Seleccione Edição
Entra no EL PAÍS
Login Não está cadastrado? Crie sua conta Assine

Piscina improvisada na varanda provoca complicados cálculos matemáticos

Um arquiteto nos conta tudo o que poderia dar errado neste projeto nada perfeito

Piscina improvisada na varanda provoca complicados cálculos matemáticos Ampliar foto

Estamos em plena onda de calor no hemisfério norte, e muitos ainda não puderam ir à praia. Longe de se conformar com um banho frio, a criança que protagoniza esta foto curte uma piscina improvisada na varanda com a ajuda de uma lona de plástico e uma mangueira. “Todos estamos vivendo em 2017, e este garoto já está em 3017”, diz o autor do tuíte que popularizou a imagem – cuja localização ainda se desconhece. A mensagem foi compartilhada quase 11.000 vezes em dois dias.

Trata-se da melhor ideia deste verão boreal? Obviamente, não. É um perigo. De fato, na manhã desta segunda-feira, vários usuários do Twitter se debruçaram sobre cálculos (meio no olho, claro) para determinar se a varanda pode aguentar o peso da água ou se acabará cedendo, como no exemplo deste tuíte que dá início a uma extensa discussão.

Ou a varanda despenca ou o parapeito cede

Sem dúvida não é uma boa ideia, como nos confirma Pedro Morcillo, arquiteto da construtora espanhola San José. “Num edifício novo residencial, as varandas devem suportar uma carga adicional de 200 quilos por metro quadrado. Mas um metro cúbico de água já pesa 1.000 quilos. Isso significa que, numa piscina de um metro [de comprimento], estamos falando de uma carga cinco vezes maior que a projetada”, diz ele. Se a varanda da imagem ainda não cedeu é porque “projetamos o concreto e as estruturas como se aguentassem menos e a carga fosse maior”. Ou seja, “com parâmetros de segurança” que normalmente são de 50%.

Além do peso da água, há um segundo perigo. “O parapeito também pode cair pela força horizontal da água”, já que não está preparado para suportar 80 centímetros do líquido.

“Tecnicamente, o pior dessa invenção”, diz o arquiteto, “é que foi feita num elemento que sobressai da estrutura, pois a carga não pode ser distribuída de maneira uniforme”. Todo o trabalho da carga é realizado na viga (horizontal), que une a varanda aos pilares (verticais) do edifício. Por isso, a laje pode acabar despencando.

Morcillo recorda que a água tem uma densidade muito alta. É preciso extremo cuidado inclusive na hora de instalar uma piscina desmontável. “Antes de colocar uma dessas piscinas na sua varanda, você precisa da análise de um técnico”, afirma. Caso contrário, pode haver uma sanção administrativa.

Piscinas que ocupam toda a varanda, como a da foto, são ainda piores. “Um vizinho poderia fazer uma denúncia. E se isso for visto por um técnico da Prefeitura, com certeza haverá uma sanção".

Lamentamos muito por esse garoto, que parece curtir muito a diversão. Mas esperamos que o gênio que projetou a obra pense de novo e leve o menino à piscina do bairro.

MAIS INFORMAÇÕES