Espanha e EUA, os países onde mais cresce a desigualdade

A Organização Mundial do Trabalho afirma que os salários estão congelados há anos nos países desenvolvidos

A concentração do crescimento do desemprego nas rendas mais baixas transformou a Espanha no país desenvolvido onde houve o maior aumento da desigualdade durante a crise econômica. Segundo o Relatório Mundial sobre Salários 2014/2015 que a Organização Internacional do Trabalho (OIT) divulgou na sexta-feira em Madri, a diferença que separa a parte mais rica e a mais pobre da população cresceu entre 40% e 50%, e transformou a Espanha no segundo país mais desigual —depois dos Estados Unidos— no grupo que inclui a União Europeia e o gigante norte-americano.

A agência das Nações Unidas se baseou em dados de 2010 que já haviam sido levantados pela Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE), mas introduziu um elemento novo ao identificar o desemprego como principal causa da ampliação da desigualdade. A OIT destaca que a redução do poder aquisitivo na Espanha chega a 17%. O fato de a perda de emprego—e em menor medida o corte de salários— se concentrar na camada dos 10% mais pobres da população diminuiu o poder de compra deste grupo em 43%. “Esse dado, e levando em conta que a redução do poder aquisitivo dos 10% com mais dinheiro não passa de 3% a 4%, é o principal motivo para o aumento da desigualdade”, explicou na sexta-feira Rosalía Álvarez, uma das autoras do relatório.

Mais informações

Mais produtividade

A pesquisadora da OIT também ressaltou que essas dinâmicas não se reproduziram em países como Portugal, Grécia e Romênia, onde ocorreu o contrário: o poder aquisitivo da camada da população com maior renda diminuiu mais do que o da parte mais pobre, e determinou um efeito de “achatamento” dos salários que reduziu a diferença entre elas.

Álvarez destacou ainda a queda de 1,3% dos salários na Espanha em 2013, enquanto em 2007 houve uma alta de 1,7%. Seu peso no poder de compra, além disso, foi reduzido em 10 pontos percentuais (representava 70% em 2006 e 60% em 2013).

É uma tendência que se mostrou mais marcante do que em outros países desenvolvidos, onde também houve redução dos salários. Ao mesmo tempo, nas economias emergentes o salário médio cresceu e isso está levando a uma convergência dos níveis salariais globais.

O relatório também destaca um crescimento da produtividade no trabalho —o valor de bens e serviços produzidos por trabalhador —entre 1999 e 2013. A diferença em relação aos salários foi de 10% entre 1999 e 2013 e de 5% entre 2009 e 2013. “Existe margem para subir os salários, na medida em que a produtividade permita”, afirmou o diretor-geral da OIT na Espanha, Joaquín Nieto, ao comentar os resultados do relatório. Ele explicou que as causas da situação atual são “tanto estruturais quanto políticas” e concluiu: “A pergunta não é se os salários devem subir, mas quanto devem subir”.

Mais informações

Arquivado Em

Recomendaciones EL PAÍS
Recomendaciones EL PAÍS
Logo elpais

Você não pode ler mais textos gratuitos este mês.

Assine para continuar lendo

Aproveite o acesso ilimitado com a sua assinatura

ASSINAR

Já sou assinante

Se quiser acompanhar todas as notícias sem limite, assine o EL PAÍS por 30 dias por 1 US$
Assine agora
Siga-nos em: