Seleccione Edição
Entra no EL PAÍS
Login Não está cadastrado? Crie sua conta Assine

A era das feministas pop

De palavra tabu a termo-chave para entender 2014: o feminismo está hoje na boca de toda estrela que se preze, de Beyoncé a Emma Watson

Miley Cirus em um show em Barcelona.
Miley Cirus em um show em Barcelona.

Ele é chamado de feminismo pop e invade todos os cantos da cultura do entretenimento. Aconteceu na Califórnia, no fim de agosto, quando Beyoncé subiu ao palco dos MTV Video Music Awards e um painel luminoso cuspiu uma palavra em letras gigantes: “FEMINIST”. A cantor entoava Flawless, na qual sampleia um discurso da escritora nigeriana Chimamanda Adichie. Diz assim: “Dizemos às garotas: podem ter ambição, mas não muita. Vocês deveriam aspirar ao êxito, mas não muito. Se não, o homem se sentirá ameaçado. (…) Feminista: a pessoa que acredita na igualdade social, política e econômica entre os sexos”.

A embaixadora da ONU Mulheres, Emma Watson, é o rosto visível da plataforma HeForShe, que conclama os homens a participar da mudança. ampliar foto
A embaixadora da ONU Mulheres, Emma Watson, é o rosto visível da plataforma HeForShe, que conclama os homens a participar da mudança. Getty Images

Voltou a ocorrer em Nova York, apenas um mês mais tarde. Emma Watson subiu num palco distinto: a sede central das Nações Unidas. “Vocês devem estar se perguntando o que faz aqui a garota de Harry Potter”, brincou. Mas Watson sabia muito bem o que fazia ali. A atriz lançou a campanha HeForShe, destinada a promover a igualdade de gênero e acabar com a má fama da palavra feminismo. “Para que fique claro, [feminismo] é, por definição, a crença de que homens e mulheres devem ter os mesmos direitos e oportunidades”, disse.

Ambas fizeram muito barulho, embora nada do que disseram tenha sido especialmente revolucionário. A francesa Olympe de Gouges, autora da Declaração dos Direitos da Mulher, já sustentava em 1791 que “uma mulher nasce livre e permanece igual ao homem em direitos”. Se ambas se viram na necessidade de recorrer ao dicionário, é simplesmente porque, mais de dois séculos depois, isso parece não estar claro para todo mundo. Incluindo a própria Beyoncé, que afirmou em 2013 não estar convencida do uso da palavra “feminista” porque a encontrava “extrema”.

Até muito recentemente, o feminismo continuava sendo um elementodesestabilizador na cultura pop. Como uma mulher pode se definir dessa forma “se não odeia os homens”, segundo Lady Gaga? Como pode aderir a essa tendência anacrônica se não tem nenhum “ressentimento”, segundo Marissa Meyer? Como pode aceitar esse termo quando gosta “da vida familiar”, como disse Carla Bruni em 2012?

Beyoncé se uniu à causa depois de se mostrar moderada durante anos. ampliar foto
Beyoncé se uniu à causa depois de se mostrar moderada durante anos. Getty Images

Algo mudou radicalmente desde então. “Já era hora”, diz a escritora Roxane Gay, autora do influente ensaio Bad Feminist (“A Feminista Má”, em tradução livre). “Suspeito que cada vez que uma celebridade se declarou feminista ao longo deste ano, tenha se surpreendido com a calorosa acolhida que o mundo deu a seu gesto. Isso produziu um efeito de contágio.” A mudança de paradigma é personificada por Taylor Swift, que dois anos atrás havia renegado a palavra, mas terminou abraçando-a em agosto. “Quando eu era adolescente, não entendia que se reconhecer como feminista significava acreditar na igualdade. Eu achava que era dizer (…) que você odeia os homens. Muitas garotas estão tendo um despertar feminista porque compreenderam o significado”, afirmou.

Lagerfeld reivindicativo. O estilista foi acusado de oportunismo por seu desfile em forma de manifestação. “O mercado o dita tudo. E agora decidiu que o feminismo é cool”, disse ao The Guardian. ampliar foto
Lagerfeld reivindicativo. O estilista foi acusado de oportunismo por seu desfile em forma de manifestação. “O mercado o dita tudo. E agora decidiu que o feminismo é cool”, disse ao The Guardian.

Invasão do espírito comercial

Esta nova variante do feminismo se beneficia da caixa de ressonância da internet e das redes sociais, onde o debate está há meia década em efervescência. Menos teórica que nos anos setenta, fomenta sua expansão com novas armas, como camisetas e memes. “Se o feminismo tiver de se converter em marca para provocar a mudança, não me vou opor”, declarou Lena Dunham, criadora da série Girls. “Entendo de onde vem essa atitude, mas espero que não aconteça”, responde-lhe Gay. “As marcas desaparecem. O feminismo, entendido como a necessidade de que as mulheres circulem pelo mundo tão livremente como os homens, não deveria fazer isso. Não é uma ideia que deva ser submetida aos caprichos de um concurso de popularidade.”

Erin Gloria Ryan, uma das responsáveis pelo site Jezebel, centrado em informação sobre mulheres e receptáculo habitual desse debate, põe em dúvida a efetividade dessas mensagens. “Pode ser que o feminismo seja uma tendência, mas o fato de Taylor Swift dizer que é feminista não faz com que as portas das clínicas de aborto continuem abertas no Texas. Que Lena Dunham se desnude em Girls não contribui para reavivar a lei de igualdade de direitos. A exposição dessas ideias na cultura poppode mudar atitudes e pensamentos, mas não devemos confundir falar com agir. É fácil dizer: ‘Sou feminista’. O difícil é apoiar isso com ações.”

Nos anos oitenta, Madonna e Cyndi Lauper já foram acusadas de não ser autênticas feministas. Mas Camille Paglia, autora que é referência no assunto, defendeu Madonna: “Finalmente, uma feminista de verdade”, disse em 1990. ampliar foto
Nos anos oitenta, Madonna e Cyndi Lauper já foram acusadas de não ser autênticas feministas. Mas Camille Paglia, autora que é referência no assunto, defendeu Madonna: “Finalmente, uma feminista de verdade”, disse em 1990. Getty Images

A hiperbólica presença desse feminismo pop começa a atingir a moda. Em setembro, Chanel surpreendeu com seu comentado desfile em forma de manifestação feminista. “A moda sempre se aproveitou do que flutua no espírito do tempo. Nessa passarela há certo cinismo, já que o sexismo reina nesse mundo, assim como nos demais”, opina Christine Bard, autora de Une Histoire Politique du Pantalon (“Uma História Política das Calças”, em tradução livre). “Ao mesmo tempo, pode ser vista como um índice da vitalidade e importância do feminismo, no qual se ampara hoje uma nova geração. Durante sua longa história, o movimento já foi instrumentalizado com finalidade comercial. A meu ver, isso é menos grave do que se a palavra fosse invisível.”

MAIS INFORMAÇÕES