O MALECÓN
Coluna
Artigos de opinião escritos ao estilo de seu autor. Estes textos se devem basear em fatos verificados e devem ser respeitosos para com as pessoas, embora suas ações se possam criticar. Todos os artigos de opinião escritos por indivíduos exteriores à equipe do EL PAÍS devem apresentar, junto com o nome do autor (independentemente do seu maior ou menor reconhecimento), um rodapé indicando o seu cargo, título académico, filiação política (caso exista) e ocupação principal, ou a ocupação relacionada com o tópico em questão

Messi ou Cristiano? Federer

O esporte eterniza as discussões que preenchem horas de bate-papos em balcões de bar

Federer festeja o ponto decisivo na Copa Davis.
Federer festeja o ponto decisivo na Copa Davis.peter dejong (AP)

Messi é melhor que Cristiano Ronaldo? Ronaldo ou Messi? O esporte, especialmente o futebol, eterniza as discussões que enchem horas de bate-papos, conversas e balcões de bar. A procura permanente pelo melhor, como se fosse o elixir da imortalidade. No caso do futebol, tão passional, não há solução. Cada gol, cada recorde, cada façanha, cada prêmio, cada declaração – de Xabi Alonso ou de quem for – anuvia e renova a discussão. Alguns se apegam ao cômputo geral, outros à média. Também circulam os egômetros, e alguns, como Neuer, lançam a guerra dos shorts. Eles vestem a camisa, agora e antes, e não há consenso nem mesmo sobre Pelé, Di Stéfano e Maradona, sobre se Cruyff e Zidane estão no mesmo nível ou sobre a categoria em que se enquadram Puskas, Garrincha, Beckenbauer, Platini e Van Basten. As evidências indicam que um e outro, Messi e Cristiano Ronaldo, se engrandecem mutuamente. Na realidade, se não fossem contemporâneos sua dimensão seria outra. Um pouco como Larry Bird e Magic Johnson, Ayrton Senna e Alain Prost, Chris Evert e Martina Navratilova, Karpov e Kasparov.

Mais informações

No caso do futebol, a rivalidade entre esses dois craques está acima de tudo. Não parece importar quem foi ou o que representou o inesquecível Zarra, ou se será o argentino que quebrará o recorde antes do português. A mesma coisa se aplica a Raúl e seu recorde no Champions. Dissecam-se os gols consecutivos, com a direita, a esquerda, a cabeça, a franja, a mão ou com um rebote de Pepe ou qualquer outro. Os estatísticos se debruçam sobre cada caso, mas não há jeito. Não há nem haverá nada a fazer para que se chegue a um consenso geral. A controvérsia vai sobreviver aos dois craques, e as mesas redondas não terão fim. É o melhor sustento possível para qualquer esporte, quando o “eu” de um é reforçado pela pujança do outro. Não seria possível encontrar rivalidade semelhante na história do futebol. Pelé e Di Stéfano não se enfrentaram, apesar de serem quase coetâneos. Por mais planetários que eles tenham sido, seus mundos não se cruzaram.

Enquanto Messi e Cristiano Ronaldo vão continuar a ser discutidos de geração em geração, a única certeza, hoje em dia, é que se existe um grande entre os maiores, é Roger Federer. Não apenas porque os títulos o atestam, mas porque ele tem o reconhecimento universal, de seus fãs e dos fãs de seus rivais, de seus adversários na quadra e de todos seus predecessores no Olimpo do tênis. Seria difícil encontrar alguém que discordasse, mesmo na Espanha de Rafa Nadal ou na Sérvia de Novak Djokovic. Até o L’Équipe, em sua primeira página de ontem, homenageou o suíço que acabava de tirar a final da Copa Davis da França. A unanimidade em torno do suíço magistral só é comparável à que foi conquistada por nomes míticos como Muhammad Ali, Jack Nicklaus, Eddy Merckx, Michael Jordan e poucos, muito poucos mais.

Como eles, Federer ultrapassa fronteiras. Não há bandeiras que distorçam sua imagem

Como eles, Federer ultrapassa fronteiras; não há bandeiras que distorçam sua imagem. Ele é patrimônio de todos. Há os escolhidos e há um Federer. Nesse tenista existe não apenas um talento descomunal: há muito que o humaniza. Suas filhas gêmeas, suas lágrimas, até um indício de barriguinha. Nem um único gesto ou palavra negativos. Nem o tagarela McEnroe, nem o gélido Borg. Antes que falhe a memória histórica, convém recordar que do outro lado da rede estiveram e estão dois tenistas extraordinários como Nadal e Djokovic. Costuma ser habitual que as celebridades tirem o brilho de outros gênios, e com o passar do tempo se fala que esse ou aquele não teve rivais. Como se Gary Player, Arnold Palmer e Tom Watson tivessem sido pouca coisa diante de Nicklaus, ou Ocaña, Gimondi e Thevenet diante de Merckx, sem esquecer Karl Malone e Pat Ewing, vítimas favoritas de Jordan.

Como é possível que a discussão entre os fãs de Messi e os de Cristiano Ronaldo não tenha fim, como o próprio futebol, a bandeira suíça foi a menos agitada no domingo. E não por neutralidade, mas porque Federer é de todos. Uma lenda viva, alguém capaz de suscitar paixões inusitadas.

Mais informações

Arquivado Em

Recomendaciones EL PAÍS
Recomendaciones EL PAÍS
Logo elpais

Você não pode ler mais textos gratuitos este mês.

Assine para continuar lendo

Aproveite o acesso ilimitado com a sua assinatura

ASSINAR

Já sou assinante

Se quiser acompanhar todas as notícias sem limite, assine o EL PAÍS por 30 dias por 1 US$
Assine agora
Siga-nos em: