Seleccione Edição
Entra no EL PAÍS
Login Não está cadastrado? Crie sua conta Assine

Argentina vê aprofundar sua desigualdade social

A desvalorização do peso, a queda da atividade econômica e o aumento do desemprego, tudo isso acompanhado por um alto índice de inflação, explicam parte desse fenômeno

Preparação de um sopão durante um protesto social na província de Tucumán. Telam

Os argentinos mais ricos são mais ricos e os mais pobres são mais pobres. As estatísticas oficiais mostraram que a desigualdade social cresceu na Argentina durante 2016, ano do início do Governo de Mauricio Macri, um processo lento, mas constante, que começou em 2014, durante os últimos anos do kirchnerismo.

De acordo com o Instituto de Estatística e Censos (Indec) o 10% da população mais rica recebeu no terceiro trimestre do ano passado ingressos médios 25,6 vezes mais altos que o 10% mais pobre. Um trimestre antes, essa diferença era de 23 vezes. Em números, significa que os argentinos da base da pirâmide viveram com 1.370 pesos (em média 275 reais) por mês, contra 34.998 pesos (em torno de 7.000 reais) do estrato mais alto. A última estatística também revelou que a metade dos argentinos ganha menos de 8.000 pesos (1610 reais) por mês, ou seja, vive com pouco mais de 50 reais por dia. O número está acima dos 325 dólares (1.038 reais) necessários para cobrir a Cesta Básica Alimentar (CBA), que determina a linha da indigência, mas bem abaixo dos 745 dólares (2.380 reais) necessários para cobrir a Cesta Básica Total (alimentos e serviços) de uma família média.

No final de setembro, Macri admitiu que 32% da população era pobre, um número que transformou em algo difícil de cumprir sua promessa de campanha de “pobreza zero”. Especialmente porque o início não foi bom e a Argentina fechou um ano econômico que muitos querem esquecer. O PIB caiu 3,8% no terceiro trimestre, a atividade industrial desabou 4,1% e a inflação foi de 40%. O Governo de Macri disse que foi o custo de resolver o desastre da “herança recebida” do kirchnerismo, e que 2017 o país vai decolar. Seu novo ministro da Fazenda, Nicolás Dujovne, disse que o quarto trimestre reverteu uma sucessão de números negativos e que a economia já começou a crescer. “Estamos trabalhando com uma hipótese de crescimento entre 3,5% e 4% para 2017”, disse o ministro em uma entrevista recente.

Macri recentemente admitiu que 32% da população é pobre, o que transforma sua promessa de “pobreza zero” em algo difícil de cumprir 

Mas apenas crescer não vai resolver. Macri também precisa reverter a tendência a uma maior desigualdade em um país que historicamente foi um dos mais igualitários do continente. Os indicadores de igualdade coletados pelo Banco Mundial, datados de 2014, colocaram a Argentina no primeiro lugar de uma tabela comparativa com Brasil, Peru, Bolívia, México e Equador. Enquanto o índice Gini (uma medida de desigualdade de distribuição de renda) da Argentina foi de 42,28 (0 é maior igualdade, 100 é maior desigualdade), o Brasil ficou na pior posição, com 51,48. A Argentina não registrava um índice de Gini inferior a 43 desde 1986, quando começou uma corrente ascendente que atingiu seu auge na crise de 2002, quando subiu para 53,79. Desde então não deixou de despencar até 2013. Mas o último registro do Banco Mundial de 2014 já mostrava um pequeno declínio.

Os dados divulgados agora pelo Indec são apenas de ingressos e não é correto compará-los com o índice de Gini, um indicador múltiplo, mas servem como aviso. No trimestre de maio-junho, os 10% argentinos mais pobres ficaram com 1,4% da renda total e os mais ricos, com 31,3%. Um trimestre depois a tendência beneficiou os mais ricos, que ficaram com 31,5% dos ingressos, contra 1,2% dos mais pobres. A desvalorização do peso, a queda da atividade econômica e o aumento do desemprego (passou de 5,9% para 9,3% no segundo trimestre), tudo isso acompanhado por uma inflação de 40%, explicam parte desse fenômeno.

O Governo admitiu desde o início que a situação social era complicada e que, por isso, tinha reservado recursos fiscais para moderar o impacto do ajuste entre os mais pobres. O orçamento aprovado pelo Congresso para o próximo ano, no entanto, prevê um crescimento do PIB de 3,5% e uma inflação entre 12% e 18%. Que isso também permita reduzir o fosso entre ricos e pobres será um desafio para Macri.

MAIS INFORMAÇÕES