GP DA HUNGRIA

Rosberg faz a pole e Massa vai largar em sexto

Hamilton abandonou o treino classificatório após sofrer um incêndio em seu carro

Hamilton afasta-se de seu carro, incendiado.
Hamilton afasta-se de seu carro, incendiado.Mark Thompson (Getty)

O treino de classificação para o Grande Prêmio da Hungria foi rico em surpresas. Não apenas pelos incidentes que deixaram Hamilton, Maldonado e Raikkonen de fora na primeira etapa, mas também porque quando começou a terceira, a Q3, apareceu a chuva e vários pilotos perderam o controle de seus carros ao final da reta, quando tentavam rodar com pneus para pista seca. A tentativa fracassou: Rosberg saiu da pista, Magnussen destruiu seu carro em uma aquaplanagem e Button disse a seus mecânicos que o asfalto estava intratável. Contudo, quando a situação se acalmou e a chuva desapareceu, as coisas voltaram à normalidade. Ou seja, Nico Rosberg conseguiu fazer o melhor tempo e vai largar em primeiro, acompanhado de seu compatriota Sebastian Vettel na primeira fila, seguidos por Valtteri Bottas e Daniel Ricciardo na segunda. Felipe Massa ficou na sexta posição do grid.

Essa foi a 10ª pole do alemão, que encontrou na Mercedes o carro de seus sonhos. Até agora, tem seis primeiros lugares nas 11 classificação que disputou este ano. E se tornou o único piloto nesta temporada a conquistar três pole positions consecutivas. Com esta na Hungria, Rosberg supera Hamilton em duas poles até o momento na temporada. “Estava difícil o começo da Q3, com água na pista. Mas depois ficou tudo muito mais fácil. O carro funcionou perfeitamente e consegui uma volta muito completa”. Para Vettel, esta é a terceira vez que consegue uma vaga na primeira fila este ano. O alemão também largou em segundo na Malásia e na Grã-Bretanha. Mas sua obsessão agora é superar seu companheiro de equipe, Ricciardo, que desta vez ficou com o quarto lugar nogrid, dividindo a segunda fila com o Williams de Valtteri Bottas, companheiro de Massa. Até agora, o australiano superou Vettel em seis treinos classificatórios.

Fernando Alonso, em Hungaroring.
Fernando Alonso, em Hungaroring.Drew Gibson (Getty Images)

Fernando Alonso, por sua vez, não conseguiu ir além do quinto lugar. “Provavelmente esta não é a nossa posição, porque fomos beneficiados pelos incidentes de Hamilton e Magnussen. Mas tentaremos aproveitá-la”, disse Alonso. “Amanha há 80 por cento de possibilidade de chuva na corrida. Se chover tentaremos aproveitar alguma oportunidade. Se não, largamos em uma boa posição e temos opções de fazer um bom resultado.”

As surpresas começaram cedo no treino de classificação na Hungria. O britânico Lewis Hamilton precisou voltar para o pit antes mesmo de concluir sua segunda volta e, portanto, de marcar seu primeiro tempo. Um problema na bomba de combustível provocou um incêndio espetacular na parte traseira de seu carro. “Estou com medo”, disse o piloto pelo rádio. E responderam para que largasse tudo e saísse do carro. As chamas arrasaram o veículo e deixaram danos difíceis de consertar. O inglês abandonou a classificação e vai largar da 21ª posição, só à frente de Pastor Maldonado, que voltou a ter problemas e teve que abandonar seu carro no acostamento, com problemas mecânicos, em sua primeira volta. “Ainda não sabemos o que pode ter acontecido”, confessou um decepcionado Hamilton. “Estamos estudando. Mas espero poder realizar uma boa largada e ganhar algumas posições”.

A terceira surpresa foi produzida pela Ferrari. A escuderia italiana se considerou garantida com Kimi Raikkonen e, após cinco voltas, acreditou que já havia marcado um tempo bom o bastante para assegurar vaga na segunda etapa da classificação. No entanto, foi um erro crasso. Raikkonen viu Bianchi tomar a 16ª posição e o deixar de fora. Foi mais uma decepção para a escuderia italiana, que não apenas não consegue encontrar uma forma de ter um carro competitivo como também segue cometendo erros em questões de estratégia.

A corrida colocará em questão se Hamilton poderá voltar a ganhar posições como fez na Alemanha, mas não põe em dúvida a superioridade dos carros da Mercedes. Agora as coisas se igualaram um pouco, porque a Red Bull está muito mais próxima da equipe alemã. Mas a Ferrari não melhora. Segue ancorada em posições intermediárias, sem dar nenhuma opção a seu melhor piloto, Alonso, que não consegue nem mesmo chegar ao pódio.