ABERTO DA AUSTRÁLIA

Nadal persegue o mito de Sampras

O número um abruma a Federer, cita-se com Wawrinka no final deste domingo e será o primeiro que ganha duas vezes todos os grandes se iguala os 14 do norte-americano

Nadal celebra sua vitória contra Federer.
Nadal celebra sua vitória contra Federer.Eugene Hoshiko (AP)

Rafael Nadal está a só uma partida de completar a sua perseguição do lendário Pete Sampras. O espanhol derrotou 7-6, 6-3 e 6-3 a Roger Federer em seu cruzamento de semifinais do Aberto da Austrália e se encontrará na final com Stan The Man Wawrinka, que não ganhou nem um set dele em 12 partidos: 26-0. Nadal, que ameaça transformar em um monólogo o que em seu dia foi a rivalidade maior da história do tênis (tem 23-10 sobre Federer, não perde nos grand slam desde 2007 e ganhou os últimos cinco jogos), tem como objetivo terminar em Melbourne uma metamorfose impensável. Ele, que começou sua carreira como o rei do saibro, pode ser convertido no primeiro tenista na Era Open (desde 1968) que ganha ao menos duas vezes todos os torneios do Grand Slam. Isso implica dominar o saibro, domar o cimento e compreender os mistérios da grama. É um tenista como um camaleão. E isso retrata sua ambição: o Nadal que pisou pela primeira vez na Austrália há uma década só se parece ao de ontem quando se move sobre o cimento com a agilidade de um caçador em busca de sua presa preferida.

Se vence, o espanhol iniciará aos 27 anos um ‘sprint’ pelos 17 títulos do gênio suíço

“A primeira vez que vi Nadal soube que seria genial em todas as superfícies porque é um atleta incrível”, explicou em Melbourne Pistol Sampras, convidado pela organização a assistir às semifinais e à final. “Borg [o sueco com o que sempre se comparou a Nadal] não o era”, sublinhou. “Os grandes jogadores se adaptam às superfícies diferentes. Rafa tem uma mobilidade impressionante. Acho que por isso compreendeu como jogar em todas as superfícies”, acrescentou o ex-número um sobre os pés ligeiros que precisa o espanhol para se cobrir tantas vezes como pode o revés para atingir com seu drive. “Quando um olha a história deste jogo, vê que a cada década tem seu jogador. Rod [Laver] era obviamente o melhor em seu tempo. Eu tive meus momentos na década de 90. Rafa e Roger estão tendo os seus agora. Há que apreciar sua rivalidade, porque não vai durar para sempre. Há que se sentar e lhes assistir jogar. São dois dos melhores jogadores de todos os tempos jogando na mesma década”, concluiu.

“É tão rápido!”, se maravilhou Stefan Edberg, ganhador de seis grandes e treinador de Federer. “É muito duro nos cantos, um dos mais duros que vi”, explicou sobre os golpes com que o espanhol pulverizou as tentativas de sua pupilo de vencer. Em Melbourne, Federer quis ser um cometa a caminho da rede. Nadal foi como a lei da gravidade. Inevitavelmente, pôs os pés no chão. Isso obrigou o suíço a jogar onde não queria, na linha de fundo, onde sofreu entre lamentações o roteiro mil vezes repetido. A vitória diante de Federer abriu o horizonte para assaltar os 14 títulos de Sampras, que só melhoram os 17 de Federer.

“Não é momento de falar de isso”, disse o espanhol, que se converteria no tenista mais jovem em chegar aos 14 se vencer em Melbourne (27 anos e 237 dias). “Sampras foi um dos melhores da história, mas não posso pensar nisso agora”, acrescentou. “Tenho um rival de uma categoria máxima, que está jogando melhor que nunca, que vem de vitória a dois rivais do máximo nível [Djokovic em quartos e Berdych em semifinais]. Vou tentar estar cem por cento preparado para brigar por esses 14, mas fica caminho adiante”, prosseguiu. “Wawrinka se apoia em um serviço fantástico. Seu jogo de fundo é muito consistente cada vez mais. Exige o máximo”.

Nadal já pisa em territórios históricos. Ele, que perdeu a final de 2012 (5h 53m, o recorde, contra Djokovic) e não foi à final em 2013 por uma lesão no joelho, pode voltar a levantar a Copa na mesma pista na que deixou chorando a Roger Federer (2009; “está me matando”, disse o suíço após a derrota). O número um está ante uma partida dos que marcam uma carreira. Se o vence, não só igualará a Sampras. Aos 27 anos, abrirá oficialmente um sprint contra o mito de Federer (17 grand slam). A meta é a lenda: ser o tenista com mais torneios do Grand Slam da história.

Fonte: ATP.
Fonte: ATP.

Arquivado Em: