Telefónica faz oferta pelo controle do Canal+

A operadora oferece 725 milhões de euros por 56% da DTS, a plataforma de TV por assinatura O conselho de administração do Grupo PRISA estudará a proposta, que não foi a única apresentada

A Telefónica anunciou na terça-feira à noite, no fechamento do mercado, que apresentou uma oferta para a aquisição de 56% do capital social da Distribuidora de Televisão Digital, controlada pelo Grupo PRISA (editora do EL PAÍS), por 725 milhões de euros (2,25 bilhões de reais), segundo comunicado enviado à Comissão Nacional do Mercado de Valores (CNMV). O conselho de administração da PRISA vai se reunir para estudar a oferta assim como outras, já que a proposta da Telefónica não foi a única apresentada.

A operadora presidida por César Alierta já possui 22% da DTS, a plataforma de TV paga do Canal+. O executivo-chefe da Telefónica, José María Álvarez-Pallete, reconheceu na última apresentação de resultados em fevereiro passado que a compra do Canal+ estava entre as opções avaliadas pelo grupo para reforçar sua oferta de TV por assinatura, Fusión TV, num momento em que os pacotes combinados dominam o mundo das telecomunicações.

A Telefónica mencionou em seu comunicado à CNMV que “a oferta está sujeita à obtenção das autorizações regulatórias pertinentes e ao cumprimento das condições comuns neste tipo de transação”.

Já um porta-voz do Grupo PRISA informou que a oferta da Telefónica não foi a única recebida e que o presidente da companhia, Juan Luis Cebrián, convocará, em regime de urgência, o conselho de administração para estudar a oferta, como também outras, para tomar as decisões devidas. O mesmo porta-voz confirmou a intenção já anunciada de que a companhia quer se desfazer do Canal+ com caráter de urgência.

Caso o acordo seja fechado, que implicaria avaliar os 100% do capital da DTS em 1,295 bilhão de euros (cerca de 4 bilhões de reais), a Telefónica teria uma participação de 78%, enquanto a Mediaset España ficaria com os 22% restantes.

No final de fevereiro, o Grupo PRISA deu à Telefónica e à Mediaset um prazo de 15 dias para comprar a DTS mediante o exercício de uma opção de compra, quando a família Polanco, por meio de sua sociedade Rucandio, reduziu sua participação no grupo de comunicação para menos de 30% Depois desse prazo, nenhuma das duas companhias exerceu seu direito preferencial para a compra da participação acionária da PRISA na plataforma.

A Telefónica já anunciou que a TV por assinatura, por meio da Fusión TV, será uma parte estratégica de sua oferta comercial, integrada em pacotes convergentes junto à telefonia fixa, móvel e Internet. Para isso, a operadora voltou a comprar direitos de eventos esportivos como a Fórmula 1 e o campeonato mundial de motociclismo, e pretende ampliar sua oferta de conteúdo por meio de aquisições. O número de assinantes do serviço de TV paga da Telefónica chega a 700.000.

O principal concorrente da Telefónica na Espanha no negócio das telecomunicações, a Vodafone, ganhou força recentemente com a compra da operadora a cabo Ono, em uma transação avaliada em cerca de 7,2 bilhões de euros (22,3 bilhões de reais), incluindo dívida, mas que ainda não foi concluída.

No ano, o Grupo PRISA vendeu 15 milhões de ações da Mediaset España por 121 milhões de euros (375 milhões de reais) e fechou um acordo, ainda pendente, para transferir suas operações editoriais de interesse geral ao Grupo Random House por 72 milhões de euros (223 milhões de reais).