Seleccione Edição
Login

Um teste para Ancelotti

A final em Lisboa é uma prova para o técnico do Real Madrid, que está sendo muito observado pelos dirigentes do clube

Ancelotti, pensativo, durante o treinamento do Real. Ampliar foto
Ancelotti, pensativo, durante o treinamento do Real. REUTERS

As manhãs na região nobre do Bernabéu ficam agitadas quando circulam as últimas alfinetadas de Florentino Pérez. Em 25 de outubro, o presidente, que fala com o autêntico espírito do bairro de Chamberí, comentou a entrevista que Carlo Ancelotti havia dado à rede SER. O treinador admitiu que gostava de morar em Madri, porque desde que trocou a Itália por Londres e Paris estava curtindo conhecer “as culturas das cidades”.

- Mas quem ele pensa que é? Aquele dos guias (turísticos) Pilot?

Os funcionários morriam de rir com a aspereza, que atribuíram a Florentino Pérez. Com bom olho, o presidente havia insistido durante anos para contratar o italiano. Quando ele finalmente foi contratado, se mostrou fiscalizador. Desde o início da temporada no clube, foi se disseminando a ideia de um técnico como um homem de vida mole. Comparado a Mourinho, que cultivou o mito do líder stakhanovista, na imaginação da cúpula do Madrid o recém-chegado representava um simples torcedor de futebol com costumes provincianos que, aos 54 anos, havia construído uma carreira obedecendo a uma gama de magnatas liderados pela família Agnelli, Silvio Berlusconi, Roman Abramovich e os príncipes do Catar. A coisa mais interessante sobre Ancelotti, no imaginário deste grupo, não era tanto o próprio treinador, mas os chefes importantes com os quais havia trabalhado.

O time reconhece a inteligência dele para antecipar problemas, o seu sentido prático e a sua bondade

A imagem de subserviência se desfez com a reviravolta do clássico da Liga no Bernabéu. Depois das derrotas contra o Barça e o Sevilla, vários funcionários próximos à direção o chamaram para sugerir que “pelo bem do clube” fizesse declarações públicas contra os árbitros e denunciasse algo como uma conspiração organizada pelos órgãos federativos, assim como havia feito Mourinho cada vez que queria desviar a atenção. Um dia, contendo a sua raiva, o técnico interrompeu o seu interlocutor e levou a conversa para um nível mais alto, com tom intimidante. “Este é o maior clube do mundo e essas coisas não existem aqui”, ouviram ele dizer. “Sou a única pessoa que ganhou duas Copas da Europa como jogador e duas como técnico. Não preciso passar por situações ridículas para que me respeitem”.

Cristiano Ronaldo, durante o último treinamento. ampliar foto
Cristiano Ronaldo, durante o último treinamento. REUTERS

Muitos concluíram, então, que Ancelotti era receptivo, mas não estúpido. Duvidaram do seu compromisso, apesar de que tentou cumprir as prioridades estabelecidas por Florentino Pérez quando foi contratado em Paris há um ano. O treinador fez o possível para integrar Bale, Illarra e Isco no time. Ele tentou dar à equipe uma marca dominante. Mas o Madrid não chegou a jogar o futebol de salão que o seu presidente queria.

Isso justificou o início das discrepâncias. A direção diz que a culpa é do técnico, que teve “o melhor time da história do clube”. Ancelotti, que decidiu não contratá-los, argumenta que a equipe foi concebida para jogar com três pontas (Bale, Benzema e Cristiano) que só brilham com grandes espaços. Para proporcionar espaços no campo adversário é preciso recuar a equipe e defender. Então, surge o problema: faltam meio-campistas puros, e a solução do recuo pode se tornar uma armadilha devido à escassez de roubo e de saída. Para evitar foi preciso modificar a natureza ofensiva, ou distraída, de pessoas como Isco, Modric, Di Maria e Illarra.

Se no Bernabéu existem suspeitas sobre a sua competência, em Valdebebas o respeito ao técnico é geral. Os funcionários e os jogadores que observam o seu trabalho no campo reconhecem a inteligência para antecipar problemas, o sentido prático e a bondade. Ancelotti admite estar satisfeito. Acredita ter alcançado a versão mais competitiva possível com os jogadores à sua disposição. Isto é evidente. Nenhum jogador apresentou rendimento abaixo do seu nível. Sob o comando do italiano, Jesé se destacou, o melhor jogador formado nas escolas do clube em mais de uma década. Outros, como Pepe, Ramos, Coentrão, Di María, Benzema e Modric, completaram o melhor ano desde que estão na equipe. Bale, que fez uma transição do futebol britânico, sempre tão complicada, se adaptou bem.

“Carlo”, concluiu Casillas, nesta semana, “nos proporcionou mais companheirismo, mais grupo, e pediu mais responsabilidade aos jogadores que não estavam tendo”. As pessoas que convivem com Ancelotti garantem que seus testes sempre deram certo e que jamais se esquivou das decisões difíceis, algumas impostas pelo clube. Ele transmite uma sensação de desamparo. Ficaria feliz em continuar trabalhando para um clube que o fascina desde criançaa. Mas desconfia que, ou ganha “La Décima”, ou seus dias estão contados no Madrid.

MAIS INFORMAÇÕES