FÓRMULA 1 | GRANDE PREMIO DO BRASIL

Vettel acaba o ano ao estilo Schumacher

O alemão consegue sua nona vitória consecutiva, a 13ª do torneio, e iguala o recorde de seu compatriota Alonso, terceiro, consegue seu primeiro pódio em seis corridas

Vettel lidera a prova em Interlagos.
Vettel lidera a prova em Interlagos.Mark Thompson (Getty Images)

Uma temporada que teoricamente seria mais disputada no Mundial de Fórmula 1 termina passando à história como um passeio militar de Sebastian Vettel e de sua equipe, após uma exibição de poderio que teve seu primeiro ato em Spa (Bélgica), justo após as férias de verão, e que se prolongou durante três meses inteiros. Até então, o piloto alemão tinha vencido em quatro ocasiões, que não está nada mal – era o que mais acumulava vitórias –, mas é que a partir desse momento não deixou de ganhar.

Nove vitórias consecutivas, um novo recorde que marcará os livros de história e que se une a todas as que já enchem o currículo do garoto de Heppenheim, e a 13ª deste 2013, uma cifra que iguala o recorde que Michael Schumacher, seu ídolo, estabeleceu em 2004, no ano em que ganhou a última das sete coroas que possui. Por trás do tetracampeão chegou Mark Webber, seu colega em Red Bull, que deste modo conseguiu sua quarta dobradinha. Uma boa forma de se despedir deste australiano de Queanbeyan, que a partir de agora competirá com Porsche em Le Mans. O terceiro foi Fernando Alonso, primeiro pódio do espanhol nos seis últimos grandes prêmios. A combinação de resultados impossibilitou que Ferrari atingisse a Mercedes na classificação dos construtores, de modo que a escuderia italiana termina na terceira posição.

O alemão conseguiu nove vitórias consecutivas, um novo recorde que refletirá os livros de história

O circuito de Interlagos sempre oferece espetáculo, e se chove, a voltagem aumenta um pouco mais. A prova começou com o asfalto seco e terminou molhado, embora não o suficiente para obrigar as equipes a colocarem pneus de chuva. À margem da expectativa permanente gerada pelos radares meteorológicos, a corrida se deparou com um ou outro sobressalto. Como o momento de crise que se viveu muito próximo do box da Red Bull quando Vettel entrou para realizar sua segunda parada (na volta 48), pegou seus mecânicos a despreparados e ali, parado, perdeu mais de dez segundos de vantagem para Webber, que teve que esperar sua vez para trocar de pneus. Ou quando Lewis Hamilon e Valtteri Botas se tocaram no fim da reta e estourou uma roda traseira de cada um, com a consequente punição para o britânico, a mesma sanção que levou Felipe Massa em sua última corrida com a Ferrari, por tocar na zebra de acesso aos boxes. Outro domingo que refletiu a tremenda superioridade de Vettel, que nem sequer perdendo tempo ficou sem a vitória.

Arquivado Em: