Editoriais
i

Erro de fundo

A recuperação econômica é insustentável com mais cortes salariais e orçamentários

Ainda que o Fundo Monetário Internacional costume emitir bons diagnósticos sobre a situação econômica dos países e acerte ao recomendar uma política monetária mais flexível para a Europa, suas terapias para a Espanha pecam sistematicamente por esquematismo. Isto é particularmente verdade no caso da suas receitas, muitas vezes repetidas, de baixar os salários para, em teoria, permitir uma recuperação maior do emprego. Em seu relatório sobre a situação da economia de cada país, anunciado ontem, os representantes do Fundo sugeriram mais reduções salariais, disfarçadas sob o pretexto de dar maiores facilidades às empresas para que reduzam os gastos no caso de dificuldades econômicas.

A situação da economia espanhola – e o FMI deveria conhecê-la com exatidão para não aplicar esquemas pré-concebidos – não pode suportar mais ajustes orçamentários drásticos nem novos cortes salariais, menos ainda se estas se chocam com as normas de negociação coletiva. Isto por várias razões de peso. A demanda de empregos é função, em primeiro lugar, das vendas reais e potenciais. Os empresários contratam quando têm expectativas de produção, serviço e benefícios; se é aceita a exposição de motivos da reforma trabalhista, seu objetivo é facilitar contratações e demissões e a sobrevivência das empresas, foco de emprego futuro. Mas grande parte do ajuste foi concluída, e os cidadãos têm o direito de acreditar que a fase seguinte será de crescimento moderado primeiro e recuperação depois.

Mas tampouco pode sustentar-se a recuperação sobre a expectativa de salários minguantes em um mercado trabalhista com presença constante de trabalho em meio período. A exportação tem uma capacidade limitada de contribuição para o crescimento; é a demanda interna, através do consumo, que tem de sustentar a recuperação. Uma composição salarial onde se sobressaiam os salários exíguos e voláteis é incompatível com uma recuperação sólida, e inaceitável para uma economia avançada da zona do euro.

Por outro lado, o FMI tem razão em sua proposta genérica de reforma fiscal: mais tributação indireta (IVA, impostos especiais) e menor carga sobre as empresas (ainda que com menos isenções). O IRPF (imposto de renda de pessoa física) pede aos gritos, além de uma redução proporcional do ônus, uma simplificação. Um assalariado deveria efetuar sua declaração em um formulário somente.

Arquivado Em:

Pode te interessar

O mais visto em ...

Top 50