Seleccione Edição
Entra no EL PAÍS
Login Não está cadastrado? Crie sua conta Assine

Não é escandaloso que as mulheres deixem de depilar as axilas

O incansável ciclo de procurar notícias virais perpetua o tabu da depilação feminina e não normaliza uma realidade consumada

Paris Jackson nos prêmios GLAAD.
Paris Jackson nos prêmios GLAAD. WireImage

“Ato revolucionário.” “Paris Jackson aparece sem se depilar nos Prêmios Glaad Media.” “O polêmico look de Paris Jackson.” Estes são, em linhas gerais, os títulos que apareceram na imprensa nos últimos dias a propósito de uma aparição nos prêmios GLAAD da onipresente Paris Jackson (rosto da Chanel, nova protegida de Carine Roitfeld e recente capa da Rolling Stone). A filha de Michael Jackson, com vestido de gala, deixava expostas suas axilas sem depilar. Um assunto palpitante, a julgar pelas buscas do Google, já que aparecem 5.390 notícias digitais a respeito (e só em espanhol). “Não percebia que as pessoas iriam se incomodar tanto com os pelos das minhas axilas”, disse a própria Jackson num Instagram Stories. O ano de 2017 deveria lhe dar razão, mas a preocupação com os virais e a ânsia de muitas publicações em caçar cliques parecem discordar da percepção inicial dela.

É notícia que uma mulher conhecida apareça sem se depilar, quando já estamos nos fartando de ver isso na cultura pop, graças a séries como Transparent, Broad City ou Girls, ou a tantos filmes estrelados por atrizes como Juliette Binoche, Zosia Mamet, Victoria Abril e Noomi Rapace? Ou quando na Espanha, por exemplo, já se começou a visibilizar a rejeição à lâmina em 2014, com o movimento #Sobaquember (mulheres que compartilhavam fotos de suas axilas peludas nas redes sociais)? Desde então, os meios digitais insistem em dizer que uma axila peluda era uma espécie de desafio ou de gesto ousado dentro do movimento feminista, perpetuando assim a noção do tabu.

Madonna já fez isso 37 meses (mais de dois anos) atrás com uma foto no seu Instagram, e as axilas peludas e tingidas viralizaram nessa mesma época nas revistas femininas. A moda então recolheu o bastão dos novos tempos e normalizou em 2015 os pelos sob o braço em diversos editoriais. A transgressora grife belga Filles À Papa colocou Arvida Byström com axilas peludas numa campanha de trajes de banho. O ciclo deveria ter se fechado naquele mesmo ano, quando outra marca, esta bastante afastada do marketing da provocação, como é o caso da &Other Stories, apresentou um editorial de moda com mulheres sem depilar. Campanhas virais filmes, séries e anúncios de moda. Não era suficiente para deixar de insistir nisso?

Solange Knowles na campaha da &Other Stories en 2015.
Solange Knowles na campaha da &Other Stories en 2015. &Other Stories

Não. Quando Lola Kirke apareceu sem se depilar no Globo de Ouro, o ciclo de manchetes e notícias foi exatamente o mesmo que se viu com Paris Jackson (na imprensa espanhola, houve títulos como “Lola Kirke de boba não tem nem um pelo, mas sim nas axilas”, e inclusive textos que questionavam uma suposta falta de higiene da atriz – dá-se como certo esse parâmetro também na imprensa masculina?). Bella Thorne é outra que causa alvoroço toda vez que levanta o braço e é fotografada. Já cansada das notícias que acumula a respeito, recentemente tuitou: “Será que já não sabem que nunca me depilo?”.

MAIS INFORMAÇÕES