_
_
_
_

EUA revisam para baixo o crescimento do quarto trimestre

A expansão do período diminuiu para 2,4%, 0,8 ponto percentual abaixo do previsto. O crescimento do ano ficou em 1,9%, diante dos 2,8% de 2012

Tu suscripción se está usando en otro dispositivo

¿Quieres añadir otro usuario a tu suscripción?

Si continúas leyendo en este dispositivo, no se podrá leer en el otro.

¿Por qué estás viendo esto?

Flecha

Tu suscripción se está usando en otro dispositivo y solo puedes acceder a EL PAÍS desde un dispositivo a la vez.

Si quieres compartir tu cuenta, cambia tu suscripción a la modalidad Premium, así podrás añadir otro usuario. Cada uno accederá con su propia cuenta de email, lo que os permitirá personalizar vuestra experiencia en EL PAÍS.

En el caso de no saber quién está usando tu cuenta, te recomendamos cambiar tu contraseña aquí.

Si decides continuar compartiendo tu cuenta, este mensaje se mostrará en tu dispositivo y en el de la otra persona que está usando tu cuenta de forma indefinida, afectando a tu experiencia de lectura. Puedes consultar aquí los términos y condiciones de la suscripción digital.

O Fed está ansioso para reduzir os estímulos. Mas precisa de dados para executar e justificar sua estratégia. A informação do crescimento do quarto trimestre está ficando já um pouco velha, mas pode ser uma orientação. A economia dos Estados Unidos cresceu no final do ano a uma taxa anualizada de 2,4%, o que supõe uma revisão para baixo, de 0,8 ponto percentual em frente ao que foi antecipado há um mês. Para o conjunto de 2013 fica em 1,9%, com o que se modera em frente ao 2,8% em 2012.

A expansão entre outubro e dezembro fica assim longe do robusto 4,1% do terceiro trimestre e se coloca no patamar de 2,5% no segundo. O dado, que não inclui todo o efeito no consumo que as nevascas ocorridas no início de 2014 causaram, a moradia a produção industrial, deve ser revisado uma vez mais para que seja definitivo. Por enquanto, confirma-se que os EUA cresceram no ano passado abaixo do potencial e que a recuperação avança com lentidão.

O indicador do quarto trimestre revela também que o impacto na economia da cessação administrativa nas primeiras semanas de outubro pôde ser maior do que o esperado. Do lado do consumo, houve um crescimento de 2,6%, ou seja 0,7 ponto percentual abaixo do previsto. Em todo o caso, está acima da média do período posterior à crise, que se fixou em 2,2%. O medo é que o mau tempo possa ter afetado mais em janeiro e fevereiro.

Do lado das empresas, o investimento em equipamento cresceu 10,6% no quarto trimestre, em relação a só 0,2% no terceiro. Enquanto o setor imobiliário começou a desacelerar, com uma queda de 8,7% nas novas construções, mas que contrasta com um incremento de 10,3% três meses antes. Na balança comercial, as exportações cresceram 9,4% e as importações 3,9%. A despesa pública caiu um 12,8% diante do 1,5% do terceiro semestre.

Janet Yellen, presidenta do Fed, disse ontem no Senado que a economia acelerou no segundo semestre de 2013 e espera que o crescimento seja moderado neste ano e no próximo. Mas a revisão para baixo do indicador antecipa um arranque de 2014 complicado. Sua ideia é manter a retirada com o objetivo de desmantelar o programa de compra de dívida para o segundo semestre deste ano. Reiterou que só uma “mudança significativa” na projeção modificará o plano.

O Fed está comprando bônus em um ritmo de 65 bilhões de dólares ao mês, depois de duas liquidações consecutivas de 10 bilhões. A próxima reunião do banco central está prevista para o final de março, a primeira presidida por Yellen. Alguns analistas falam da possibilidade de uma pausa. O Fed deve determinar se a debilidade dos dados se deve a algo mais que o efeito das fortes nevascas, algo que disse é "difícil de discernir".

Arquivado Em

Recomendaciones EL PAÍS
Recomendaciones EL PAÍS
_
_