Editoriais
i

Respostas urgentes

A baixa inflação que ameaça a recuperação europeia confronta o FMI com Bruxelas e o BCE

A economia mundial passa por uma fase de transição marcada por dois fatores decisivos: a lenta saída da recessão na zona monetária europeia e o novo equilíbrio entre Estados Unidos, que volta a taxas de crescimento compatíveis com a criação de emprego, e os países emergentes que, como a China, vão reduzir o seu ritmo de expansão. A reunião do Fundo Monetário Internacional (FMI), na primavera, tomou conhecimento desses ajustes de tendência - a reativação dos Estados Unidos, sem dúvida, vai melhorar as expectativas internacionais de exportação -, no quadro geral de um crescimento econômico, no entanto, ainda fraco, e incapaz de aprovar a reforma interna da organização, que propõe aumentar e distribuir os recursos e as ações de decisão. A sombra dos republicanos bloqueia a reforma no Congresso.

Mas a principal ressalva que surgiu dessa reunião é a ameaça de deflação que, no entanto, ainda não se concretizou. O Fundo tem razão quando sugere que as baixas taxas de inflação vão retardar a recuperação. As análises mais otimistas - por exemplo, do ministro da Economia da Espanha - que enfatizam os efeitos positivos da inflação baixa (aumento de competitividade, queda em baixos rendimentos) são complacentes, pois, com os níveis de aumento de preços constantemente entre 0% e 1%, as consequências negativas (estagnação da demanda, dificuldade para reduzir o endividamento) superam em muito os benefícios. A chave para um país como a Espanha (e para a Europa) é manter as taxas moderadas de inflação para minimizar o impacto da dívida.

É sobre isso que, de maneiras mais ou menos sutis, o FMI e o Banco Central Europeu discordam substancialmente no diagnóstico e na forma de tratar o problema da deflação. A equipe de Lagarde afirmou claramente que o BCE deve agir rapidamente com medidas monetárias não convencionais (por exemplo, tornando negativos os depósitos no BCE), porque existe uma possibilidade grande de que a recuperação da Europa simplesmente se mantenha em níveis baixos demais para criar empregos. O BCE prefere esperar os números dos preços de abril. Parece uma questão de nuance, mas não é. Se o BCE confirmar um aumento lento da inflação na área do euro durante o restante do ano, digamos que em torno de 1%, aceitará que as taxas nesse nível comprometem a recuperação da zona do euro, particularmente nos países periféricos, e ativará a flexibilidade monetária? Provavelmente, não. A Alemanha promete. Nessa hipótese, haverá um impacto nocivo sobre o emprego nos países periféricos.

O aviso do FMI deve ser levado em conta, mas o a parede do fundo é política. A zona do euro não é um país, com um Governo e um Tesouro único e uma dívida mutualizada, capaz de atuar segundo a sua própria experiência em situações de depressão ou deflação. É uma espécie de confederação que atua consultando a Alemanha. E, além disso, tem eleição em maio.