Seleccione Edição
Login
COLUNA

A finlandização da Ucrânia

Ações políticas num mundo globalizado exigem um pouco mais de sangue-frio. Sobretudo, atenção à 'realpolitik'

“O Putin tem cara de Guerra Fria” escreveu nesta sexta o humorista José Simão, na “Folha de S. Paulo”. A frase lembra a genial tirada de Woody Allen: “toda vez que ouço Wagner tenho vontade de invadir a Polônia”. Há fisionomistas que discordam do diagnóstico: Putin teria mais semelhança com os sanguinários boiardos mostrados por Eisenstein em “Ivan, o Terrível”.

Quaisquer que sejam os paradigmas psico-faciais do czar russo a verdade é que a imprensa ocidental não está ajudando a baixar as tensões numa zona de atrito historicamente classificada como barril de pólvora. A Ucrânia foi campo de batalha entre os impérios austro-húngaro e russo na 1ª Guerra (1914-1918); durante os confrontos que se seguiram à revolução comunista em 1917 nas suas estepes enfrentaram-se os exércitos vermelho e branco. E quando Hitler invadiu o território russo em 1941, foi nesta mesma Ucrânia que a colaboração dos fascistas locais com os nazistas alemães foi mais intensa.

O passado encharcado de sangue resultou numa nação algo ambidestra e esquizofrênica. Mas também multiétnica, multicultural e multilíngue. Não muito diferente da Alsácia entre a França e Alemanha, nos séculos 19 e 20. Um ponto de discórdia pode ser convertido em ponto de convergência, basta que as leis da dinâmica se sobreponham às do determinismo.

É compreensiva, legítima, a fascinação dos rebeldes ucranianos pela União Europeia. Mas não poderia ser exacerbada a ponto de converter o país numa trincheira anti-russa. Era esta a essência do acordo assumido entre negociadores europeus, rebeldes e o governo Yanukovich. Um cronograma foi estabelecido para antecipar eleições e distensionar o ambiente. Durou apenas 48 horas: um golpe legislativo levou tudo para a estaca zero e ainda radicalizou a exaltação nacionalista levando alguns grupos a desafiar o domínio militar russo no Território Autônomo da Crimeia. Provocação pueril: equivaleria a validar uma tentativa cubana de desalojar os americanos de Guantânamo.

Ações políticas num mundo interdependente, globalizado, exigem um pouco mais de sangue-frio, prudência. Sobretudo, atenção à realpolitik. Isto é: aos interesses contrariados. Não confundir com apaziguamento ou capitulação. Trazer de volta a postura covarde do premiê Chamberlain curvando-se em 1938 ao diktat de Hitler é recurso falacioso.

Vladimir Putin -- qualquer que seja a nossa reação diante da sua imagem e currículo -- já está suficientemente ameaçado na Síria. Encurralá-lo ainda mais na mesma região – o espaço mediterrâneo – é insensato. Não se pisa no mesmo calo da acompanhante na dança. Arrisca- se a receber uma canelada instintiva.

Henry Kissinger, em artigo reproduzido nesta mesma sexta, no “Estadão” adverte para o perigo da demonização de Putin e lembra, de passagem, a Finlândia como exemplo bem sucedido de racionalidade. Evitou o substantivo finlandização inventado pelos alemães no pós-guerra com conotações pejorativas para os nacionalistas finlandeses e os exaltados de todos os quadrantes. Não lembrou que Harry Truman poderia ter evitado a Guerra da Coreia em 1950 se a península fosse finlandizada. Acabará sendo, para a felicidade das suas partes.

Para a maioria dos brasileiros -- exceto jogadores de futebol -- a Ucrânia é longe, a Finlândia mais ainda. Mas a finlandização (como a trégua) pode esvaziar conflitos e preparar entendimentos.