música

Viagem musical entre Granada e Brasil

Os músicos espanhóis Niño Josele e Estrella Morente se juntam para realizar um projeto entre o Brasil e a Espanha

Estrella Morente, cantora flamenca.
Estrella Morente, cantora flamenca.Alvaro Garcia

Ele fala dela como se seu nome fosse mais do que um nome; como se fosse mais do que as massas solares; e evoca nele todos os significados reais e etéreos que podem ser dados para essa palavra, estrela. É dessa forma que Niño Josele fala de Estrella Morente, como quem pegou uma fada no ar. Eles se conhecem desde quando o violonista era um garoto: “A primeira vez que acompanhei seu pai eu tinha 17 anos”. Era 1991. “Estrella agora é afinação, doçura, sensibilidade. Enrique já estava convencido de que sua filha seria uma das grandes vozes do flamenco quando eu comecei a tocar com ele, e não se enganou”, conta com certa nostalgia Juan José Heredia (Almería, 1974).

O disco é essa sutil “carta de amor” que Trueba sonhava para a música brasileira

Ela fala dele como se entre seus dedos fluíssem algumas de suas verdades mais profundas; como se seu dedilhado fosse parte de sua própria voz. A ternura beira o infinito: “José é o flamenco em estado puro, e à sua maneira. Tem um jeito que eriça sua pele quando toca o violão. Para mim, foi uma honra poder compartilhar isso. Esse tesouro”. Ela se refere ao disco Amar em Paz, uma deliciosa e delicada ode à música brasileira, realização de Fernando Trueba, esse amante fiel do ritmo atlântico, que há anos andava com essa ideia na cabeça. O disco, que foi apresentado em 28 de outubro, foi o resultado dessa “carta de amor” que o cineasta queria escrever para a música do Brasil através de canções clássicas, históricas, conhecidas e reconhecíveis nos primeiros compassos.

“Lembro de Fernando vindo para casa sempre com algo que havia descoberto debaixo do braço, para que escutássemos. Por muitos anos”. Essa relação estreita e permanente do diretor com a família Morente serviu como ensaio; da mesma forma que com Niño Josele. Trueba é para ambos um alcoviteiro de achados musicais. “Desde que o conheci com o disco Paz em 2006 não parou de me mostrar coisas; e eu, cada vez que vou para sua casa, faço um assalto”, diz o violonista. Depois, foi Trueba quem roubou um pouco do tempo dos dois para criar o disco. “’José, acredito que para esse trabalho deva ser uma maravilha escutar Estrella com seu violão’, me disse Fernando. Respondi dizendo que era muito difícil de fazer, mas ele acreditou que eu era capaz e eu aproveitei a vida fazendo isso”, explica Niño Josele entre sonoras risadas.

“Ficamos muito tempo interiorizando essas canções, pouco a pouco. E é uma sorte imensa trabalhar sob a direção dessa enciclopédia viva que é Fernando. Agora, a única coisa que queremos é compartilhá-lo”, sussurra Estrella Morente. Só é possível compartilhar aquilo que de alguma forma pertença a você, e ela “com todo o respeito a todos que interpretaram essas canções”, as tomou para si. E como se realmente fosse, transborda em cada canção envolta pelos acordes do violonista, que não pensou, somente sentiu: “Cada vez que terminávamos uma fita, Estrella me perguntava ‘o que acha José, gravamos de novo?’, e eu lhe dizia ‘certo, vamos gravar de novo’. Não queríamos que acabasse. O grande mistério é que quando vou fazer algo com outro gênero musical que não o flamenco faço o que o coração me pede, o que sinto. Estaria errado se fizesse de outra forma”.

Manhã de carnaval, O amor em paz, Dindi, Amargura, entre outras 12 que Fernando Trueba escolheu pensando na flamenca. “São canções que eu sentia próximas a ela, a seu estilo, sua voz, seu caráter, ainda que aparentemente pertençam a outra cultura, a um universo musical longínquo, separado”. Mas era só isso: aparência. O disco soa à história do Brasil, os dedos de Josele tocam, e a garganta de Morente reverbera. Algo novo surgido de um selecionadíssimo punhado de clássicos, desde Vinícius de Moraes até Ary Barroso, que agora estão gravados a ferro e fogo neles. Resta agora a apresentação ao vivo, algo que Estrella Morente tem “vontade”; para o que Niño Josele recomenda levar um lenço. Será necessário esperar o ano que vem para escutá-los. Para senti-los. Para a magia.

Arquivado Em: