Seleccione Edição
Login

O anseio por um mundo melhor

O soberbo documentário 'Another World' mostra as luzes e sombras do movimento Occupy Wall Street que, em 2011, eclodiu no EUA

O movimento 'Occupy Wall Street' em Nova York. Ampliar foto
O movimento 'Occupy Wall Street' em Nova York. Cordon Press

Fisher Stevens sorri e explica: “Obama parecia diferente. Era de fora do sistema, tinha estado envolvido com trabalhos sociais, era afro-americano e vinha depois da era Bush. Mas no fim das contas nos decepcionou. Mas ainda do que outros porque as esperanças postas nele eram tão grandes...”. O ator (seu último trabalho foi no The Grand Budapest Hotel), produtor (tem um Oscar como melhor documentário com The Cove, que mostrava a matança de golfinhos no Japão) e diretor – além de namorado de Michele Pfeiffer por um tempo, o que marca um currículo – é coprodutor de Another World, o primeiro grande documentário sobre Occupy Wall Street, o movimento que imitando ou inspirado pelos indignados espanhóis do 15-M tomou as ruas do sul de Manhattan no outono de 2011. Another World se apresenta – ainda está por finalizar – na sessão Panorama da Berlinale e provocou muito barulho pelos fatos apresentados e por sua qualidade. Seus autores precisaram de um ano e meio para montar os milhares de horas filmados e ordenar o material.

“No terceiro dia pensei que estava acontecendo uma coisa muito especial e chamei a Rebecca (Chaiklin, a codiretora que está sentada ao seu lado), e lhe disse que eu estava saindo para filmar e que ela tratasse de procurar o dinheiro, coisa que fez muito rapidamente. Nesse mesmo dia cruzei com Scott Cramer, que estava filmando desde o primeiro momento e o contratamos”.

Occupy Wall Street transferiu seu acampamento da mítica rua onde está instalada a Bolsa de Valores para o parque Zuccotti, no sul, até que a polícia os expulsou de lá no dia 15 de novembro. Através de seis ativistas -- que logo se destacaram entre a multidão que se manifestava – Another World mostra os anseios, os sofrimentos, os enfrentamentos, os fracassos e o presente de um movimento muito semelhante ao espanhol: “Sim, o conhecemos bem. E muitos ativistas de Occupy Wall Street também porque seguiram os seus passos na forma de criar comitês e de organizar o acampamento. Como estão as coisas no teu país?” Não melhoraram. “Sei. Nos EUA, os dados macroeconômicos melhoraram, mas cada vez há mais pobres. Embora eu ache que o pior ainda é essa sensação de impotência para mudar a política depois da desilusão de Obama, depois do fracasso de impulsionar a democracia direta. Sei que vocês estão sob o peso de um desemprego enorme. É terrível”.

Chaiklin e Stevens logo descobriram que para dar ordem e sentimentos aos acontecimentos deveriam procurar seus próprios protagonistas. “É verdade que para contar uma história você precisa do lado humano e acaba caindo no erro dos meios de comunicação. Embora nós tenhamos enfatizado a beleza de que em Occupy Wall Street não houvesse líderes, isso às vezes eternizava as assembleias”. Aquilo acabou, mas alguns ativistas iniciaram pequenos movimentos, de busca de casas vazias para gente sem lar ou de ajuda depois de catástrofes naturais. Cada geração tem sua própria revolução? “Não sei si tanto”, diz Chaiklin, “mas é verdade que a história é cíclica. O incrível é que Occupy Wall Street nasceu no momento em que havia menos associações nos EUA. Foi uma reação contra o poder financeiro e contra Obama, que não soube mandar para a prisão os culpados nem ordenar esse sistema”. Existe espaço para o otimismo? “Enquanto os políticos dependerem do dinheiro das grandes corporações para se elegerem, sendo, portanto, escravos dos lobbies, não, jamais”.