Seedorf, o novo técnico do Milan

Berlusconi aposta em Clarence Seedorf, que até ontem era jogador do Botafogo, para recuperar o esplendor milanista

Seedorf e Allegri, no ano passado, no estádio White Hart Lane.
Seedorf e Allegri, no ano passado, no estádio White Hart Lane.KERIM OKTEN (EFE)

Silvio Berlusconi conseguiu o que queria. Sua aposta era Clarence Seedorf, que até ontem era jogador do Botafogo, de 37 anos, e se converteu no novo treinador do Milan com um contrato assinado até junho de 2016. "Sou o novo treinador do Milan. Deixo de jogar após 22 anos. Eu não estava tenho mais a fome de antes", declarou para se despedir do clube brasileiro. Seedorf volta à sociedade na qual jogou por 10 temporadas, entre 2002 e 2012, e conquistou 10 títulos, entre eles dois Champions League (2003 e 2007). Sem experiência como treinador, o título apareceu na internet há alguns meses. Mas como jogador, foi chamado 79 vezes pela Seleção Holandesa e ganhou todos os jogos e também dois Campeonatos Europeus por outros dois clubes, em 1995 pelo Ajax e em 1998 pelo Real Madrid. 

Seedorf, em sua despedida do Botafogo.
Seedorf, em sua despedida do Botafogo.RICARDO MORAES (REUTERS)

Seedorf substitui Massimiliano Allegri, destituído na última segunda-feira após a queda no dia anterior diante do Sassuolo na Liga italiana (4 a 3, com quatro gols de jovem Berardi). O Milan, que enfrentará o Atlético nas oitavas de final da Champions (19 de fevereiro e 12 de março), é o décimo primeiro na Série A, a 30 pontos do líder Juventus e a 20 dos postos da Champions. Seedorf poderá desfrutar de dois reforços do mercado invernal: Rami, centroavante francês cedido pelo Valencia; e Honda, meia-atacante japonês que assinou contrato com o CSKA de Moscou. 

Em plena briga entre Adriano Galliani, o faz-tudo do clube há 27 anos, e Barbara Berlusconi, a filha do dono, o próprio Silvio decidiu provar outra vez seu olfato para descobrir treinadores. Ele sempre atribuiu a si o acerto de ter apostado em Fabio Capello como substituto de Arrigo Sacchi; e também por Carlo Ancelotti, com quem ganhou as duas Champions Leagues nas quais Seedorf foi um dos jogadores mais destacados.

No entanto, a Seedorf não é esperado um tapete vermelho em seu regresso ao estádio San Siro. Não deixou muitos amigos no vestiário e a torcida também não mostrou muito entusiasmo pela volta de um de seus jogadores mais carismáticos.

Arquivado Em

Recomendaciones EL PAÍS
Recomendaciones EL PAÍS
Logo elpais

Você não pode ler mais textos gratuitos este mês.

Assine para continuar lendo

Aproveite o acesso ilimitado com a sua assinatura

ASSINAR

Já sou assinante

Se quiser acompanhar todas as notícias sem limite, assine o EL PAÍS por 30 dias por 1 US$
Assine agora
Siga-nos em: