antecipado. Especial atenção para o desenrolar dos processos legais contra a Petrobras por causa do escândalo nos Estados Unidos e para a possível troca da direção da empresa – até agora, a presidente Rousseff tem negado a possibilidade. O efeito cascata sobre as obras em curso no país, já que as investigações envolvem as principais construtoras do mercado, é mais um fator complicador. Para os reflexos políticos do escândalo, ver tópico seguinte.

Políticos na Lava Jato

O próximo desdobramento das investigações da operação Lava Jato será a implicação de políticos. O procurador-geral da República, Rodrigo Janot, anunciou que indiciará políticos e parlamentares em fevereiro, com o fim do recesso do Judiciário. O tamanho do estrago para a já combalida base de Dilma Rousseff não pode ser antecipado, mas não deve ser desprezível. "O preço político que Rousseff pagará vai depender de quão profundas serão as investigações", escreveu a clientes a consultoria de risco Eurasia Group. "No longo prazo, a presidenta mais isolada fará um governo mais vulnerável às pressões vindas do Congresso e de um eleitorado cada vez mais desiludido", conclui a Eurasia.

Crise da água

Avisos assustadores sobre a falta de água (ou a iminência disso) se espalham em São Paulo. O nível do principal sistema de abastecimento, a Cantareira, e os demais reservatórios do Estado é o mais baixo da história. Mesmo que chova acima da média até março, o fornecimento no inverno de 2015 ainda corre risco. Para especialistas da ONG Instituto Socioambiental (ISA), que lidera iniciativa com outras entidades sobre o assunto, o plano do governo estadual para a crise é insuficiente. "Quanto mais estiver faltando água, (mais) a sociedade precisa saber quem mais a consome, quem a desperdiça e quem depende dela para viver. Atribuir responsabilidades diferenciadas a cada ator envolvido (...) são condições para se superar dignamente o problema", diz a ONG. A notícia não é ruim apenas para o Estado de São Paulo. A falta de água tem reflexos na atividade econômica da região, o que pode afetar o desempenho da economia brasileira em geral.

E lá fora?

O cenário lá fora não é dos mais animadores. Os vizinhos que são importantes compradores de Brasil, Argentina e Venezuela enfrentam suas próprias crises econômicas. A China seguirá seu programa sustentado de desaceleração do crescimento, o que é ruim para vendedores de commodities como o Brasil. Estados Unidos e Inglaterra devem ter desempenho melhor do que a Zona do Euro, que volta a viver emoções com as novas eleições na Grécia. No plano geopolítico, o impasse na Ucrânia e o avanço do Estado Islâmico tampouco são notas positivas.

Se a canoa não virar...

Para terminar com nota menos melancólica, uma boa notícia: o Carnaval é cedo, com a Terça-Feira Gorda em 17 de fevereiro. E há até homenagem para 2015: o bloco de Carnaval paulistano Trema na Linguiça escolheu o tema "Dois Mil e Kiss Me", um trocadilho bem mais simpático, que também serve de mote para o Réveillon. O bloco promete sair antes do Carnaval. Segundo a Prefeitura de São Paulo, o número de blocos na cidade superará os de 2014.

MAIS INFORMAÇÕES