Seleccione Edição
Entra no EL PAÍS
Login Não está cadastrado? Crie sua conta Assine

Uber cancela testes de carro sem motorista após acidente

Em dezembro, deixaram o Vale do Silício para continuar com os experimentos no Arizona

Acidente de um carro do Uber em Tempe (Arizona). REUTERS

Um acidente colocou freios no sonho do Uber. A corrida com carro sem motorista terá que esperar. Após um acidente, na sexta-feira, em Tempe (Arizona), a startup decidiu cancelar os testes na rua, com tráfego. A colisão teve grande repercussão após ser publicada no Twitter uma foto do seu icônico carro capotado, no meio da via, com as janelas quebradas e diversos arranhões e golpes. O Uber confirmou a veracidade da imagem e anunciou que deixará de fazer testes não apenas no Arizona, para onde se mudou depois de abandonar São Francisco pela ausência de licenças, no final de dezembro, mas também em Pittsburgh, onde começou o experimento e criou um laboratório de pesquisas para acelerar essa tecnologia.

Josie Montenero, porta-voz da polícia de Tempe, afirma que a culpa foi do outro carro, que não deu passagem em uma curva. O carro do Uber andava com um condutor que poderia ter assumido o controle do volante, mas ainda não se sabe se o fez. Confirmaram que não havia mais passageiros.

O carro sem motorista tem dois protagonistas principais, Google e Uber. Enquanto o Uber acaba de passar por este acidente, em Waymo, filial do Google, foram registradas apenas colisões menores, a maioria porque o carro que anda atrás do robotizado não freou a tempo. Os modelos de Waymo, uma cápsula de dois lugares, uma van e um utilitário (SUV) já percorreram mais de três milhões de quilômetros.

A luta entre as duas empresas também ocorre nos tribunais. Waymo denunciou a Otto, companhia comprada pelo Uber para impulsionar a pesquisa, por roubo de patentes, planos e segredos. O fundador da Otto era empregado do Google e é acusado de levar consigo mais de 14.000 arquivos.

Este acidente soma-se à série de problemas pelos quais passa a empresa e, especialmente, seu fundador e executivo-chefe Travis Kalanick, que busca um número dois para desencalhar uma empresa valorizada acima dos 50 bilhões de dólares.

Para o Uber, o carro sem motorista é uma das chaves do futuro. Grande parte de sua viabilidade depende do sucesso desta ideia. Conseguir uma frota sem humanos ao volante lhe permitiria se livrar dos pagamentos aos motoristas e contar com carros que, além disso, possam circular 24 horas por dia, parando apenas para revisões e reabastecimentos. Os condutores, que não são empregados da empresa, são um dos pontos fracos do Uber, contra o qual têm aberto diversos litígios pelas condições trabalhistas e flutuações de tarifas.

Esta decisão chama a atenção quando, na mesma sexta-feira à tarde, um de seus carros, um SUV da Volvo, circulava por SOMA, bairro das startupsde São Francisco. Com um motorista, claro.

MAIS INFORMAÇÕES