Mudanças no Banco Santander

Botín muda de surpresa o executivo-chefe do Santander

José Antonio Álvarez substitui Javier Marín três meses depois da chegada de Ana Botín na presidência do banco. Rodrigo Echenique é o novo vice-presidente do grupo

José Antonio Álvarez, executivo-chefe do Santander, com a presidenta Ana Botín.
José Antonio Álvarez, executivo-chefe do Santander, com a presidenta Ana Botín.

O Banco Santander comunicou na terça-feira que seu conselho de administração designou José Antonio Álvarez (León, 1960) como executivo-chefe, substituindo Javier Marín (Madri, 1966). Álvarez é um profissional de prestígio que até então ocupava o cargo de diretor geral financeiro e responsável pela relação com os investidores.

A mudança, que causou grande surpresa no mercado, ocorre quando ainda não se passaram três meses da chegada de Ana Botín à presidência da entidade, após o falecimento de Emilio Botín, seu pai. Marín, com 23 anos de experiência na entidade, foi nomeado por Emilio Botín como executivo-chefe após a demissão de Alfredo Sáenz por estar sendo processado no Supremo Tribunal. Marín estava há um ano e oito meses no cargo e foi ratificado em três ocasiões com Ana Botín como responsável pela entidade: em uma junta de acionistas e em dois comunicados. Isso é o que torna estranho o ocorrido, já que a entidade – o banco de maior valor na bolsa da zona do euro – havia transmitido que a continuidade, com algumas mudanças para formar a equipe da presidenta, seria a norma da gestão.

Mais informações

As mudanças também chegaram ao conselho de administração. O conselho definiu as nomeações de Bruce Carnegie-Brown como primeiro vice-presidente, lead independent director e executivo coordenador externo. Substitui Fernando de Asúa (Madri, 1932) e terá grande responsabilidade legal. Não fala espanhol.

Rodrigo Echenique foi nomeado vice-presidente, um movimento de grande relevância no banco. É presidente executivo da Vocento, proprietário da ABC e do grupo Correo, e presidente não executivo da NH Hoteles. Até então era membro da comissão executiva do banco, e sempre participou das decisões mais relevantes. Era considerado um conselheiro pessoal do falecido Emilio Botín, e chegou a ser executivo-chefe do Santander de 1988 a 1994. Segundo a entidade, ainda não se sabe se ele manterá a presidência da Vocento no futuro pois não é funcionário do Santander.

Sol Daurella e Carlos Fernández são os novos conselheiros independentes. Sol Daurella (Barcelona, 1966), presidenta da Coca Cola Iberian Partners, a única engarrafadora dessa marca na Espanha, anunciou na semana passada que deixava o conselho do Banco Sabadell porque “a Coca-Cola exige todo meu esforço”, segundo declarou para a CNMV. Daurella é considerada a quinta mulher mais rica da Espanha pela revista Forbes, com 1,7 bilhões de euros (5,3 bilhões de reais). É também conselheira da Acciona e da Ebro Foods.

Carlos Fernandez González, (Cidade do México, 1966), ex-presidente da cervejaria mexicana Grupo Modelo, hoje dirige a Finaccess SAPI, é conselheiro do Santander México e, até alguns dias atrás, participava do recém-dissolvido Conselho Consultivo Internacional do Santander, junto com Rodrigo Rato. Também é assessor externo de Bolsas e Mercados, desde em março passado. Além de Asúa, também Abel Matutes (Ibiza,1941) também deixou o cargo. Botín agradeceu Asúa e Matutes por sua contribuição ao conselho e destacou que experiência e valor agregado desses executivos foram “determinantes” para o conselho.

O Banco esclareceu que, por causa da nomeação de Álvarez, a cúpula do banco também se viu afetada por algumas mudanças, “para as quais se contou com os membros da atual equipe de direção”.

José García Cantera, até agora diretor-geral da divisão Global Banking & Markets do Santander, substituirá José Antonio Álvarez como diretor-geral da divisão de Gestão Financeira e Relações com Investidores. Jacques Ripoll, até agora responsável pelo setor de Banco Atacadista Global no Santander do Reino Unido, substituirá José García Cantera. Tanto Ripoll como Cantera são considerados executivos da equipe mais próxima a Ana Botín. Com o primeiro ela trabalhou na época em que dirigiu o Santander no Reino Unido, e Cantera foi o executivo-chefe do Banesto sob sua presidência.

A entidade esclareceu que “as nomeações entrarão em vigor em 1º. de janeiro de 2015”, mas antes “estão sujeitas às autorizações regulatórias correspondentes”.

Ana Botín manifestou sua gratidão a Javier Marín pelo “grande trabalho” que desenvolveu durante 23 anos no banco, “muito especialmente durante sua etapa como executivo-chefe”. “Nos dois últimos anos liderou a transformação comercial do grupo para um modelo de gestão mais inovador, com foco na segmentação e satisfação dos clientes, e melhorando ao mesmo tempo a rentabilidade e a eficiência”, observou.

A presidenta afirmou que a indústria financeira enfrenta importantes desafios, e recordou que o Santander parte de “uma posição excepcional, com forte presença no varejo bancário em dez países”. “Nossa visão é criar um banco simples, pessoal e transparente para nossas equipes, os clientes e a sociedade”, acrescentou.

O conselho de administração do Banco Santander compõe-se de 15 membros, dos quais 9 são conselheiros independentes, com ativa presença em diferentes setores empresariais, nacionais e internacionais. Há cinco mulheres entre os participantes (33%), e a origem dos conselheiros é diversificada: EUA, Reino Unido, México e Espanha.