Seleccione Edição
Entra no EL PAÍS
Login Não está cadastrado? Crie sua conta Assine

Esquerda volta às ruas e tenta articular greve geral contra as reformas do Governo Temer

Sindicatos e movimentos planejam grande mobilização contra reformas trabalhista e da previdência

Manifestantes em protesto de 15 de março, em Brasília.
Manifestantes em protesto de 15 de março, em Brasília. EFE

Movimentos de esquerda voltam às ruas nesta sexta-feira com o desafio de construir o que prometem ser "a maior greve geral do Brasil" contra as reformas da previdência e trabalhista defendidas pelo Governo de Michel Temer. Encabeçados pela Central Única dos Trabalhadores (CUT), ligada ao PT, e pelo Movimento dos Trabalhadores Sem Teto (MTST), eles planejam uma série de atividades neste próximo mês para dar visibilidade à pauta e constranger o Governo e os parlamentares que apoiam as medidas.

Os atos reúnem duas frentes distintas, criadas em 2015, durante a crise política enfrentada por Dilma Rousseff. Setores da esquerda discordavam quanto à postura que deveriam adotar diante das mudanças pró-austeridade tomadas pela ex-presidenta. A Frente Povo Sem Medo, com duas dezenas de entidades incluindo o MTST, era crítica das políticas do ex-ministro da Fazenda, Joaquim Levy, e, por isso, não incluía o PT. A Brasil Popular, com o Partido dos Trabalhadores, encampava a postura anti-impeachment, mas evitava as críticas a Rousseff. Agora, as duas se unem por um inimigo em comum: as medidas do atual Governo.

Para esta sexta-feira, estão programados atos em 23 Estados e no Distrito Federal. Ruas e rodovias de São Paulo amanheceram com protestos — algumas foram inclusive bloqueadas com barricadas de fogo, como avenida Jacu Pêssego. A CUT pretende reunir na capital paulista 60.000 pessoas em frente ao Masp, na avenida Paulista. O protesto seguirá em caminhada até a praça da República, no centro. O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, que esteve em ato similar no mês passado, não deve participar. Isso deve evitar críticas de setores da esquerda que discordam do protagonismo dado a ele nos atos.

"Os protestos serão uma etapa de um mês de grande mobilização. Ao longo do mês de abril teremos várias atividades, incluindo uma Malhação de Judas, no Sábado de Aleluia [15 de abril] que terá Temer como o traidor", explica Douglas Izzo, presidente da CUT-SP e coordenador da Frente Brasil Popular no Estado. "É uma etapa para que em 28 de abril a gente tenha a maior greve geral do país", afirma. Apesar de nos últimos anos os sindicatos terem tido uma certa dificuldade de promover grandes mobilizações, Izzo acredita que a pauta atual das manifestações tem a capacidade de mobilizar não apenas a esquerda, mas também os que pediam o impeachment de Rousseff. De fato, há uma crítica comum: pesquisa realizada na Paulista na última manifestação pró-Lava Jato, que reuniu um público mais conservador, apontou que 75% dos presentes discordavam da reforma da Previdência de Temer.

Caso os atos consigam ganhar fôlego, os movimentos colocam ainda mais pressão sobre os parlamentares, que temem o desgaste político das reformas a um ano das eleições. A reforma da Previdência, da forma como defendia inicialmente o Governo, não encontra maioria na Câmara e Temer já teve que recuar em diversos pontos, para tentar aprovar a proposta. A Lei da Terceirização, que muda as regras trabalhistas, também é motivo de de desgaste para o presidente. Aprovada na Câmara e à espera da sanção presidencial, ela criou um racha entre os próprios peemedebistas. Uma parte dos senadores do partido, entre eles Renan Calheiros, criticou duramente a medida em uma carta conjunta. Calheiros, inclusive, chamou o projeto de "boia fria.com".

MAIS INFORMAÇÕES