O Banco de Espanha confirma que a recuperação ganhou força no final de 2013

O supervisor calcula que o PIB caiu 1,2% durante o ano, como já avançou o Ministério de Economia Atribui o balanço anual ao "efeito arraste" derivado do profundo retrocesso de 2012

Fachada do Banco de Espanha.
Fachada do Banco de Espanha.

O Banco de Espanha calcula que a economia espanhola cresceu 0,3% no quarto trimestre de 2013, coincidindo assim com a cifra que adiantou uns dias atrás o ministro de Economia, Luis de Guindos. Em todo o ano, o balanço do PIB registra uma queda de 1,2%, 0,01 ponto porcentual inferior ao previsto, assim como havia sido antecipado pela pasta da Economia na última semana. O Banco de Espanha vincula esta taxa "em grande parte" à contaminação derivada do profundo retrocesso da atividade no final de 2012.

O dado do PIB do quarto trimestre, que supera em 0,02 ponto porcentual o avanço do trimestre anterior, quando a Espanha deixou para trás a recessão mais longa da democracia, terá que ser confirmado no próximo dia 30 pelo Instituto Nacional de Estatística (INE). Sobre o quarto trimestre de 2012, o supervisor afirma que a taxa de crescimento foi nula.

No último Boletim Econômico, correspondente a janeiro, a autoridade monetária destaca que ao longo de 2013 a economia espanhola seguiu uma trajetória de "melhoria gradual", que lhe permitiu sair da fase de contração na que se encontrava no começos de 2011. Isso aconteceu, acrescenta, em meio ao alívio das tensões financeiras e de melhoria do mercado de trabalho.