As digitais brasileiras da maior rede social

O Facebook, que teve como sócio fundador o brasileiro Eduardo Saverin, faz parte da vida de 80 milhões de pessoas no país

O cofundador do Facebook Eduardo Saverin.
O cofundador do Facebook Eduardo Saverin.

Se um sexto da população global se encontra no Facebook, ou 16% do planeta, no Brasil a proporção é duas vezes e meia maior. Mais de 80 milhões de pessoas têm um perfil no Facebook, ou 40% dos habitantes do maior país da América do Sul. A comunicação fácil e uma espécie de competição por amigos virtuais fez da rede virtual, fundada por Mark Zuckerberg, se tornar uma febre permanente, e com um papel fundamental em momentos marcantes do país.

O Facebook teve um papel decisivo, por exemplo, nas manifestações de junho, como fonte alternativa de informações aos meios tradicionais. De celular na mão, os brasileiros reproduziam vídeos e imagens das ruas, convocando amigos a aumentar o coro dos protestos. As campanhas eleitorais também não foram mais as mesmas depois da chegada da rede social à vida dos jovens. São incontáveis os casos de políticos desmascarados por internautas que conhecem detalhes da vida real dessas pessoas públicas, desmentindo seus discursos oficiais.

O mesmo vale para o relacionamento com as empresas no Brasil. O Facebook se tornou o melhor meio de reclamação dos consumidores, muito mais eficiente que os órgãos de defesa de consumo, ou que os Serviços de Atendimento ao Cliente das companhias. Basta escrever “Eu odeio a empresa X…” ou deixar um post público na página da empresa alvo, e os problemas se solucionam como num passe de mágica.

O mesmo vale para o WhattsApp, num país onde há mais celulares que pessoas, o aplicativo de comunicação está presente em mais de 70% dos 70 milhões smartphones. Por que isso acontece? O custo exagerado das chamadas de telefonia poderia explicar. Mas, tanto o Facebook quanto o WhatsApp se beneficiam do fato de os brasileiros serem o que a indústria de tecnologia chama de “early adopters” de todos os tipos de gadgets ou aplicativos.

O Orkut, por exemplo, rede social que o Google desenvolveu, tinha mais usuários brasileiros do que qualquer outra nacionalidade. A possibilidade de encurtar distâncias, e a chance de oferecer uma janela de diversão e lazer num país carente de cultura pode ser uma das explicações.

O Facebook, por sinal, tem uma digital brasileira, uma vez que um dos cofundadores da rede é Eduardo Saverin, ex-colega de Zuckerberg em Harvard. Sua passagem pelo grupo foi retratada no filme "A Rede Social", e muitas especulações surgiram sobre sua saída – o CEO atual teria colocado o antigo parceiro para escanteio. Naturalizado americano desde os 13 anos, Saverin deixou os Estados Unidos sob a polêmica de ter renunciado à cidadania dos Estados Unidos para, evitar de pagar impostos à Receita Federal Americana. Instalado hoje em Cingapura, é um investidor em startups, e ganha com cada passo de Zuckerberg. Depois de uma briga na Justiça, reconquistou 5% das ações da rede.

Debido a las excepcionales circunstancias, EL PAÍS está ofreciendo gratuitamente todos sus contenidos digitales. La información relativa al coronavirus seguirá en abierto mientras persista la gravedad de la crisis.

Decenas de periodistas trabajan sin descanso para llevarte la cobertura más rigurosa y cumplir con su misión de servicio público. Si quieres apoyar nuestro periodismo puedes hacerlo aquí por 1 euro el primer mes (a partir de junio 10 euros). Suscríbete a los hechos.

Suscríbete